MOVIMENTOS SOCIAIS RURAIS E FEMINISMOS: percursos e diálogos na construção do feminismo camponês e popular

Autores

  • Iolanda Araújo Ferreira dos Santos Universidade Federal de Santa Maria. Departamento de Educação Agrícola e Extensão Rural (Deaer). http://orcid.org/0000-0001-7595-7884
  • Janaina Betto Universidade Federal de Santa Maria. Programa de Pós--Graduação em Extensão Rural. http://orcid.org/0000-0002-8068-5075

DOI:

https://doi.org/10.9771/ccrh.v34i0.42344

Palavras-chave:

Feminismo Camponês. Gênero. Campesinato. Mulheres Rurais. Esperança.

Resumo

Este artigo apresenta uma reflexão sobre alternativas políticas que mulheres camponesas vêm construindo em sua atuação em movimentos sociais rurais no Brasil (no Movimento de Mulheres Camponesas e no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). A partir de revisão bibliográfica, análise documental, entrevistas e participação em eventos, buscamos compreender como as dirigentes camponesas, organizadas politicamente, têm procurado alternativas às desigualdades nas relações de gênero no meio rural e pensado
a construção do feminismo tendo em vista suas vivências no campo. Entendemos que suas reivindicações levam a uma política própria, criada por mulheres para toda a sociedade, da qual emerge esse feminismo ainda em elaboração, mas que já afirma a busca por novas relações de gênero, de produção e com a natureza, a partir das práticas cotidianas do “modo de vida” das mulheres camponesas. Mesmo diante do avanço do neoconservadorismo no Brasil, essas mulheres estão construindo o feminismo camponês e popular como
movimento de autonomia e esperança.

RURAL SOCIAL MOVEMENTS AND FEMINISM: paths and dialogues in the construction of popular peasant feminism

This article discusses political alternatives proposed by peasant women during rural social movements in Brazil, such as the Landless Workers Movement (MST) and the Peasant Women Movement (MMC). From bibliographic review,
document analysis, interviews, and participation in events, we sought to understand how politically organized peasant women leaders have articulated
alternatives to gender inequalities in rural areas and constructed feminism from their experiences in the country field. We perceive that their claims lead to a particular policy, created by women, but aimed for the overall society. From such policy emerges this feminism that, although under construction, already states the search for new gender, production, and nature relations, based on the daily practices of the peasant women. Despite the advance of neoconservatism in Brazil, these women have been building the popular peasant feminism as a movement of autonomy and hope.

Keywords: Peasant Feminism. Gender. Peasantry. Rural Women. Hope.

DES MOUVEMENTS SOCIAUX RURAUX ET DES FÉMINISMES: parcours et dialogues dans la construction du féminisme paysan et populaire

Cet article refléchit sur des alternatives politiques dont des femmes paysannes sont en train de construire le long des mouvements sociaux ruraux au Brésil(Mouvement des Travailleurs Ruraux Sans-Terre – MST et dans le Mouvement des Femmes Paysannes – MMC).De la revue bibliographique, de l’analyse des documents, de l’ouverture et de la participation à des événements, nous avons cherché à comprendre comment les femmes leaders paysannes politiquement organisées réfléchissent elles-mêmes aux alternatives aux inégalités dans les relations de genre en milieu rural et à la construction du féminisme depuis leurs expériences dans le pays champ. On comprend que leurs
revendications ménent à une politique propre, édifié par des femmes pour toute la societé, d’où émerge ce féminisme encore en construction, mais que affirme
déjà la recherche de: nouvelles rélations de genre, nouvelles rélations de production et avec la nature, depuis les pratiques quotidiennes du mode de vie
des femmes paysannes. Même devant le progrès du néoconservatisme au Brésil, ces femmes sont en train de construire leféminismepaysan et populaireen tant
quemouvement d’autonomie et espoir.

Motsclés: Féminisme Paysan. Genre. Paysannerie. Femmes Rurales. Espoir.

Biografia do Autor

Iolanda Araújo Ferreira dos Santos, Universidade Federal de Santa Maria. Departamento de Educação Agrícola e Extensão Rural (Deaer).

Doutora e mestra em Extensão Rural pela pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM e Engenheira de Pesca pela Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE. Possui licenciatura plena pelo Programa Especial de Formação de Professores para a Educação Profissional, na UFSM com foco na formação docente para o ensino profissionalizante. Durante os anos de graduação e mestrado desenvolveu atividades nas áreas de extensão rural, desenvolvimento rural, extensão pesqueira e aquicultura de base familiar e educação do campo. No doutorado tem se dedicado especialmente à temas relacionados às mulheres rurais, movimentos sociais do campo e sociologia rural.

Janaina Betto, Universidade Federal de Santa Maria. Programa de Pós--Graduação em Extensão Rural.

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural da Universidade Federal de Santa Maria (PPGExR-UFSM). Mestra em Extensão Rural (PPGExR-UFSM). Desenvolve pesquisas com os seguintes temas: mulheres camponesas, mulheres indígenas, movimentos sociais, política e cosmopolíticas. Principal publicação: BETTO, J.; PICCIN, M. B. Movimento de Mulheres Camponesas
(MMC/SC) e o percurso de sua luta feminista. Amerika, Rennes, v. 16, 2017.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

Araújo Ferreira dos Santos, I., & Betto, J. (2021). MOVIMENTOS SOCIAIS RURAIS E FEMINISMOS: percursos e diálogos na construção do feminismo camponês e popular. Caderno CRH, 34, e021007. https://doi.org/10.9771/ccrh.v34i0.42344