A ESCOLA DO TRABALHO SOVIÉTICA DE PISTRAK: DOIS PASSOS À FRENTE, UM PASSO ATRÁS?

Autores

  • Marcelo Lima Cunha Universidade Estadual Vale do Acaraú

Palavras-chave:

Educação Soviética, Escola do Trabalho, Pistrak.

Resumo

O presente texto pretende investigar a materialidade da proposta marxiana presente no projeto educacional soviético da Escola do Trabalho, em especial, as bases fundamentais dessa escola e seu desenvolvimento na realidade nos primeiros anos da revolução soviética. Nossos objetivos específicos foram: apresentar os elementos essenciais do referencial materialista histórico-dialético para compreensão do objeto de estudo; revisar a produção teórica sobre Pistrak e sua Escola do Trabalho disponível no Brasil; expor os princípios, os fundamentos e a estrutura da Escola do Trabalho soviética; apontar a contribuição da Escola do Trabalho soviética para o processo de constituição do socialismo e de efetivação da emancipação humana; analisar os limites da Escola do Trabalho, considerando o contexto adverso da Revolução Russa e todos os seus condicionantes. No que se referem às formulações teóricas de Pistrak, nos interessou especialmente, a apropriação das categorias fundamentais da Escola do Trabalho, a auto-organização dos alunos e as relações com a atualidade, bem como o desenvolvimento das mesmas naquele contexto. Para isso, analisamos as obras Fundamentos da Escola do Trabalho e A Escola Comuna. Para referenciarmos nossa análise na obra marxiana tivemos que considerar o grande volume da obra de Marx e Engels e o fato de que os teóricos alemães não se propuseram a escrever um tratado específico sobre formação humana. No entanto, ao fundarem o materialismo histórico dialético, através de suas análises críticas da sociabilidade capitalista e de toda sua base de sustentação – histórica e teórica –, eles acabaram por perscrutar a formação do ser social, e por consequência, a formação humana. Diante desse panorama, optamos por analisar mais detidamente A Ideologia Alemã por ser uma obra de grande maturidade teórica, já que surge após o trabalho desses teóricos em várias obras anteriores de Marx e Engels, e possui a base de sustentação de toda a análise do capital feita posteriormente por Marx. Além disso, A Ideologia Alemã é um marco na história da filosofia por trazer a perspectiva materialista da histórica confrontando o idealismo vigente à sua época. Com a finalização desse percurso podemos afirmar que a Escola do Trabalho deu passos importantes na constituição de um novo modus operandi educacional. Em relação aos avanços, a relação entre professores e alunos no processo de organização da escola e de seus conteúdos ao modelo dos sovietes; a perspectiva internacionalista que a Escola do Trabalho assumiu na direção de formar lutadores contra o imperialismo a partir das relações com a atualidade; podemos dizer que deu dois passos na direção da emancipação humana na formulação material e histórica das categorias: relação com a atualidade e auto-organização dos alunos. Mas, considerando as contradições do próprio processo de constituição da nova forma de sociabilidade e as dificuldades postas pela inexperiência dos jovens pedagogos com relação à elaboração da nova proposta educacional, há elementos, que estão presentes na própria crítica de Pistrak em 1934, que apontam passos para trás no processo de construção da emancipação humana. Trata-se do rebaixamento do papel da teoria ou da sobreposição do método ao conteúdo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Lima Cunha, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Professor Assistente do Curso de Educação Física da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Downloads

Publicado

2016-12-29

Como Citar

Cunha, M. L. (2016). A ESCOLA DO TRABALHO SOVIÉTICA DE PISTRAK: DOIS PASSOS À FRENTE, UM PASSO ATRÁS?. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 8(2), 206–208. Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/17837

Edição

Seção

Teses e Dissertaçoes: Resumos