Propriedade Intelectual para Inovação: percepções e perspectivas em uma escola profissionalizante

Autores

  • Verônica Maria Vasconcelos Freire Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Fortaleza, CE, Brasi http://orcid.org/0000-0001-5865-3395
  • Joelia Marques de Carvalho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Caucaia, CE, Brasil http://orcid.org/0000-0003-1144-5294

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v14i2.36965

Palavras-chave:

Ensino de inovação, Formação para o Trabalho, Propriedade Intelectual.

Resumo

O ensino de conteúdos relacionados à inovação e à propriedade intelectual é determinante para a formação de profissionais aptos a atuar no contexto da economia do conhecimento. Este artigo retrata as principais conclusões de uma pesquisa exploratória que examinou se essa temática é abordada em cursos técnicos no nível médio do Instituto Federal do Ceará, Campus Caucaia. Por meio de questionários com alunos, entrevistas semiestruturadas com professores e análise de projetos pedagógicos, foram observados aspectos favoráveis, necessidades e barreiras para o ensino de tais conteúdos. Entre os resultados, o estudo demonstrou que os professores não apenas consideram relevante a inclusão da temática nas atividades educativas, como também defendem a ampliação do investimento na capacitação docente para melhorar os níveis dessas atividades. Os resultados revelam, ainda, informações úteis para aprimorar o planejamento de ações pedagógicas e para a realização de novos estudos sobre o tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Verônica Maria Vasconcelos Freire, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Fortaleza, CE, Brasi

Jornalista, graduada pela Universidade Federal do Ceará (1999), com MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (2012), mestrado profissional em andamento no Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (PROFNIT) - Instituto Federal do Ceará. É analista A da Embrapa Agroindústria Tropical (Fortaleza - CE). 

Joelia Marques de Carvalho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Caucaia, CE, Brasil

Possui graduação em Engenharia de Alimentos pela Universidade Federal do Ceará (2003), Especialização em educação profissional e tecnológica (IFCE - 2017), Mestrado em Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal do Ceará (2005) e Doutorado em Ciência de Alimentos pela Universidade Federal do Ceará (2015). Tem experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, Processos Agroindustriais e Química de Alimentos exercendo suas atividades de docência, pesquisa, inovação e extensão no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnológica do Ceará (IFCE) - Campus Caucaia. Atualmente é docente do Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia - PROFNIT. Membro Afiliada da Academia Cearense de Ciências.

 

Referências

AMORIM-BORHER, M. B. et al. Ensino e Pesquisa em Propriedade Intelectual no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 281-310, maio, 2007. Disponível em: https://periodicos:sbu:unicamp:br/ojs/index:php/rbi/article/view/8648949. Acesso em: 17 nov. 2019.

ARAÚJO, G. G. de et al. Produção de Patentes no Estado do Ceará: um estudo comparativo entre as instituições públicas. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 4, n. 11, p. 966-982, 2018. Disponível em: https://portalseer:ufba:br/index:php/nit/article/view/27131. Acesso em: 17 nov. 2019.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Lei n. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. LDB. Brasília, DF, 20 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 29 maio 2019.

BRASIL. Lei n. 13.243/2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação, janeiro 2016. Disponível em: http://www:planalto:gov:br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13243:htm. Acesso em: 3 jun. 2019.

CAVALCANTI, A. M.; BEMFICA, E. A. Disseminação da Propriedade Intelectual como Estratégia para Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação: o caso do Sistema Pernambucano de Inovação (SPIn). Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 12, n. 1, p. 15-30, março, 2019.

DE NEGRI, Fernanda. Novos caminhos para a inovação no Brasil. Washington, DC: Wilson Center, 2018. 159p.

FARIA, A. X. de. O Ensino da Propriedade Intelectual nos Cursos de Graduação do Brasil: Razões e Proposições. 2011. 110p. Dissertação (Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação) – Instituto Nacional de Propriedade Industrial, Rio de Janeiro, 2011.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.199p.

GIMENEZ, A. M. N.; BONACCELLI, M. B. M.; CARNEIRO, A. M. The Challenges of Teaching and Training in Intellectual Property. Journal of Technology Management & Innovation, Santiago, Chile, p. 176-188, nov. 2012. Disponível em: https://scielo:conicyt:cl/scielo:php?pid=S0718-27242012000400014&script=sci_arttext&tlng=em. Acesso em: 16 nov. 2019.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Cooperação entre os escritórios de PI do BRICS. 2019. Disponível em: http://www:ipbrics:org/index:html. Acesso em: 10 nov. 2019.

KRUGLIANSKAS, I.; MATIAS-PEREIRA, J. Um enfoque sobre a Lei de Inovação Tecnológica do Brasil. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 39, n. 5, p. 1.011-1.029, 2005. Disponível em: http://bibliotecadigital:fgv:br/ojs/index:php/rap/article/view/6577/5161. Acesso em: 15 nov. 2019.

LAMANA, S.; FRANSCISCO, A. C. de. O Ensino de Propriedade Intelectual nas Escolas Técnicas. In: IV SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Ponta Grossa: [s.n.], 2014, SINECT. Anais [...]. Ponta Grossa, PR, 2014. Disponível em: http://www:sinect:com:br/anais2014/. Acesso em: 16 nov. 2019.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Epu, 1986.

LONGHI, Simone Raquel Pagel; BENTO, Karla Lucia. O político-pedagógico: uma ação coletiva. Revista de Divulgação Técnico-Científica do ICPG, [s.l.], v. 3. n. 9, jul.-dez, 2006.

MORE: Mecanismo Online para Referências, versão 2.0. Florianópolis: UFSC Rexlab, 2013. Disponível em: http://www.more.ufsc.br/. Acesso em: 4 jun. 2019.

OMPI – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA PROPRIEDADE INTELECTUAL. Índice Global de Inovação 2019: Índia registra grandes avanços, enquanto Suíça, Suécia, EUA, Países Baixos e Reino Unido lideram a classificação. 2019. Disponível em: https://www.wipo.int/export/sites/www/pressroom/pt/documents/pr_2019_834.pdf. Acesso em: 15 nov. 2019.

PROEN/IFCE (Fortaleza). IFCE em Números. 2020. Disponível em: http://ifceemnumeros.ifce.edu.br/. Acesso em: 22 mar. 2020.

PROFNIT – PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA PARA A INOVAÇÃO. Rede PROFNIT. 2020. Disponível em: http://www.profnit.org.br/pt/sample-page/. Acesso em: 6 jun. 2020.

TAKAGI, Y.; ALLMAN, L.; SINJELA, M. A. Teaching of Intellectual Property: Principles and Methods. Nova York: Cambridge University Press, 2008. 333p.

WIPO – WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION (Suiça). (ed.). Teaching Intellectual Property (IP) in Countries in Transition. Genebra: Wipo – World Intellectual Property Organization, 2013. 100p. Disponível em: https://www.wipo.int/edocs/pubdocs/en/wipo_pub_transition_7.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

Downloads

Publicado

2021-04-01

Como Citar

Freire, V. M. V., & de Carvalho, J. M. (2021). Propriedade Intelectual para Inovação: percepções e perspectivas em uma escola profissionalizante. Cadernos De Prospecção, 14(2), 414. https://doi.org/10.9771/cp.v14i2.36965

Edição

Seção

Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento