“MEU LIVRO DE CORDEL” ATRAVÉS DE TEMPOS, VERSOS E MEMÓRIAS: RESISTÊNCIAS EM IDENTIDADES

Autores

Palavras-chave:

Mulher, Identidade, Poesia, Discurso, Memória

Resumo

A obra de Cora Coralina ressoa na Literatura Brasileira como uma das mais genuínas vozes de mulheres a elevar a poesia popular e a cultura regional ao lugar de inquietações contemporâneas que atestam o caráter universal de suas produções. Mulher de educação tradicional e, talvez por esse motivo, desde cedo afastada das letras, conheceu o casamento, a rejeição familiar, o ofício de doceira e algum reconhecimento após o lançamento de seu primeiro livro apenas na maturidade, após os 70 anos de idade. No entanto, sua inclinação precoce à literatura junto a um olhar arguto para seu momento histórico a levou à realização de uma obra que transita por diversas temáticas, estilos e pautas entre tramas que aludem ao narrativo, ao lírico e ao memorialístico dos registros de lugares que reverberam como microcosmos de eventos históricos cujos ecos incidem sobre a contemporaneidade confirmando a atualidade de sua escrita. Assim, a análise de Meu livro de cordel (1976) alude a questões que dialogam (BAKHTIN, 1997) com os estudos de Literatura (CANDIDO, 2006), gênero (MACHADO, 2003) e memória (CANDAU, 2014).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Meire Oliveira Silva, Universidade de São Paulo

Bacharelado e Licenciatura pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), da Universidade de São Paulo (USP). Mestrado e Doutorado pelo Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada (DTLLC), da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), da Universidade de São Paulo (USP).

Referências

BEAUVOIR, Simone de. A Velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BENJAMIN, Walter. “O narrador”. In: Magia e Técnica, Arte e Política– ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas, volume I, 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1977.

BOSI, Alfredo. História concisa da Literatura. São Paulo: Cultrix, 2015.

CANDAU, Joël. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2011.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

CANDIDO, Antonio. Na sala de aula. 8. ed. São Paulo: Ática, 2000.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira. 7. ed. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: Itatiaia, 1993.

CORALINA, Cora. Poemas dos becos de Goiás e Estórias mais. São Paulo: Global Editora, 2006.

CORALINA, Cora. Meu Livro de Cordel. 1. ed. digital. São Paulo: Global Editora, 1997

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Editora Vozes, 1987.

HALBSWACHS, Maurice. Memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

LUGONES, María. “Colonialidade e gênero”. In: Tabula Rasa. 2008, n. 9, pp. 73-102.

MACHADO, Ana Maria. “O Tao da teia” In: Estudos Avançados, n. 17, vol. 49, São Paulo, 2003.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. São Paulo: Projeto História, n. 10, dez. 1993.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Trad. Olga Savary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2007.

Downloads

Publicado

2021-12-11

Como Citar

SILVA, M. O. “MEU LIVRO DE CORDEL” ATRAVÉS DE TEMPOS, VERSOS E MEMÓRIAS: RESISTÊNCIAS EM IDENTIDADES. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 70, p. 236–253, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/44042. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS / ARTICLES