Ecossocialismo, suas categorias e fundamentos teóricos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.44946

Palavras-chave:

ecossocialismo, economia ecológica, limites ecossistêmicos, resiliência, produção socialista

Resumo

O Ecossocialismo é um movimento social e um campo de discussão filosófica acerca de um projeto de sociedade que se baseia nos princípios do trabalho livre, consciente, associado e universal, e na defesa da unidade dialética de complementaridade da relação ser social/natureza, sem perder de vista o campo das necessidades e possibilidades postas historicamente para a reprodução humana. Defendemos que as categorias desveladas e as teorias construídas por Marx e Engels possibilitaram a explicitação das contradições materialmente determinadas que o ser humano e a natureza concretizam sob o capitalismo, com base na reprodução do capital e no trabalho assalariado. Buscou-se discutir as teorias que compõem a Economia Ecológica marxista e fundamentam do movimento Ecossocialista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magno da Conceição Peneluc, UFBA

Doutor em Ensino, filosofia e história das ciências pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atualmente está vinculado ao Grupo de estudo e pesquisa em educação do campo (Gepec) - dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6187765896665435. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/6426014773951663. Orcid: http://orcid.org/0000-0001-6015-0295. E-mail: bio.magno@gmail.com.

Edilson Fortuna de Moradillo, Ufba

Doutor em Ensino, filosofia e história das ciências pela Ufba/Uefs. Pós-Doutorado em Educação/Ufba (2013), Pós-Doutorado em Educação em Ciências/Uesc (2017), Pós-Doutorado na Faculdade de Letras, Departamento de Filosofia da Universidade de Lisboa/FLUL (2018) e Pós-Doutorado em Educação na Universidade Federal de Santa Catarina/Ufsc (2018). Atualmente é professor titular do Instituto de Química da UFBA, da Faculdade de Educação da UFBA e do Programa de Pós-Graduação em Ensino, filosofia e história das ciências da Ufba/Uefs. Membro do Grupo de Pesquisa em Ensino de Ciências e Formação de Professores - Ufba, do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo (Gepec/Ufba) e do Grupo de Pesquisa em Ensino Concreto de Ciências (ENCONCiÊNCIAS) da Ufba - dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/0569762712320378. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/8466534604937618. Orcid: http://orcid.org/0000-0001-5457-3718. E-mail: edilson@ufba.br.

Referências

AGUIAR, N; BASTOS, J. V;. Uma reflexão teórica sobre as relações entre natureza e capitalismo. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 15, n. 1, 2012.

ALIMONDA, H. Ecología política latinoamericana y pensamiento crítico: vanguardias arraigadas. Curitiba, Desenvolvimento e meio ambiente, v. 35, 2015.

ALTVATER, E. Existe um marxismo ecológico? In: BORON, A. A.; AMADEO, J.;GONZÁLEZ, S. (Orgs.). La teoría marxista hoy: problemas y perspectivas. Buenos Aires: CLACSO, 2006.

BURKETT, P. Two Stages of Ecosocialism? Implications of some neglected analyses of ecological conflits and crises. International journal of Political Economy, v. 35, n.3, 2006.

CHASIN, J. Método dialético. Maceió, s/d, (mimeo).

​DANTAS, G. Por que é necessário criticar um certo “marxismo ecológico”.Parte I: J. O´Connor 1930-2017. Esquerda diário. Disponível em: http://www.esquerdadiario.com.br/Por-que-e-necessario-criticar-um-certo-marxismo-ecologico-Parte-I-J-O%C2%B4Connor-1930-2017. Acesso em: 15 mar. 2021.

DUSSEL, E. La cuestión ecológica en Marx. In: Cultura y Naturaleza. MARTÍNEZ, L. M (ORG.). Bogotá: Jardín Botánico de Bogotá, José Celestino Mutis, Mayo 2011.

ENGELS, F. Anti-Dühring: a revolução da ciência de acordo com o senhor Eugene Dühring. São Paulo: Boitempo, 2015.

FOLADORI, G. Marxismo e meio ambiente. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, n. 25, 1999.

FOLADORI, G. O metabolismo com a natureza. Revista Crítica Marxista, São Paulo, n. 11, p. 105-117, 2001.

