O enfrentamento à mineração extrativista no quadrilátero ferrífero de Minas Gerais: considerações sobre o surgimento, constituição e atuação da FLAMa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.45074

Palavras-chave:

mineração extrativista, quadrilátero ferrífero, lutas sociais, FLAMa.

Resumo

O presente artigo reflete acerca da mineração extrativista no quadrilátero ferrífero de Minas Gerais. Explicita o surgimento, constituição e atuação da FLAMa neste território. Para tanto, reflete sobre o capitalismo enquanto modo de produção fundado a partir da propriedade privada dos meios de produção e do trabalho assalariado, e acerca da sociabilidade decorrente desse processo de exploração, opressão e destruição ambiental. É nesses âmbitos de produção de mercadorias e de reprodução social que a luta de classes é travada, nesta, as lutas sociais protagonizadas pela classe trabalhadora. Nesse sentido, a FLAMa se propõe a ser e vem se constituindo enquanto instrumento de enfrentamento e tensionamento à sociabilidade burguesa e às violências e violações desencadeadas pelas mineradoras, expoentes do capital nesta singular região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kathiuça Bertollo, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).

Mestre e Doutora em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). É pesquisadora do Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão Mineração do Outro, do Núcleo de Estudos e Pesquisas Trabalho e Questão Social na América Latina, do Grupo de Estudos e Pesquisa Trabalho e Política Social na América Latina e do Livre Hermana Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Formação Social Latino-Americana e Brasileira, vinculados ao CNPQ. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/3229587677691624. Orcid: http://orcid.org/0000-0003-2394-383X. E-mail: kathibertollo@gmail.com.

 

Referências

ARTICULAÇÃO INTERNACIONAL DOS ATINGIDOS PELA VALE. Disponível em: https://atingidosvale.com/articulacao/quem-somos/. Acesso em: 08 jun. 2021.

ASSOCIAÇÃO DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO (ADUFOP). Convite para reunião- pauta Mineração. 2020.

ASSOCIAÇÃO DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO (ADUFOP Nota da FLAMa sobre a redução do nível de risco da Barragem Doutor. Disponível em: https://www.adufop.org.br/post/nota-da-flama-sobre-a-redu%C3%A7%C3%A3o-do-n%C3%ADvel-de-risco-da-barragem-doutor. Acesso em: 14 de jun. 2021.

ASSOCIAÇÃO DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO (ADUFOP Nota de repúdio da FLAMa-MG. Disponível em: https://www.adufop.org.br/post/nota-de-rep%C3%BAdio-da-flama-mg. Acesso em: 14 de jun. 2021.

BARBOSA, Marcelo Bruno Ribeiro; ABREU, Sara; SIQUEIRA, Luiz Paulo Guimarães. Relatório Final Direitos Humanos e Mineração: Testemunho da Insustentabilidade. Disponível em: https://atingidosvale.com/wp-content/uploads/2020/11/Insustentabilidade_2015.pdf. Acesso em 10 jun. 2021.

BERTOLLO, Kathiuça. Mineração e superexploração da força de trabalho: análise a partir da realidade de Mariana-MG. 2017. Beatriz Augusto de Paiva. 185 p. Tese (doutorado) — Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-graduação em Serviço Social, Florianópolis, 2017.

BERTOLLO, Kathiuça; NOGUEIRA, Rodrigo. Aportes críticos sobre a mineração extrativista em Minas Gerais e sua relação com a universidade pública. In: MOASSAB, Andréia; VERRISSÍMO, Céline (Orgs.). Ecologia e Sociedade na América Latina. Caderno Sesunila n.03, Foz do Iguaçu, 2020. Disponível em: https://issuu.com/cadernosesunila/docs/03. Acesso em: 04 jun. 2021.

CARVALHO, Laura Nazaré de. Análise da ação dos sindicatos dos trabalhadores da mineradora Vale S.A. na região sudeste brasileira. Textos & Debates, Boa Vista, n.23, p. 91-114, jan./jun. 2013. Disponível em: https://revista.ufrr.br/textosedebates/article/view/1623. Acesso em: 08 jun. 2021.

COELHO, Tádzio Peters; ANDRADE, Maria Júlia Gomes, SIQUEIRA, Luiz Paulo Guimarães; FREITAS, Marta de; ANDRADE, Lourival. O poder e a resistência dos movimentos populares e as alternativas ao modelo mineral brasileiro. In: ALVES, Murilo da Silva et al. (orgs). Mineração: realidades e resistências. 1.ed., São Paulo: Expressão popular, 2020, p.103 – 130.

ESPINOZA, Manuel Ignacio Martínez. Radiografía democrática del extractivismo minero en América Latina. Geopolítica(s) Revista de estudios sobre espacio y poder. Espanha, v.9 n. 1, 2018a. Disponível em: https://revistas.ucm.es/index.php/GEOP/article/view/54914. Acesso em 29 jan. 2021.

ESPINOZA, Manuel Ignacio Martínez. Repertorios de acción colectiva frente al extractivismo minero en América Latina. Andamios, México, v. 15, n. 37, 2018b. Disponível em: Repertorios de acción colectiva frente al extractivismo minero en América Latina (scielo.org.mx). Acesso em: 29 jan. 2021.

