O metabolismo social e sua ruptura no capitalismo: aspectos históricos e sua configuração na etapa da financeirização da natureza

Autores

  • Nailsa Maria Souza Araújo Universidade Federal de Sergipe
  • Maria das Graças e Silva Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Programa de Pós-Graduação em Serviço Social – PPGSS/UFPE.

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.45306

Palavras-chave:

metabolismo social, falha metabólica, financeirização da natureza, história, capitalismo

Resumo

Há um debate que postula Marx como autor antiecológico. Na contramão deste pensamento, afirma-se que a obra marxiana possui uma profícua análise das relações sociedade-natureza. A hipótese é que a contribuição de Marx e do marxismo ao debate ambiental encontra substância nas categorias de metabolismo social e falha metabólica. O objetivo é sistematizá-las como contribuição à análise crítico-dialética da insustentabilidade do capitalismo. Metodologicamente, o trabalho se apoiou em revisão de bibliografia. Conclui-se que, no contexto atual de mercantilização da natureza, institui-se uma segunda fase da “falha metabólica”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nailsa Maria Souza Araújo, Universidade Federal de Sergipe

Pós-Doutora pelo Centro de Estudos Transdisciplinares (CETRAD), da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Portugal. Professora do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da UFS (PROSS/UFS) e do Departamento de Serviço Social da UFS. Memebro do Núcleo de Estudos e Pesquisa em questão ambiental e Serviço Social (NEPASS).

Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre questão ambiental e Serviço Social - NEPASS, do DSS/UFPE - http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/226075. Endereço para acessar CV: http://lattes.cnpq.br/0736366209736415. E-mail nayaraujo5@yahoo.com.br

Maria das Graças e Silva, Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Programa de Pós-Graduação em Serviço Social – PPGSS/UFPE.

Pós-doutora pelo Centro de Estudos Sociais (CES), da Universidade de Coimbra (UC), Portugal. Docente do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social – PPGSS/UFPE. Líder do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Questão Ambiental e Serviço Social - NEPASS, do DSS/UFPE - http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/226075. Endereço para acessar CV: http://lattes.cnpq.br/1370572660294004. E-mail maria.gsilva2@ufpe.br.

Referências

ARAÚJO, N. M. S. Introdução. In: ARAÚJO, N. M. S. (org.) Estado, “questão ambiental” e conflitos socioambientais. São Cristóvão: Editora UFS, 2020.

DUARTE, R. A de P. Marx e a natureza em O capital. 2 ed. São Paulo: Edições Loyola, 1995.

CHESNAIS, F. Um sistema financeiro global ultra parasitário que goza de uma proteção indefetível. Lisboa, 18 de julho de 2020. Esquerda.net. Disponível em: https://www.esquerda.net/artigo/um-sistema-financeiro-global-ultra-parasitario-que-goza-de-uma-protecao-indefetivel/69218. Acesso em: 12 dezembro 2020.

CHESNAIS, F. O capitalismo tentou romper seus limites históricos e criou um novo 1929, ou pior. CARTA MAIOR. 16 de outubro de 2008. [4] p. Disponível em https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Economia/O-capitalismo-tentou-romper-seus-limites-historicos-e-criou-um-novo-1929-ou-pior%250D%250A%250D%250A/7/14341. Acesso em: 20 fevereiro 2010.

DANTAS, G. Michael Lowy e Karl Marx: ruídos | O Manifesto Comunista é um texto antiecológico? Brasília, 22 de novembro de 2015. Esquerda Diário. Disponível em: https://www.esquerdadiario.com.br/O-Manifesto-Comunista-e-um-texto-antiecologico. Acesso em: 15 fev. 2021.

FERNANDES, F. Significado do protesto negro. São Paulo: Cortez Editora; Campinas: Editora Autores Associados, 1989. (Coleção Polêmicas do nosso tempo, v. 33). Disponível em: https://www.passeidireto.com/arquivo/56717853/fernandes-florestan-o-significado-do-protesto-negro. Acesso em: 17 set. 2020.

FERREIRA, G. H. C. O agronegócio no Brasil e a produção capitalista do território. Geografia em questão, Marechal Cândico Rondon/PA, v. 5, n. 1, p. 66-82. 2012. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/geoemquestao/article/view/4829/4937. Acesso em: 23 maio 2019.

FOEI. (Friend of the Earth Internacional). Economic drivers of water financialization. Amsterdã/Holanda. Novembro de 2013. Disponível em: https://www.foei.org/resources/publications/publications-by-subject/economic-justice-resisting-neoliberalism-publications/economic-drivers-of-water-financialization. Acesso em: 7 janeiro 2021.

FOLADORI, G. A questão ambiental em Marx. Crítica Marxista, Campinas, v. 1, n. 4, p. 140-161, 1997. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/sumario.php?id_revista=4&numero_revista=4. Acesso em: 08 dez. 2018.

