EDITORIAL: LUTA PELA TERRA E EDUCAÇÃO DO CAMPO

Autores

  • Adriana D'Agostini UFSC

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v8i2.20510

Palavras-chave:

Luta de Classes Educação, Educação do Campo

Resumo

A conjuntura agrária no Brasil é de conflito e violência desde a chegada dos portugueses para a colonização destas terras até os dias de hoje, de expansão capitalista desordenada, provocadora de um grau ainda maior de desigualdade social. Porém, onde há expropriação há luta. E a luta pela terra trás consigo a necessidade de uma educação de classe. Este número pretende suscitar o debate sobre a luta e os conflitos atuais sobre a questão agrária no país e sua relação com as experiências educacionais em curso nos teritórios de reforma agrária vinculada aos movimentos sociais do campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana D'Agostini, UFSC

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Maria (2001), mestrado em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina (2004) e doutorado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (2009). Atualmente é professora da Universidade Federal de Santa Catarina. Pesquisadora do grupo de pesquisa TMT/UFSC. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em educação e trabalho, educação do campo e movimentos sociais, escola pública.

Downloads

Publicado

2016-12-29

Como Citar

D’Agostini, A. (2016). EDITORIAL: LUTA PELA TERRA E EDUCAÇÃO DO CAMPO. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 8(2), 1–4. https://doi.org/10.9771/gmed.v8i2.20510