GALEANO, Eduardo. As Veias Abertas da América Latina. Tradução de Galeano de Freitas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, (estudos latino-americanos, v.12.), 44 edição, 2004. GEOPARK QUADRILÁTERO FERRÍFERO. Localização. 2021. Disponível em: <http://www.geoparkquadrilatero.org/?pg=geopark&id=162>. Acesso em: 10 jun. 2021.

MARINI, Ruy Mauro. Dialética da Dependência. In: TRASPADINI, Roberta; STEDILE, João P. (Org.). Ruy Mauro Marini: vida e obra. São Paulo: Expressão Popular, 2005. p. 137-180.

MARX, Karl. O Capital: Crítica da economia política. Livro I. O processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, Karl. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. Tradução e notas Nélio Schneider; prólogo Herbert Marcuse. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

OLIVEIRA, Natália. Minas já sofreu com outros rompimentos de barragens. Disponível em: https://www.otempo.com.br/cidades/minas-ja-sofreu-com-outros-rompimentos-de-barragens-1.1159501. Acesso em: 10 jun. 2021.

OSÓRIO, Jaime. Dependência e superexploração. In: SADER, Emir; DOS SANTOS, Theotônio (coord.). MARTINS, Carlos E.; VALENCIA, Adrian Sotelo (org.) A América Latina e os desafios da globalização: ensaios dedicados a Ruy Mauro Marini. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Boitempo, 2009. p. 167-188.

OSÓRIO, Jaime. As classes Sociais no capitalismo. In: O Estado no centro da mundialização: A sociedade civil e o tema do poder. 1. ed. São Paulo: Outras expressões, 2014. p. 109-142.

PEREIRA, Lui. Pelo segundo dia consecutivo, moradores de Antônio Pereira protestam na MG-129. Disponível em: https://www.agenciaprimaz.com.br/2021/01/13/pelo-segundo-dia-consecutivo-moradores-de-antonio-pereira-protestam-na-mg-129/?fbclid=IwAR3a7mc5IWFCsKEMBcttS1HyKv_1q95cJMz7zHxULLXkDJSUzme-5IVBwnc. Acesso em: 14 jun. 2021.

PRADO FILHO, José Francisco do; SOUZA, Marcelo Pereira. de. O licenciamento ambiental da mineração no quadrilátero ferrífero de minas gerais: uma análise da implementação de medidas de controle ambiental formuladas em eias/rimas. Engenharia Sanitária Ambiental, Rio de Janeiro, v. 9, n. 4, p.343-349, out./dez. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-41522004000400012>. Acesso em: 10 jun. 2021.

ROESER, Hubert M. P; ROESER, Patrícia A. O Quadrilátero Ferrífero-MG, Brasil: aspectos sobre sua história, seus recursos minerais e problemas ambientais relacionados. Geonomos, v. 18, n. 1, p.33-37, 2010. Disponível em: <http://igc.ufmg.br/geonomos/PDFs/1.06_Hubertetal_33_37.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2021.

SEOANE, José; ALGRANATI, Clara. El sabor amargo del crescimento económico: la expansión del modelo extractivo entre 2003 y 2008. In: Extractivismo, despojo y crisis climática: desafíos para los movimientos sociales y los proyectos emancipatórios de Nuestra América. SEOANE, José; TADDEI, Emilio; ALGRANATI, Clara (orgs). 1 ed. Buenos Aires: Herramienta, El Colectivo, 2013, p. 61-82.

TEIXEIRA, Bruno. As condições laborais na mineração extrativista no quadrilátero ferrífero de Minas Gerais. In: Aula da disciplina Trabalho e Sociabilidade e disciplina Classes e Movimentos Sociais. Mariana-MG, 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO (UFOP). Quadrilátero ferrífero 2050. Disponível em: https://qfe2050.ufop.br/municiipios-do-qfe. Acesso em: 10 jun. 2021.

XAVIER, Juliana Benício; VIEIRA, Larissa Pirchiner de Oliveira. O trabalho e seus sentidos: a destruição da força humana que trabalha. In: MILANEZ, Bruno; LOSEKANN, Cristiana. Desastre no Vale do Rio Doce: antecedentes, impactos e ações sobre a destruição. Rio de Janeiro: Folio Digital; Letra e Imagem, 2016. p. 197-232.

ZONTA, Marcio. Passar “dez anos sem férias” é condição comum na mineração brasileira, diz sindicato: terceirização alcança 50% da categoria, deixando os empregados desassistidos, segundo dados da Frente Sindical Mineral. Brasil de Fato, 04 jul. 2016. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2016/07/04/passar-dez-anos-sem-ferias-e-condicao-comum-na-mineracao-brasileira-diz-sindicato/. Acesso em: 23 mai. 2021

Downloads

Publicado

2021-09-17

Como Citar

Bertollo, K. (2021). O enfrentamento à mineração extrativista no quadrilátero ferrífero de Minas Gerais: considerações sobre o surgimento, constituição e atuação da FLAMa. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 13(2), 316–342. https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.45074