FOLADORI, G. O metabolismo com a natureza. Crítica Marxista, Campinas, v. 1, n.12, p. 105-117, 2001.Disponível em: www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/artigo7505folad.pdf. Acesso em: 10 março 2018.

FOLADORI, G. A reedição capitalista das crises ambientais. Revista Outubro, [S.l.], v. 1, n. 17, p. 191-207, 2008. Disponível em: http://outubrorevista.com.br/wp-content/uploads/2015/02/Revista-Outubro-Edic%CC%A7a%CC%83o-17-Artigo-07.pdf. Acesso em: 30 maio 2018.

FOLADORI, G.; MELAZZI, G. La Economía de la sociedade capitalista y sus impactos ambientales. Montevideo: UdelaR, 2019. Disponível em: https://pt1lib.org/book/5372645/c35cd1?id=5372645&secret=c35cd1. Acesso em: 15 abril 2021.

FOSTER, J. B. La Ecología de Marx: materialismo y naturaleza. Barcelona: El Viejo Topo, 2000.

FOSTER, J. B.; CLARCK, B. Imperialismo Ecológico: a maldição do capitalismo. In: PANITCH, L.; LEYES, C. O Novo Desafio Imperial. Buenos Aires: CLACSO, 2006.

HARVEY, D. O novo imperialismo. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

HARVEY, D. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

JONAS, H. O princípio da Responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, 2015.

JUBILEU SUL BRASIL. Economia Verde: o que é feito em nome do meio ambiente e do clima? [S.l.], março de 2016. Rede Jubileu Sul Brasil. Disponível em: https://jubileusul.org.br/biblioteca/publicacoes/cartilha-economia-verde-2/. Acesso em: 12 jun. 2020.

LAAN, M. V. D.; LUEDY, L. Ruptura metabólica ou Capitaloceno? Dissonâncias interpretativas na ecologia marxista. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 44., 2020, [S.l.]. Anais [...]. São Paulo: ANPOCS, 2021. Disponível em: https://anpocs.com/index.php/encontros/papers/44-encontro-anual-da-anpocs/spg-7/spg48/12740-ruptura-metabolica-ou-capitaloceno-dissonancias-interpretativas-na-ecologia-marxista?format=html. Acesso em: 22 jan. 2021.

LEFF, E. Ecología y Capital. Racionalidad ambiental, democracia participativa y desarrollo sustentable. México D.F.: Siglo XXI Editores, 1994.

MANDEL, E. O capitalismo tardio. São Paulo: Editora Abril Cultural, 1985.

MARX, K. Cadernos de Paris: Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Expressão Popular, 2015. 1 v.

MARX, K. Elementos fundamentales para la crítica de la economía política (Grundrisse). México D.F.: Siglo XXI Editores, 1971, 1 v.

MARX, K. O Capital. Livro 1. São Paulo: Nova Cultural, 1996. 1 v., 1 t.

MARX, K. O Capital. 3. ed. Livro 1. São Paulo: Nova Cultural, 1988. 1 v., 2 t.

MÉSZÀROS, I. Para Além do Capital. São Paulo: Boitempo Editorial; Campinas: Editora da UNICAMP, 2002.

NAKATANI, P. e HERRERA, R. Crise financeira ou de superprodução? Brasília, 18 de março de 2021. Vermelho. Disponível em: https://vermelho.org.br/2011/03/18/crise-financeira-ou-de-superproducao/. Acesso em: 20 abril 2019.

PRADO JÚNIOR, C. História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2004.

SAITO, K. Os cadernos ecológicos de Marx. Crítica Marxista, Campinas/SP, n. 50, p. 193-213, 2020. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/dossie2021_03_19_16_47_09.pdf. Acesso em: 10 dezembro 2000.

SAMPAIO JÚNIOR, P. de A. Globalização e reversão neocolonial: o impasse brasileiro. In: VÁSQUEZ, G. H. Filosofía y teorías políticas entre la crítica y la utopía. Buenos Aires: CLACSO, 2007, p. 143-155.

SILVA, M. G. E. Questão ambiental e Desenvolvimento Sustentável: um desafio ético-político ao Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2010.

TANURO, D. Las fases de desarollo de la crisis ecológica capitalista. Viento Sur, 19 de julho de 2012. Outra Política. Disponível em: https://outrapolitica.wordpress.com/2012/07/22/las-fases-de-desarrollo-de-la-crisis-ecologica-capitalista/. Acesso em: 20 janeiro 2015.

WORLD RAINFOREST MOVEMENT; GRAIN. Los proyectos REED+ y cómo debilitan a la agricultura campesina y a las soluciones reales para enfrentar el cambio climático. Barcelona, 29 de outubro de 2015. GRAIN. Disponível em https://www.grain.org/e/5325. Acessado a 13.08.2020

Downloads

Publicado

2021-09-17

Como Citar

Araújo, N. M. S., & Silva, M. das G. e. (2021). O metabolismo social e sua ruptura no capitalismo: aspectos históricos e sua configuração na etapa da financeirização da natureza. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 13(2), 151–173. https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.45306