Trabalho ontológico e educação omnilateral, sustentáculos da educação do campo

Autores

  • Tânia Regina Braga Torreão Sá Docente Adjunta do Departamento de Ciências Humanas e Letras (UESB) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). http://orcid.org/0000-0002-5394-8191
  • Marcelo Torreão Sá Docente Assistente do Departamento de Ciências Humanas e Letras (DCHL) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) http://orcid.org/0000-0003-3780-6051
  • Rejane Souza Ribeiro de Cristo Docente Assistente do Departamento de Ciências Humanas e Letras (DCHL) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). http://orcid.org/0000-0003-0511-9011

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.43887

Palavras-chave:

educação do campo, trabalho ontológico, educação omnilateral

Resumo

O artigo discute se já é possível supor a existência de integridade epistemológica da educação do campo, uma vez que, desde a sua criação (1999), essa teoria apresenta-se como conceito em construção. Em nossa opinião, essa integridade já foi construída, porém é necessário que sejamos esclarecidos sobre as opções estratégicas desta no percurso de sua afirmação. A justificativa para este texto, portanto, é a proposição de um esforço de atualização e de aprofundamento analítico que objetiva colocar o âmbito teórico da educação do campo em merecido destaque. No que se refere à metodologia, o caminho natural deste trabalho é calcar-se no ontométodo, que ajuda a pôr em vísceras a subjetividade e objetividade das práticas, de relações e embates supramencionadas

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Regina Braga Torreão Sá, Docente Adjunta do Departamento de Ciências Humanas e Letras (UESB) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB).

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal da Bahia (1996) e Mestrado em Geografia pela Universidade Federal da Bahia (2001). É Doutora em Memória, Linguagem e Sociedade pelo Programa de Pós Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (2016). É Professora adjunta da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. É líder do GP/CNPq NEMTrabE - Núcleo de Estudos Sobre Memória, Ideologia, Trabalho e Educação. 

Marcelo Torreão Sá, Docente Assistente do Departamento de Ciências Humanas e Letras (DCHL) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

Doutorando em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo; Mestre em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia (2011); pós-graduação em Educação Especial pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (2007); graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Santa Cruz (2007); graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (2005). Atualmente é Professor assistente da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Campus Jequié lecionando no Curso de Graduação em Pedagogia e na Pós-Graduação (especialização) em Educação do Campo.Tem experiência na área de Geografia e Pedagogia. Atua principalmente nos seguintes temas: educação; filosofia; desenvolvimento capitalista; universidade; epistemologia, estágio, formação do educador e metodologia da pesquisa e do ensino.

Rejane Souza Ribeiro de Cristo, Docente Assistente do Departamento de Ciências Humanas e Letras (DCHL) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB).

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Santa Cruz (2002).Possui especialização em Métodos e Técnicas do Ensino Superior, e Especialização em Educação a Distancia. Mestra em Formação de Professores da Educação Básica- Mestrado Profissional de Educação UESC.. Professora concursada da Prefeitura Municipal de Itabuna,com experiencia na docência,gestão e coordenação pedagógica .Exerceu a função de Coordenadora de Tutoria no curso de Licenciatura em Biologia- EAD, trabalhando com formação de tutores e professores,bem como no suporte pedagógico e professora formadora de disciplinas pedagógicas.Exerceu a função docente como professora substituta na UESB- Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Campus de Itapetinga) e na UESC- Universidade Estadual de Santa Cruz ,,lecionando as disciplinas da área de Didática; Estágio;Psicologia da Educação; Avaliação escolar;Tecnologias e educação, entre outras Tem como áreas de interesse os seguintes temas: Ensino de Ciências, EJA, EAD,Educação Especial inclusiva , formação de professores, práticas educativas, e pedagógicas, currículo.

Referências

BRASIL. Decreto n.º 7.352, de 4 de novembro de 2010. Cria o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA).

BRASIL. Portaria n.º 1374, de 3 de junho de 2003.

BRASIL. CNE. CEB. Resolução nº 1, de 03 de abril de 2002.

BUARQUE DE HOLANDA, B. Antônio Gramsci e o bloco histórico. GV Cult – Criatividade e Cultura, São Paulo, 2020. Disponível em: https://gvcult.blogosfera.uol.com.br/2020/08/18/antonio-gramsci/. Acesso em: 12 mar. 2021.

CALDART, R. S. Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais que escola. Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

______. Sobre Educação do Campo. In: SANTOS, C. A. (org.). Campo. Políticas públicas: educação. Brasília: INCRA – MDA, 2008. p. 67-86.

______. Educação do Campo: Notas para uma análise de percurso. Revista Trabalho, Educação e Saúde, v.7, n. 1, p. 35 – 64, 2009.

______. Educação do Campo. In: CALDART, R. S. et al. (org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012. p. 257 – 265.

