Potencialidades Farmacológicas da Babosa: um estudo realizado por meio das técnicas de prospecção científica e tecnológica

Autores

  • Rayane Amorim Carvalho nstituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Codó, MA, Brasil
  • Antonio Marcos da Conceição Lima Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Codó, MA, Brasil
  • Álvaro Itáuna Schalcher Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Codó, MA, Brasil https://orcid.org/0000-0001-5415-9701
  • Oswaldo Palma Lopes Sobrinho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano, Rio Verde, GO, Brasil
  • Francisco Adelton Alves Ribeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Codó, MA, Brasil
  • Sara Tamiris da Silva Costa Instituto Educacional Santa Catarina, Faculdade Jangada Instituto Nacional de Cursos, Codó, MA, Brasil
  • Terezinha Yasmin Azevedo Lopes Universidade Brasil, Codó, MA, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v13i1.32555

Palavras-chave:

Aloe vera, Artigos científicos, Patentes.

Resumo

Este estudo realizou o monitoramento científico e tecnológico da Babosa com o intuito de fazer um mapeamento de seu progresso no campo científico e tecnológico. Para tanto, foram empregadas técnicas de prospecção científica e tecnológica, usando as bases de dados Scopus e World Intellectual Property Organization (WIPO) como banco de dados. Constatou-se que a Índia é detentora do maior número de publicações de artigos científicos, enquanto os Estados Unidos foi o responsável pelo maior número de patentes depositadas envolvendo essa espécie. O Brasil apresentou baixa produção científica e tecnológica quando comparado a outros países. Quanto à CIP, a subclasse mais categorizada foi a A61K, apontando para o maior uso da Aloe vera no desenvolvimento de produtos com finalidades médicas e odontológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rayane Amorim Carvalho, nstituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Codó, MA, Brasil

Licenciada em Ciências Agrárias pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão - Campus Codó (IFMA).

Antonio Marcos da Conceição Lima, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Codó, MA, Brasil

Licenciado em Química pelo Instituto Federal do Maranhão - Campus Codó (2018). Foi aluno bolsista de iniciação científica 2013-2014 pela FAPEMA (Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão) com projeto na área de ensino de Química. Foi aluno bolsista de iniciação à docência (PIBID) pela CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) 2014-2016 e aluno bolsista de iniciação científica pelo IFMA 2016-2017 com projeto na área de prospecção científica e tecnológica.

Álvaro Itáuna Schalcher Pereira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Codó, MA, Brasil

Doutor em Engenharia e Ciência de Alimentos com área de concentração em Ciência e Tecnologia de Alimentos e Linha de Pesquisa em Microbiologia e Bioprocessos pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), MBA em Gestão de Ensino de Ciências, Tecnologia e Inovação pela Faculdade Integrada Metropolitana de Campinas (IBTA), Mestre em Química, Especialista em Informática na Educação e Graduado em Licenciatura Plena em Química todos pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA). Consultor Ad Hoc (FAPEMA/PATRONAGE). Orientador, Coorientador e Membro de Projetos de Iniciação Científica e Pesquisa (PIBIC) do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI) de Ensino Superior e Médio, além de Coordenação em Projeto Institucional. Líder do Grupo de Pesquisa cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em Alimentos, Química, Agronomia e Recursos Hídricos (AQARH) e Membro dos Grupos de Pesquisa: Química, Meio Ambiente e Ensino de Ciências (QMAEC); Núcleo Autônomo de Ações Sustentáveis em Química Analítica, Alimentos e Água (NASQA). Compõe o Banco de Avaliadores do Reconhecimento de Saberes e Competências (RSC) e o Quadro de Avaliadores do Comitê Científico na área de Ciências Agrárias, Representante Docente do Conselho Diretor (CONDIR) e Membro do Núcleo Docente Estruturante do curso de Tecnologia de Alimentos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA). Tem experiência nas áreas Ciências Exatas e da Terra, Ciências Agrárias, Interdisciplinar, Ciência, Cultura e Tecnologia, com ênfase em Práticas Educativas voltadas a Educação Profissional e Tecnológica, com abordagens nos espaços formais e não formais e Orientações e Coorientações em Trabalhos de Conclusão de Cursos (TCC) e Dissertações de Mestrado. Atuando na área de Educação à Distância, Diversidade e Inclusão da Educação do Campo. Possui autoria de livros nas áreas de Educação, Química e Tecnologia em Alimentos. Parecerista revisor de periódicos: Revista de Educação, Tecnologia e Cultura (ETC), Revista Ciência, Tecnologia e Humanidades (CIENTEC), Revista Práxis (PRÁXIS), Revista Brasileira de Informática na Educação (RBIE), Acta Tecnológica (ACTA), Revista Ensino em Foco, Revista Cubana de Plantas Medicinales (RCPM) e Engenharia na Agricultura (REVENG). Atualmente faz parte do Corpo de Docentes Permanentes do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) ofertado em Rede Nacional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA).

