Povos da floresta: a luta pela autodeterminação e contra o capital

Autores

  • Manoel Estébio Cavalcante da Cunha Universidade Federal do Acre
  • Moisés Silveira Lobão Universidade Federal do Acre

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.45095

Palavras-chave:

Trifronteira-MAP, Atahualpa, Chico Mendes, Capitalismo Verde

Resumo

O estudo visa analisar como as terras do sudoeste da Amazônia foram povoadas por diversas etnias, primeiro indígenas, depois grupos do nordeste brasileiro e finalmente do sul do país, culminando na luta dos "Povos da Floresta" por seus territórios. Este estudo realizado por meio de uma pesquisa bibliográfica, abrangeu os seguintes momentos históricos: as etnias indígenas existentes no território da tríplice fronteira Madre de Dios (Peru), Acre (Brasil) e Pando (Bolívia) - MAP; as ocupações nesta região após a colonização hispano-portuguesa; o 1º e 2º Ciclo da Borracha. A resistência dos seringueiros e conquista da Resex e a conciliação dos movimentos sociais com a oligarquia, através do capitalismo verde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Estébio Cavalcante da Cunha, Universidade Federal do Acre

Mestre em Letras Linguagens e Identidades pela Universidade Federal do Acre (UFAC). Docente do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) da UFAC. Membro do grupo de pesquisa Educação, culturas, identidades e cidadania - http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/18912. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/6975895426481741. Orcid: http://orcid.org/0000-0001-9001-1093. E-mail : mcavalcantedacunha@gmail.com.

 

Moisés Silveira Lobão, Universidade Federal do Acre

Doutor em Recursos Florestais pela Esalq/USP. Professor do Centro de Ciências Biológicas e da Natureza da Universidade Federal do Acre. Núcleo de Estudos Dendrocronológicos e Dendroecológicos em Ambientes Naturais (NEDDAN). Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/5150491433534016. Orcid: http://orcid.org/0000-0002-7582-3293. E-mail: moiseslobao6@gmail.com. 

Referências

BASILIO, S. T. C. A luta pela terra e a igreja católica nos Vales do Acre e Purus (1970-1980) / Sandra Teresa Cadiolli – Rio Branco: Edufac, 2019. 200 p. E-book. Disponível em : https://www.abeu.org.br/farol/abeu/catalogo-unificado/item/edufac/a-luta-pela-terra-e-a-igreja-catolica-nos-vales-do-acre-e-purus-(1970-1980)/1205218/ . Acesso em 10 junho 2021.

CALAÇA, M. Violência e resistência: o movimento dos seringueiros de Xapuri e a proposta de Reserva Extrativista. 1993. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Rio Claro – SP, 1993. 275f.

CHOMA, J. L. Os saberes do camponês da floresta: modo de vida, conflitos e etnoconhecimento seringueiro na RESEX Chico Mendes (AC). 2018. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, São Paulo, 2018.

CUNHA, C. C. Reservas Extrativistas: institucionalização e implementação no Estado brasileiro dos anos 1990. 2010. Tese (Doutorado Doutorado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social) Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

CUNHA, E. da. Um paraíso perdido. Brasília: Senado Federal, 2000.

FITTIPALDY, M. C. P. de M. Reserva Extrativista Chico Mendes: dos empates à pecuarização? / Márcia Cristina Pereira de Melo Fittipaldy. – Rio Branco: Edufac, 2017.105 p.: il.

GOES FILHO, S. S. As fronteiras do Brasil. Brasília : FUNAG, 2013. 139 p.

KILL, J. REDD: Uma coleção de conflitos, contradições e mentiras. Montevidéu, Uruguai: Movimento Mundial pelas Florestas Tropicais, 2015, 75 p. Disponível em: https://wrm.org.uy/pt/files/2015/04/REDDUma_Colecao_de_conflitos_controdicoes_e_mentiras.pdf. Acesso em 5 maio 2021.

