SEIS TESES SOBRE MEMÓRIA E HEGEMONIA, OU O RETORNO DA POLÍTICA

Autores

  • Fernando Mendes Rosas Universidade Nova de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v1i1.9840

Palavras-chave:

Memória, Hegemonia, Reformismo, Emancipação

Resumo

Este texto diz respeito à memória, hoje, como palco da luta de classes. Em seis teses desenvolve-se que: 1. o lembrado ou não lembrado das práticas humanas do século XX constitui-se num debate elaborado em surdina, mas, que já provoca ruído; 2. que o debate na apropriação pela memória faz parte da luta pelo poder; 3. que a memória não vale por ela mesma, mas, pela apropriação e seu uso na luta por hegemonia; 4. que o discurso historiográfico não é neutro; 5. que o ideário neoliberal veiculado pelas media fortalece um presentismo que impede a cultura crítica, conceitos e valores de potencial subversivo, com evidentes consequências na exploração do trabalho, na ação política reformista, na reabilitação, em surdina, das práticas políticas da ditadura, do salazarismo, do colonialismo; 6. que a resistência ao apagamento da memória é tarefa de movimentos sociais. Finalmente, que os trilhos da memória são a espinha dorsal da identidade de quem vem de longe na luta política. Que essa consciência de si é o fulcro de todo o combate emancipatório. Por isto, tenhamos Memória. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Mendes Rosas, Universidade Nova de Lisboa

Historiador. Licenciado em Direito pela Universidade Clássica de Lisboa, conclui, em 1986, a primeira tese de mestrado em Portugal sobre História Contemporânea. Doutor em História Económica e Social Contemporânea, pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. É, desde 1996, professor agregado de História Portuguesa Contemporânea do Instituto de História Contemporânea (IHC), Universidade Nova de Lisboa. Deputado à Assembléia da República Portuguesa pelo do Bloco de Esquerda. Email: ihc@fcsh.unl.pt 

Downloads

Publicado

2014-03-12

Como Citar

Rosas, F. M. (2014). SEIS TESES SOBRE MEMÓRIA E HEGEMONIA, OU O RETORNO DA POLÍTICA. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 1(1), 84–87. https://doi.org/10.9771/gmed.v1i1.9840