Capitalismo e natureza: destruição socioambiental e exploração da força de trabalho

Autores

  • Amanda Aparecida Marcatti Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Marx, Trabalho e Educação da FaE-UFMG
  • Hormindo Pereira de Souza Junior Faculdade de Educação - UFMG

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.44176

Palavras-chave:

capitalismo, educação, natureza, exploração, destruição socioambiental

Resumo

A sociabilidade capitalista produz desastres socioambientais de proporções gigantescas. O nível atual da exploração da força de trabalho e da natureza potencializa todos os processos de apropriação privada da riqueza e, ao mesmo tempo, produz adoecimentos socioambientais. Discutimos neste artigo a gênese da ação humana de conteúdo abertamente autodestrutivo das dimensões inorgânicas, orgânicas e sociais da natureza e a potência transformadora das lutas anticapitalista que unificam exploração da força de trabalho, as dimensões inorgânicas e orgânicas da natureza em um mesmo patamar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Aparecida Marcatti, Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Marx, Trabalho e Educação da FaE-UFMG

Doutora (2020) e Mestre (2014) em Educação e Inclusão Social pela UFMG. Graduada em Zootecnia pela UFMG (2011) e Pedagogia pela UFOP (2018). Pesquisadora vinculada ao Grupo de Estudos e Pesquisa Marx, Trabalho e Educação, vinculado ao Núcleo de Estudos sobre Trabalho e Educação (NETE/FaE) e membro do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Territórios, Educação Integral e Cidadania - TEIA/UFMG. CV: http://lattes.cnpq.br/3269515060212413 ORCID: https://orcid.org/0000-0002-6858-4589  E-mail: amanda.apmarcatti@gmail.com

 

Hormindo Pereira de Souza Junior, Faculdade de Educação - UFMG

Pós-Doutorado em Filosofia Política e Educação pela Universidade Federal Fluminense. Doutor em História e Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Mestre em Educação pela UFMG. Bacharel e licenciado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professor Associado da UFMG. Professor do Programa de Pós-Graduação Conhecimento e Inclusão Social em Educação da FAE-UFMG. CV:  http://lattes.cnpq.br/4152804305418122 ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9411-6802 E-mail: hormindojunior@gmail.com

Referências

Agência Italiana de Notícias Brasil. (2019, 23 julho). Governo Bolsonaro libera 51 agrotóxicos e totaliza 290 no ano. Época Negócios. Disponível em: https://epocanegocios.globo.com/?status=404&url=https://epocanegocios.globo.com/Brasil/noticia/2019/07/governo-bolsonaro-libera-51-agrotoxicos-e-totaliza-290-no-ano.html. Acesso em: 12 fev.2021.

BOMBARDI, Larissa Mies. Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil e conexões com a União Europeia. São Paulo: Laboratório de Geografia Agrária, FFLCH – USP, 2017.

BBC News Brasil. (2018, 28 agosto). FELLET, João. As silenciosas mortes de brasileiros soterrados em armazéns de grãos. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-45213579. Acesso em: 12 jan.2021.

FOSCESA, Bruno. (2018, 6 agosto). 26 mil brasileiros foram intoxicados por agrotóxicos desde 2007. UOL, Meio ambiente. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2018/08/06/numeros-da-intoxicacao-por-agrotoxico-no-brasil.htm#:~:text=Cerca%20de%2040%20mil%20pessoas,dados%20do%20Minist%C3%A9rio%20da%20Sa%C3%BAde. Acesso em: 15 mar.2021.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2020). Números do Censo 2020. Disponível em: https://censo202fonse0.ibge.gov.br/sobre/numeros-do-censo.html#:~:text=N%C3%BAmeros%20do%20Censo%202020&text=Veja%2C%20a%20seguir%2C%20algumas%20informa%C3%A7%C3%B5es,a%20serem%20visitados%2C%205570%20munic%C3%ADpios. Acesso em: 06 mar.2021.

Intergovernmental Painel on Climate Change (2019). Climate Change and Land: an IPCC special report on climate change, desertification, land degradation, sustainable land management, food security, and greenhouse gas fluxes in terrestrial ecosystems. In: 50th Session of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Summary for Policymakers (SPM). Disponível em: https://www.ipcc.ch/srccl/. Acesso em: 07mar.2021.

LUKÁCS, György. (s.d). O trabalho. In: LUKÁCS, G. Por uma ontologia do ser social. I. Tonet (Trad.). Disponível em: http://afoiceeomartelo.com.br/posfsa/Autores/Lukacs,%20Georg/O%20TRABALHO%20-%20traducao%20revisada.pdf. Acesso em: 09 set.2020.

MARQUES, Luiz. Capitalismo e colapso ambiental. (2a ed.). Editora Unicamp, 2016.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. J. Raniere (Trad.). Boitempo, 2004.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. R. Enderle (Trad.). (Livro I: O processo de produção do capital). Boitempo, 2013.

MENEZES, Antonio Julio. Movimentos sociais e educação: o MST e o Zapatismo entre a autonomia e a institucionalização. Alameda, 2016.

MÉSZÁROS, István. A Crise Estrutural do Capital. (2a ed.). F. Cornejo (Trad.). Boitempo, 2011.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal (28a ed.). Record, 2018.

SOUZA JUNIOR, Hormindo Pereira de. Centralidade ontológica do trabalho ou centralidade da informação e do conhecimento nos processos de formação humana? Pro-Posições v.19 n.2 Campinas maio/ago. 2008 – Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73072008000200012&lng=pt&nrm=iso Acesso em 21 mar.2021.

Downloads

Publicado

2021-09-17

Como Citar

Marcatti, A. A., & Souza Junior, H. P. de. (2021). Capitalismo e natureza: destruição socioambiental e exploração da força de trabalho. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 13(2), 238–250. https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.44176