CARLOS. E. Movimentos Sociais e Estado: interações socioestatais em perspectiva comparada no Espírito Santo. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIÊNCIA POLÍTICA, 9., 2012. Anais [...], Rio de Janeiro, ABCP, 2012. p. 1-24.

CHEPTULIN, A. A dialética materialista. Categorias e leis da dialética. São Paulo: Alfa-Ômega, 1982.

CLUBE DA LUTA. Produção de Art Linson Ceán, Chaffin Ross e Grayson Bell. Nova Iorque, EUA: 20th Century Fox, 1999. Plataforma Streaming Netflix.

COHEN, J. Strategy or Identity: New Theoretical Paradigms and Contemporary Social Movements. Social Research, v. 52, n. 4, p. 663-716, 1985.

COSTA, E. F. Depoimento [9 de maio 2018]. Entrevista concedida a Monaliza Meira Simões. Monografia “As matrizes pedagógicas do MST ou a escola como possibilidade de revolução”. Iramaia, Bahia, 2018.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”. Crítica às apropriações neoliberais e pós modernas da teoria vigotskiana. 5. ed. São Paulo: Autores Associados, 2011.

ENGELS, F. O papel do trabalho na transformação do macaco em homem. Berlin, Alemanha: Neue Zeit, 1896.

______. Anti-Dühring. Paris: Editions Sociales, 1950.

FRANCO, M. A. R. S. Prática pedagógica e docência: um olhar a partir da epistemologia do conceito. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 97, n. 247, p. 534–551, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S217666812016000300534&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 17 jan. 2021.

FRIGOTTO, G. O legado de Marx para a construção do projeto da pedagogia socialista. In: CALDART, R. S.; VILLAS BÔAS, R. L. (org.). Pedagogia socialista: legado da revolução de 1917 e desafios atuais. São Paulo: Expressão Popular, 2017. p. 207 – 232.

GAUTHIER, C; TARDIF, M. A pedagogia. Teorias e práticas da Antiguidade aos nossos dias. Petropólis/Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

GRUPPI, L. O conceito de hegemonia em Gramsci. Rio de Janeiro: Graal, 1976.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Campinas: Centauro, 2003.

______. Los marcos sociales de la memória. Barcelona: Antrophos, 2004.

LÖWY, M. A teoria da revolução no jovem Marx. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2012.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. 2 ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

______. Para uma ontologia do ser social II. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

LYRA, R. P. Bloco histórico e análise de classe. In: A terra é redonda, eppur si muove, São Paulo, 2020. Disponível em: https://aterraeredonda.com.br/bloco-historico-e-aliancas-de-classe/. Acesso em: 15 mar. 2021.

MANACORDA, M. A. História da Educação. Da antiguidade aos nossos dias. 12 ed. São Paulo: Cortez, 2006.

MITRE, M. As relações entre ciência e política, especialização e democracia: a trajetória de um debate em aberto. Estudos Avançados, São Paulo, v. 30, n. 87, p. 279-298, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010340142016000200279&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 22 fev. 2021.

REIS, T; RAMALHO, R. Dilma assentou menos famílias que Lula e FHC; meta é 120 mil até 2018. Portal G1, São Paulo, 30 de mar. 2015. Sessão Política. Disponível em: < http://g1.globo.com/politica/noticia/2015/03/dilma-assentou-menos-familias-que-lula-e-fhc-meta-e-120-mil-ate-2018.html>. Acesso em: 10 de mar. 2021.

RIBEIRO, M. Movimento camponês, trabalho e educação: liberdade, autonomia, emancipação: princípios/fins da formação humana. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SARTORETTO, L. A construção do bloco histórico no rearranjo político de 1930. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS, 1., 2015. Anais [...], Marília, UNESP, 2015, p. 1 – 16.

SAVIANI, D. Panorama histórico do processo de construção da pedagogia socialista no Brasil. In: CALDART, R. S; VILLAS BÔAS, R. L. (Orgs.). Pedagogia Socialista. Legado da revolução de 1917 e desafios atuais. 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, p. 103 – 125.

SKOCPOL, T. Protecting soldiers and mothers: the political origins of social policy in the United States. Cambridge: Belknap Press; Harvard University Press, 1992.

SOUSA JÚNIOR, J. Marx e a crítica da educação. Da expansão liberal – democrática à crise regressivo - destrutiva do capital. São Paulo: Ideias & Letras, 2010).

TONET, I. Método Científico: uma abordagem ontológica. 2 ed. Maceió: Coletivo Veredas, 2016.

TROTSKY, L. A teoria da revolução permanente. Balanço e perspectivas. A revolução permanente. São Paulo: Instituto José Luís e Rosa Sundermann, 2010.

Downloads

Publicado

2021-09-17

Como Citar

Sá, T. R. B. T., Torreão Sá, M., & Cristo, R. S. R. de. (2021). Trabalho ontológico e educação omnilateral, sustentáculos da educação do campo. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 13(2), 631–653. https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.43887