LÖWY, M. Ecologia e Socialismo. São Paulo: Cortez, 2005. 94p.

MAIA. J. S. da C. O desenvolvimento (in) sustentável e as novas fronteiras da sociodiversidade no vale do Rio Acre na virada do século XX: o caso dos trabalhadores extrativistas. Porto Alegre, 2009. Tese (Doutorado em História ) Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2009.

MARX, K. A ideologia alemã; [introdução de Jacob Gorender]; tradução de Luís Cláudio de Castro e Costa - São Paulo: Martins Fontes, 1998. 2ª tiragem 2001.

MOURA, J. L. . Os mitos do desenvolvimento no Acre da 'Frente Popular'. Tropos: Comunicação, Sociedade e Cultura , v. 5, p. 220-236, 2016

PAULA, E. A.; SILVA, M. C. R. da. Sindicalismo rural, política e ambientalismo na Amazônia. In: SCHERER, E.; OLIVEIRA, J. A. de. (Org.) Amazônia: políticas públicas e diversidade cultural. Rio de Janeiro, 2006, p. 109-131.

PAULA, E. A.; SILVA, S. S. Movimentos sociais na Amazônia brasileira: vinte anos sem Chico Mendes. Revista NERA Presidente Prudente Ano 11, nº. 13, p. 102-117 Jul.-dez./2008.

PAULA, E. A. (Des)envolvimento insustentável na Amazônia Ocidental: dos missionários do progresso aos mercadores da natureza. Rio Branco: Edufac, 2005.

PAULA, E. A. Acre + 13: economia “esverdeada”, vidas e florestas (em) cinzas. In: Dossiê Acre - o Acre que os mercadores da natureza escondem. Rio de Janeiro: Conselho Indigenista Missionário, 2012, p. 5-12.

PAULA, E. A. Seringueiros e sindicatos: um povo da floresta em busca de liberdade. 1991. (Dissertação de Mestrado). UFRRJ/CPDA. Rio de Janeiro, 1991.

RENARD-CASEVITZ, F.-M..“História Kampa, Memória Ashaninka”. In. Manuela Carneiro da Cunha (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Núcleo de História Indígena e do Indigenismo/Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo/Companhia das Letras, 1992. pp. 197-212.

SANTILLI, J. Socioambientalismo e novos direitos: proteção jurídica à diversidade biológica e cultural. São Paulo: Fundação Peirópolis, Instituto Socioambiental e Instituto Internacional de Educação do Brasil. 2005. 210p.

SERRA, M. A.; FERNÁNDEZ, R. G. Perspectiva de desenvolvimento da Amazônia: motivos para o otimismo e para o pessimismo. Economia e Sociedade, Campinas, v. 13, n. 2(23), p. 107-131 jul/dez, 2004.

SILVA, S. S. A floresta como dimensão territorial: novos e velhos apontamentos para a compreensão do desenvolvimento agrário na Amazônia-acreana. In: FERNANDES, B. M.; MARQUES, I. M.; SUZUKI, J. C.. (Orgs.) Geografia Agrária: teoria e poder. 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

SILVA, V. M. de A.. O desastre da seca no Nordeste brasileiro. Rio de janeiro. Revista Polêmica, v. 12, n.2, abril/junho de 2013.

SOUZA, I. P. D. Ambientalismo e geopolítica na Amazônia-acreana: da criação das Resex aos corredores da espoliação. XIV Congresso Brasileiro de Sociologia, UFRJ, Rio de Janeiro. Anais […] Rio de Janeiro, RJ, julho de 2009.

ZHOURI, A. O ativismo transnacional pela Amazônia: entre a ecologia política e o ambientalismo de resultados. Revista Horizontes Antropológicos. Porto Alegre , v. 12, n. 25, p. 139-169, junho, 2006.

Downloads

Publicado

2021-09-17

Como Citar

da Cunha, M. E. C., & Lobão, M. S. (2021). Povos da floresta: a luta pela autodeterminação e contra o capital. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 13(2), 394–406. https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.45095