FOLADORI, G. Degradação ambiental no capitalismo e no socialismo. Revista Outubro, n. 13, 2005.

FOSTER, J. B; MAGDOFF, F. Liebig, Marx and the exhaustion of soil fertility: relevance for agriculture today. Nova York, Monthly Review, v. 50, n. 3, 1998.

FOSTER, J. B. La ley general e absoluta de la degradacion ambiental en el capitalismo. Ecologia politica. Barcelona, n.4, 1992.

​ FOSTER, J. B. The nature of the contradiction. Montly review. Dosponível em: https://monthlyreview.org/2002/09/01/capitalism-and-ecology/. Acesso em: 10 mar. 2021.

FOSTER, J. B. A ecologia de Marx: materialismo e natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

FOSTER, J. B. A ecologia da economia política marxista. Lutas Sociais, São Paulo, n.28, 2012.

FOSTER, J. B. Marxismo e ecologia: fontes comuns de uma grande transição. Lutas Sociais, São Paulo, vol.19 n.35, p.80-97, jul./dez. 2015.

GRAMSCI, A. Concepção dialética de história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

HARVEY, D. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

HARVEY, D. 17 contradições e o fim do capitalismo. São Paulo: Boitempo: 2016.

LEFEBVRE, H. Marxismo. Porto Alegre, RS: L&PM, 2010.

LESSA, S. A centralidade ontológica do trabalho em Lukács. Serviço Social & Sociedade, n. 52, 1996.

LESSA, S. Lukács – Ética e política: observação acerca dos fundamentos ontológicos da ética e da política. Chpecó: Argos, 2007.

LESSA, S; TONET, I. Introdução à filosofia de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

LÖWY, M. Eco-socialismo e planejamento democrático. Crítica Marxista, São Paulo, n.28, 2009.

LÖWY, M. Ecosocialismo: uma síntese vital. Climate & capitalism. Disponível em:https://climateandcapitalism.com/2020/12/16/ecosocialism-a-vital-synthesis/. Acesso em: 20 dez. 2020.

LUKÁCS, G. Prolegômenos para uma ontologia do ser social: questões de princípios para uma ontologia hoje tornada possível. São Paulo: Boitempo, 2010.

MARTÍNEZ-ALÍER, J. El ecologismo popular. Ecosistemas, Barcelona, v. 16, n. 3, 2007.

MARTÍNEZ-ALÍER, J. O ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagens de valoração. São Paulo: Contexto. 2015.

MARX, K; ENGELS, F. A ideologia alemã. Lisboa: Editorial “Avante!”, 1982.

MARX, K. O capital: o processo de produção do capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Livro 1, v.1. 1980.

MARX, K. Teses sobre Feuerbach (1845). Versão para ebooks. Rocket Edition, 1999.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos de 1844. São Paulo: Martin Claret, 2006.

MARX, K. Contribuição à Crítica da Economia Política. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

MARX, K. Manuscritos econômicos-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2008a.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Livro I. v. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008b.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Livro 1, Tomo 2. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

MARX, K. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, K. Crítica da Filosofia do Direito de Hegel, 1843. 3 ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K. Os despossuídos: debates sobre a lei referente ao furto de madeira. São Paulo: Boitempo, 2017a.

MARX, K. Glosas marginais ao Manual de economia política de Adolph Wagner. Verinotio - Revista on-line de Filosofia e Ciências Humanas, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, 2017b.

MÉSZÁROS, I. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2009.

NETTO, J. P; BRAZ, M. Economia política. Tomo 1. São Paulo: Cortez, 2009.

O’CONNOR, J. Capitalism, nature, socialism: a theoretical introduction. Capitalism, Nature, Socialism, Londres, v. 1 n. 1, 1988.

O’CONNOR, J. Desarrollo desigual y combinado y crisis ecológica. Ambiente e Sociedade, Campinas, v.6, n.2, 2003.

Downloads

Publicado

2021-09-17

Como Citar

Peneluc, M. da C., & Moradillo, E. F. de. (2021). Ecossocialismo, suas categorias e fundamentos teóricos. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 13(2), 483–514. https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.44946