 

Oswaldo Palma Lopes Sobrinho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano, Rio Verde, GO, Brasil

Mestre em Ciências Agrárias - Agronomia com área de concentração em Produção Vegetal Sustentável no Cerrado e a Linha de Pesquisa em Tecnologias Sustentáveis em Sistemas de Produção e Uso do Solo e Água (Conceito 5 pela CAPES) e Especializando em Formação de Professores e Práticas Educativas pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano - Campus Rio Verde (IF Goiano). Especializando em Saneamento e Saúde Ambiental Rural (SanRural) pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Engenheiro Agrônomo e Técnico em Agropecuária pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA). Integrante do Grupo de Pesquisa cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em Alimentos, Química, Agronomia e Recursos Hídricos (AQARH). Revisor de Periódicos: International Journal of Environment and Waste Management (IJEWM), Engenharia na Agricultura (REVENG), Revista Mundi Engenharia, Tecnologia e Gestão (RMETG), Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável (RVADS), Revista em Agronegócio e Meio Ambiente (RAMA), Revista Brasileira de Engenharia de Biossistemas (BIOENG), Brazilian Journal of Irrigation and Drainage (IRRIGA), Horticultura Brasileira (HB) e Acta Tecnológica (ACTA). Membro do Conselho Consultivo da Revista PUBVET e do Conselho Editorial da Revista Agrária Acadêmica (RAA). Desenvolve pesquisas nas áreas de Ciências Agrárias, com ênfase em Engenharia de Água e Solo, Agrometeorologia, Ciência do Solo, Fitotecnia, Ciência dos Alimentos, além de Ciências Ambientais e Educação no Campo.

Francisco Adelton Alves Ribeiro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Codó, MA, Brasil

Doutor em Biotecnologia (RENORBIO/UFPI). Mestrado em Engenharia da Computação e Sistemas (UEMA), Especialista em Redes de Computadores (FSA) e Docência do Ensino Superior (FACID). Atualmente Docente efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão - IFMA. Membro dos Grupos de Pesquisas do IFMA: Alimentos, Química, Agronomia e Recursos Hídricos (AQARH) e Núcleo de Inovação, Ensino, Pesquisa e Extensão em Matemática. Consultor ad hoc (FAPEMA/PATRONAGE). Compõe o corpo de docentes permanentes do Mestrado Profissional em Educacao Profissional e Tecnol6gica ofertado em rede nacional do IFMA, o Banco de Avaliadores SETEC-MEC, do Reconhecimento de Saberes e Competências (RSC) e do Comitê Científico Institucional do IFMA. Tem experiência nas áreas Ciências Exatas e da Terra e Interdisciplinar, com ênfase em Educação Tecnológica e Orientação de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Orientador e membro de projetos de Iniciação e Pesquisa: PIBIC Ensino Superior e Médio, PIBITI Ensino Médio, além de coordenação Projeto Institucional. Membro do Comitê Científico Institucional do IFMA. Consultor das plataformas de Ensino a Distância: Blackboard e Moodle, em Instituições Educacionais e Corporativas. Tem experiência em Educação e Tecnologia, Inteligência Computacional, Processamento de Imagens e Aprendizado de Máquina. Autor de Programa de Computador, com registro no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI), coordenador Adjunto Local PRONATEC/MEDIOTEC, campus Codó.

Sara Tamiris da Silva Costa, Instituto Educacional Santa Catarina, Faculdade Jangada Instituto Nacional de Cursos, Codó, MA, Brasil

Especialista em Hematologia Clínica e Banco de Sangue pelo Instituto Educacional Santa Catarina - Faculdade Jangada Instituto Nacional de Cursos (IESC). Bacharela em Biomedicina pela Faculdade Maurício de Nassau (UNINASSAU). Tem experiência na área de Hematologia Clínica, Bioquímica, Fitoterapia, Farmacologia e Toxicologia. Biomédica do Hospital Geral Municipal de Codó (HGM) e Laboratório e Clínica Laboratório Proanálise Ltda. 

Terezinha Yasmin Azevedo Lopes, Universidade Brasil, Codó, MA, Brasil

Graduanda em Bacharelado em Farmácia pela Universidade Brasil.

Referências

BACH, D. B.; LOPES, M. A. Estudo da viabilidade econômica do cultivo da babosa (Aloe vera L.). Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 31, n. 4, p. 1.136-1.144, 2007.

BANERJEE, G.; DIAS, P. M.; KALATHIL, R. UNILEVER PLC (a company registered in England and Wales under company no. of Unilever House, 100 Victoria Embankment, London Greater London EC4Y 0DY, 41424, GB). 2014.

