CONJUNTURA HISTÓRICA DE 1848-1851: REELABORAÇÃO DA PRÁTICA E DE TEORIA MARXISTA

Autores

  • Maria de Fátima Rodrigues Pereira Universidade Tuiuti do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v1i1.9843

Resumo

Analisa-se neste texto a conjuntura histórica de 1848 a 1851 caracterizada pelas lutas de classes. Para o estudo recorre-se à periodização elaborada por Marx em O 18 de Brumário de Luis Bonapate. Objetiva-se contibuir com outros textos, deste número, da Revista Germinal Marxismo e Educação em Debate, e para o entendimento que o marxismo é uma teoria social e de conhecimento que se elabora a partir da prática dos homens organizados em formações sociais para produzirem o seu existir. O apagamento ou a permanência do marxismo é uma arma para a manutenção ou superação do atual modo de produção da existência caraterizado pela contradição: divisão social do trabalho e apropriação privada dos frutos do trabalho, ao extremo, pela burguesia. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Fátima Rodrigues Pereira, Universidade Tuiuti do Paraná

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professora do Programa do Mestrado em Educação da Universidade Tuiuti do Paraná. Email: pereiramfatima@hotmail.com 

Downloads

Publicado

2014-03-12

Como Citar

Pereira, M. de F. R. (2014). CONJUNTURA HISTÓRICA DE 1848-1851: REELABORAÇÃO DA PRÁTICA E DE TEORIA MARXISTA. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 1(1), 103–109. https://doi.org/10.9771/gmed.v1i1.9843