INFÂNCIAS DECOLONIAIS, INTERSECCIONALIDADES E DESOBEDIÊNCIAS EPISTÊMICAS

Autores

  • Maylla Monnik Rodrigues de Sousa Chaveiro
  • Luzinete Simões Minella Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

DOI:

https://doi.org/10.9771/cgd.v7i1.43661

Palavras-chave:

Interseccionalidade, Interdisciplinaridade, Decolonialidade

Resumo

O presente artigo tem como objetivo refletir sobre as articulações entre os seguintes conceitos: infâncias, decolonialidade, interseccionalidade e desobediência epistêmica. O artigo se fundamenta epistemologicamente em algumas perspectivas teóricas interdisciplinares e decoloniais, e a metodologia se baseou na observação participante em marchas e encontros de valorização da estética negra entre 2014 e 2019 em nove capitais do Brasil. Em um primeiro momento, sintetizamos articulações teóricas entre o pensamento decolonial e as noções de infâncias segundo Jens Qvortrup e Renato Noguera. Posteriormente, discutimos infâncias em perspectivas interseccionais. Por fim, destacamos que a estética dos cabelos crespos em movimento é capaz de oferecer condições simbólicas e subjetivas para que se desenvolvam novas perspectivas de resistência aos campos ideológicos do racismo, com o protagonismo das crianças negras, por meio da desobediência epistêmica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maylla Monnik Rodrigues de Sousa Chaveiro

Doutora pelo Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas (UFSC), Mestra e Bacharela em Psicologia (UFMS).

Luzinete Simões Minella, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutora em Sociologia pela Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM), professora adjunta aposentada da UFSC.

Downloads

Publicado

2021-06-28

Como Citar

Rodrigues de Sousa Chaveiro, M. M., & Simões Minella, L. (2021). INFÂNCIAS DECOLONIAIS, INTERSECCIONALIDADES E DESOBEDIÊNCIAS EPISTÊMICAS. Cadernos De Gênero E Diversidade, 7(1), 99–117. https://doi.org/10.9771/cgd.v7i1.43661

Edição

Seção

Dossiê