CORPO E MEMÓRIA EM POÉTICAS TRANSFRONTEIRIÇAS DE VICUÑA E BUENO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/ell.v0i76.52609

Palavras-chave:

Poesia; Performance; Memória; Cecilia Vicuña; Wilson Bueno.

Resumo

O objetivo geral do texto é aproximar as poéticas de Cecilia Vicuña e Wilson Bueno por seu aspecto transfronteiriço, marcado pela mescla de línguas originárias ameríndias e coloniais em suas composições. A perspectiva crítica aponta para a operação de leitura, para a performance dos textos que provocam a dicção e a corporeidade de leitores. Notadamente, a poética de Vicuña funda-se na intrínseca relação entre o texto e o corpo, sendo a vocalização um ato de criação. Os “quase-poemas” de Vicuña, textos que se colocam como uma possibilidade que se realiza apenas em performance, inspiram a criação de uma videoperformance que propõe a tradicção, uma tradução em performance, de um fragmento da narrativa Mar Paraguayo.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAPTISTA, Josely Vianna. Roça barroca. São Paulo: SESI SP Editora, 2018.

BUENO, Wilson. Mar paraguaio. São Paulo: Iluminuras, 1992.

CASSIN, Barbara. Más de una lengua. Trad. Vera Waksman. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2014.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Trad. Vera Casa Nova e Márcia Arbex. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

DIEGUES, Douglas. Poétika guaraní en las fronteras do Brasil com Paraguay y Argentina. In: AMARANTE, Dirce Waltrick; GUERINI, Andréia; LIBRANDI, Marília (orgs.). As línguas da tradução. Florianópolis: Cultura e Barbárie, 2022, p. 102-111.

FRENKEL-BARRETTO, Eleonora. Cecilia Vicuña, o baile de los chinos e as sementes ancestrais de futuro. Revista Linguagem & Ensino. n. 1, v. 24, p. 13-28, 2021.

FRENKEL-BARRETTO, Eleonora. Poética do ’ser’-com em ’I tu’, de Cecília Vicuña: provocações para a tradução do estrangeiro em ’performance’. Gragoatá, n. 49, v. 24, p. 413-431, 2019.

LÓPEZ, Javier Ocampo. Tesoros legendarios de Colombia y el mundo. Bogotá: Plaza & Janés, 2004.

MOLLOY, Sylvia. Viver entre línguas. Trad. Mariana Sanchez. Belo Horizonte: Relicário, 2018.

NANCY, J.L. A la escucha. Trad. Horacio Pons. Buenos Aires: Amorrortu, 2007.

NODARI, Alexandre. Tradizer. In: FLORES, Guilherme G.; GONÇALVES, Rodrigo T. (Fotografias de Rafael Dabul). Algo infiel. Corpo, performance e tradução. Desterros [Florianópolis]: Cultura e Barbárie, São Paulo: n-1 edições, 2017, p. 13-16.

PEREIRA, Guilherme C. M. Wilson Bueno, um trapeiro ou o vício de existir das cancîões marafas. 2020. 191f. Dissertação (Mestrado em Literatura). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

PRECIADO, Paul B. Aprendendo com o vírus. Trad. Gustavo Teramatsu; Wagner Nabarro. In: AGAMBEN, G. et.al. (orgs.). Sopa de Wuhan. Pensamento contemporâneo em tempos de pandemia. 2. ed. Rio de Janeiro: Editoria SIESTA, 2020, p. 163-185.

ROTHENBERG, J. Etnopoesia no milênio. Trad. Luci Collin. Rio de Janeiro: Azougue editorial, 2006.

VICUÑA, Cecilia; ALCALÁ, R. Spit Temple. The Selected Perfomances of Cecilia Vicuña. Nova York: Ugly Duckling Presse, 2018.

VICUÑA, Cecilia. Palabra e Hilo/Word & Thread. Trad. Rosa Alcalá. Otley: Morning Star Publications, 1996.

VICUÑA, Cecilia. I Tu. Buenos Aires: Tsé Tsé, 2004.

ZUMTHOR, P. Performance, recepção, leitura. Trad. Jerusa P. Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Downloads

Publicado

2024-06-04

Como Citar

FRENKEL BARRETTO, E. CORPO E MEMÓRIA EM POÉTICAS TRANSFRONTEIRIÇAS DE VICUÑA E BUENO . Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 76, p. 449–461, 2024. DOI: 10.9771/ell.v0i76.52609. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/52609. Acesso em: 23 jul. 2024.