CAPES – COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. Scopus. 2016. Disponível em: https://www.periodicos.capes.gov.br/images/documents/Scopus_Guia%20de%20refer%C3%AAncia%20r%C3%A1pida_10.08.2016.pdf. Acesso em: 13 jan. 2019.

COELHO, D. O. Composição para cera depilatória. PI 9504105-2 A2. Classificação: A61K 7/06. 1995.

DANHOF, I. E. Tratamento de síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS) com propriedades antivirais de Aloe vera L. Patente. 2011.

DIJK, W. V.; GOEDBLOED, A. F.; KOUMANS, F. J. R. Composição compreendendo polissacarídeos deriváveis de Aloe vera, extrato nag-25, extrato ultrafiltrado de aloe, seus processos de preparação, suas formas de dosagens, e seus usos. PI 0215394-7 B1. Patente. 2002.

ENG, A. H. et al. Luva com revestimento agradável ao tato e método de fabricação. PI 0520711-8 A2. Patente. 2005.

FÁVERE, V. T. et al. Composição farmacêutica contendo cloridrato de quitosana e Aloe vera. PI 0202748-8 A2. Patente. 2002.

FREITAS, V. S. I.; RODRIGUES, R. A. F.; GASPI, F. O. G. Propriedades farmacológicas da Aloe vera (L.) Burm. f. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, [S.l.], v. 16, n. 2, p. 229-307, 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GONTIJO, S. M. L. et al. Composições Farmacêuticas à base de Aloe vera e alginato e seus usos. Patente. 2011.

JOSEPH, B.; RAJ, S. J. Pharmacognostic and Phytochemical properties of Aloe vera linn – an overview. International Journal of Pharmaceutical Sciences Review and Research, Bangalore, v. 4, n. 2, p. 106-110, 2010.

MILLÁN, R. D. S.; SEGURA, M. E. C.; GALA-GARCIA, A. Formulação farmacêutica à base de Aloe vera para capeamento direto em polpa dentária e como matriz para transporte de fármacos e/ou células. Patente. PI 0802009-4 A2. 2008.

NANDAL, U.; BHARDWAJ, R. L. Aloe vera for human nutrition, health and cosmetic use - A review. International Research Journal of Plant Science, Chicago, v. 3, n. 3, p. 38-46, 2012.

PARENTE, L. M. L. et al. Aloe vera: características botânicas, fitoquímicas e terapêuticas Aloe vera. Arte Médica Ampliada, [S.l.], v. 33, n. 4, 2013.

PATROCÍNIO, A. F.; MANCILHA, M. Aloe vera – abordagem técnica. In: SYNTHON ESPECIALIDADES. Sorocaba/SP. 2012. Anais [...] São Paulo: 2012.

PEREIRA, S. A. et al. Prospecção científica e tecnológica do gênero Jatropha (Euphorbiaceae). Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 8, n. 2, p. 355-364, abr.-jun. 2015.

QUEIROZ, M. M. F. Curativo tópico a base de Aloe vera (babosa). PI 0602852-7 A2. 2006.

ROSA, I. Tônico capilar natural alôe vera. PI 0604689-4 A2. A61K 36/88; A61P 17/08; A61G 5/00. Patente. 2006.

SCOPEL, F.; GREGOLIN, J. A. R.; FARIA, L. I. L. Tendências Tecnológicas do uso do Sisal em Compósitos a Partir da Prospecção em Documentos de Patentes. Polímeros, [S.l.], v. 23, n. 4, p. 514-520, 2013.

SOTILLI, C. M. Utilização de Aloe vera na promoção da saúde e seus riscos em potencial pelo uso Indiscriminado. 2015.

WEERELT, R. S. M. V. Aloe vera reconstituído com hidrolatos. PI 0308498-1 A61K 35/78. 2003.

WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO Monographs on selected medicinal plants Geneva: WHO Publications, 1999.

WIPO – WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION. About WIPO. [2019]. Disponível em: http://www.wipo.int/about-wipo/en/. Acesso em: 18 fev. 2019.

Downloads

Publicado

2020-03-27

Como Citar

Carvalho, R. A., Lima, A. M. da C., Pereira, Álvaro I. S., Lopes Sobrinho, O. P., Ribeiro, F. A. A., Costa, S. T. da S., & Lopes, T. Y. A. (2020). Potencialidades Farmacológicas da Babosa: um estudo realizado por meio das técnicas de prospecção científica e tecnológica. Cadernos De Prospecção, 13(1), 184. https://doi.org/10.9771/cp.v13i1.32555

Edição

Seção

Prospecções Tecnológicas de Assuntos Específicos