UM SENTIMENTO TÃO FEIO QUANTO O TORPOR

Autores

  • Ruan Nunes Silva Universidade Estadual do Piauí (Campus Parnaíba)

DOI:

https://doi.org/10.9771/ell.i70.44081

Palavras-chave:

Afetos, Estudos queer, Chelsea Girls, Eileen Myles, Torpor

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar de que formas o torpor, um afeto tradicionalmente lido como negativo, pode ser útil quando se interrogam as estruturas sociais heteronormativas. Para tal, uma leitura do torpor na obra Chelsea Girls de Eileen Myles é realizada com o intuito de sublinhar as interpretações do estado de entorpecimento nas interações da protagonista da obra com o mundo ao seu redor. Considerando as contribuições de Muñoz (1999), Despentes (2016), Ahmed (2010) e outros, pode-se concluir que o torpor é um afeto complexo que, em negociações que não estão isentas de sofrimento, revela inconsistências no cenário social político ao questionar o que se convencionou chamar de “sentimentos bons”. Desta forma, o torpor se torna um “sentimento feio” com usos políticos possíveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ruan Nunes Silva, Universidade Estadual do Piauí (Campus Parnaíba)

Professor Assistente (Dedicação Exclusiva) de Língua Inglesa e Literaturas de Língua Inglesa da Universidade Estadual do Piauí, Campus Prof. Alexandre Alves de Oliveira (Parnaíba). Doutor em Estudos de Literatura pela Universidade Federal Fluminense (UFF), mestre em Letras (Literaturas de Língua Inglesa) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), especialista em Língua Inglesa pela PUC-Rio e licenciado em Letras (Português-Inglês) pela Faculdade CCAA. É líder do grupo de pesquisa EntreSaberes docentes, linguisticos e literários e membro do grupo História, Cultura e Gênero. Possui os certificados CAE (Certificate in Advanced English) e CPE (Certificate of Proficiency in English), ambos emitidos pela University of Cambridge. Possui interesse e tem produzido/atuado nas seguintes áreas: literaturas de língua inglesa; estudos pós-coloniais; estudos de gênero, identidade e sexualidade; teoria queer; estudos culturais e literaturas de língua inglesa; literaturas e outros sistemas/linguagens/artes.

Referências

AHMED, Sara. The Promise of Happiness. Durham: Duke University Press, 2010.

BERLANT, Lauren. Cruel Optimism. Durham: Duke University Press, 2011.

BOURCIER, Sam. Homo Inc.Orporated: O triângulo e o unicórnio que peida. Tradução de Marcia Bechara. São Paulo: n-1 edições, 2020.

BUTLER, Judith Butler. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

DESPENTES, Virginie. Teoria King Kong. Tradução de Márcia Bechara. São Paulo: n-1 edições, 2016.

HALBERSTAM, Jack. A Arte Queer do Fracasso. Tradução de Bhuvi Libanio. Recife: CEPE, 2020.

HALBERSTAM, Jack. Gaga Feminism: Sex, gender, and the end of normal. Boston: Beacon Press, 2012.

HALBERSTAM, Judith (Jack). In a Queer Time & Place: Transgender bodies, subcultural lives. New York: New York University Press, 2005.

HURN, Rachel. Marks on Paper: Eileen Myles’s Chelsea Girls. The Paris Review, New York, 2013. Disponível em https://www.theparisreview.org/blog/2013/03/14/marks-on-paper-eileen-myles-chelsea-girls/. Acesso em 02 Jul. 21.

KIPNIS, Laura. Against Love: A polemic. New York: Vintage Books, 2004.

KLINGER, Diana. Literatura e Ética: Da forma para a força. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

LOVE, Heather. Feeling Backward: Loss and the politics of queer history. Cambridge & London: Harvard University Press, 2009.

MENEZES, Léa Santana de. Quando o obsceno compõe a cena: outras feminidades para compor novos feminismos. In: SOARES, Mayana Rocha; BRANDÃO, Simone; FARIA, Thais (Orgs.). Lesbianidades Plurais: Outras produções de saberes e afetos. Salvador: Editora Devires, p. 119-128, 2019.

MUÑOZ, José Esteban. Disidentifications: Queers of color and the performance of politics. Minneapolis e Londres: University of Minnesota Press, 1999.

MYLES, Eileen. Chelsea Girls. Tradução de Bruna Beber. São Paulo: Todavia, 2019.

NGAI, Sianne. Ugly Feelings. Boston: Harvard University Press, 2005.

TACKETT, Justin. Stanford scholars debate the moral merits of reading fiction. Stanford Report, Stanford. 2014. Disponível em https://news.stanford.edu/news/2014/february/morals-ethics-literature-022114.html. Acesso em 02 Jul. 21.

Downloads

Publicado

2021-12-11

Como Citar

SILVA, R. N. UM SENTIMENTO TÃO FEIO QUANTO O TORPOR. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 70, p. 165–186, 2021. DOI: 10.9771/ell.i70.44081. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/44081. Acesso em: 26 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS / ARTICLES