COTIDIANO, BEM-VIVER E AVALIAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS

Autores

  • Maria Aparecida Azevedo Abreu Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.9771/ns.v14i26.52260

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir teoricamente se o cotidiano seria uma categoria abrangente e operacional para a avaliação das políticas públicas. Partindo das discussões contemporâneas sobre as demandas do bem-viver e do bem-estar como objetivos da ação estatal, parte-se das elaborações sobre o cotidiano apresentadas por Agnes Heller e Henri Lefebvre, incrementando-as com noções mais recentes de vulnerabilidade, desenvolvidas por trabalhos da área da assistência social e a da saúde, assim como pesquisas interdisciplinares sobre o cuidado, desenvolvidas pelo campo dos estudos de gênero. Com este propósito, foi utilizada a literatura sobre esses temas, em uma perspectiva inter e multidisciplinar, assim como documentos relativos ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e os textos constitucionais do Brasil, da Bolívia e do Equador. A partir da conceituação de cotidiano no contexto de políticas públicas voltadas para o bem-estar (ou bem-viver), é verificado como a categoria se insere em um fluxo de processos e resultados da formulação, implementação e avaliação dessas políticas. Por fim, é indicado como instrumento possível de verificação empírica do cotidiano as pesquisas de uso do tempo, já desenvolvidas em diversos países, inclusive em território brasileiro. Conclui-se, assim, que o cotidiano, além de ser uma categoria operacional, seu uso é desejável para a avaliação de políticas públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2023-12-07

Como Citar

Azevedo Abreu, M. A. (2023). COTIDIANO, BEM-VIVER E AVALIAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS. NAU Social, 14(26), 1365–1382. https://doi.org/10.9771/ns.v14i26.52260

Edição

Seção

Dossiê - O campo da avaliação em disputa