OS INTELECTUAIS E O MÉTODO

Autores

  • Francisco Mauri de Carvalho Freitas Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Palavras-chave:

Teoria, Marxismo, Método, Papel dos intelectuais, Crítica

Resumo

O presente estudo é uma despretensiosa contribuição à questão do método dialético, enquanto processo de investigação e ordenação lógica de uma determinada atividade, neste caso, a produção do conhecimento. O objetivo deste estudo é afirmar como tarefa da crítica reportar que na educação física os inimigos do marxismo ao produzirem pesquisas científicas e discursos apologéticos “desinteressados”, não engajados, reforçam o papel do Estado capitalista e justificam as perversas estruturas sobre as quais está edificada a cidade do capital. À guisa de conclusão, a crítica marxista é indispensável à desobstrução da retórica positivista ainda hegemônica na universidade pública brasileira que deveria ser espaço de deslegitimação da ordem burguesa e reconstrução do real que se revela como história e cujo conteúdo é o mundo criado pelo trabalho e pela luta do homem contra a natureza. Preferindo viver uma existência vazia de princípios, aceitar como inexorável o quotidiano criticado, mudando de lado diante de insignificantes abalos sociais, os intelectuais da ordem continuam vivendo na ilusão e na quimérica esperança sem ação de um mundo onde eles, iluminados, seriam os portadores da iluminação. 

Biografia do Autor

Francisco Mauri de Carvalho Freitas, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Doutor em Educação pela UNICAMP. Docente do Cento de Educação Física e Desporto – UFES. Email: chicomauri@hotmail.com 

Downloads

Publicado

2009-03-12

Como Citar

Freitas, F. M. de C. (2009). OS INTELECTUAIS E O MÉTODO. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 1(1), 54–65. Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/9838