LUA MÍSTICA, ÁGUAS MÍTICAS

O FEMININO SIMBÓLICO EM O DESPERTAR, DE KATE CHOPIN

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/ell.i73.48229

Palavras-chave:

Kate Chopin, O despertar, Afrodite

Resumo

Kate Chopin rompeu paradigmas com a publicação de O despertar (1899), cujo teor subversivo causou furor na sociedade sulista estadunidense. A partir da epifania do primeiro mergulho no mar, Edna Pontellier desperta para novos impulsos de liberdade e autoafirmação, contestando as limitações femininas no contexto social patriarcal finissecular. Nesse percurso de autorrealização, a heroína abandona os papéis sociais de mãe e esposa para viver para si mesma. Nesse prisma, busca-se, no presente artigo, problematizar a imagética do espaço marítimo como símbolo do feminino, cujo viés mítico evoca a presença da deusa Afrodite. Para tanto, a análise terá como aporte teórico os pressupostos de Jean Chevalier, Alain Gheerbrant e Mircea Eliade sobre a simbologia aquática, as reflexões de Gilbert e Gubar a respeito abordagem mítico-simbólica da narrativa, entre outros autores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CHOPIN, Kate. O Despertar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

CHEVALIER, Jean & GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1994.

CIXOUS, Hélène. Sorties. In: CIXOUS, Hélène; CLÉMENT, Catherine. The Newly Born Woman. Trans. Betsy Wing. Minneapolis; London: University of Minnesota Press, 1986 (Theory and History of Literature, v. 24).

DYER, Joyce. The Awakening: A Novel of Beginnings. New York: Twayne, 1993.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. Trad. Rogério Fernandes. São Paulo: Martins Fontes, 1992. Disponível em http://gepai.yolasite.com/resources/O%20Sagrado%20E%20O%20Profano%20-%20Mircea%20Eliade.pdf. Acesso em 17 ago. 2021

GIL, Eulalia Piñero. The Pleasures of Music: Kate Chopin’s Artistic and Sensorial Synesthesia: 83–100. In: OSTMAN, Heather; O’DONGHUE, Kate eds. Kate Chopin in Context: New Approaches. New York: Palgrave Macmillan, 2015.

GILBERT, Sandra M. The Second Coming of Aphrodite: Kate Chopin’s Fantasy of Desire. The Kenyon Review – New Series, Gambier (OH): Kenyon College, v. 5, n. 3, p. 42 – 66, Summer 1983. Disponível em https://monsonenglish.files.wordpress.com/2013/09/the-second-coming-of-aphrodite-gilbert.pdf. Acesso em 16 ago. 2021.

GIORCELLI, Cristina. Edna’s Wisdom: A Transitional and Numinous Merging. In: MARTIN, Wendy (ed.), New Essays on The Awakening. New York: Cambridge UP, 1988.

GUDMUNDSSON, Maria. The Oceanic Feeling: A Freudian Reading of Katherine Chopin's The Awakening. 2014.

LANGLAND, Elizabeth. Nobody's Angels: Domestic Ideology and Middle-Class Women in the Victorian Novel. PMLA, v. 107, n. 2, p. 290-304, 1992.

MORAIS, Regis de. As Razões do Mito. Org. Campinas: Papirus. 1998.

POOVEY, Mary. The Ideological Work of Gender. In: Uneven Developments. University of Chicago Press, 1988.

RAGUSA, Giuliana. Da castração à formação: a gênese de Afrodite na Teogonia. Revista Letras Clássicas, n.5, p. 109-130, 2001. Disponível em http://www.revistas.fflch.usp.br/delete2/article/view/806. Acesso em 13 set 2021.

RAPUCCI, Cleide Antonia. Mulher e deusa: a construção do feminino em Fireworks de Angela Carter. Maringá: Eduem, 2011.

RIBEIRO, Roberto Vinícius Santos. Água e desejo: a construção da subjetividade de Edna Pontellier no romance O despertar, de Kate Chopin. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Letras). Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2016. Disponível em https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/25465/1/TCC%20Roberto%20Vinicius%20201 6.1.pdf. Acesso em 12 ago. 2021.

ROSSI, Aparecido Donizete. A desarticulação do universo patriarcal em The Awakening, de Kate Chopin. 2006. 195f. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários). Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara (FCL-Ar), Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Araraquara, SP. Disponível em https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/91595/rossi_ad_me_arafcl.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 16 set. 2021.

_______. Sob a égide de Afrodite: o espaço feminino em O despertar, de Kate Chopin. Revista de Letras, São Paulo: UNESP, v. 50, n. 1, p. 199 – 215, jan. – jun. 2010. Disponível em https://periodicos.fclar.unesp.br/letras/article/view/3173/2899. Acesso em 22 set. 2019.

SEYERSTED, Per. Kate Chopin. A Critical Biography. Baton Rouge (LA): Louisiana State University Press, 1980.

TANDT, Christophe Den. Oceanic Discourse, Empowerment and Social Accommodation in Kate Chopinʼs The Awakening and Henrik Ibsenʼs The Lady from the Sea. Université Libre de Bruxelles (ULB), 1997.

TOTH, Emily. Kate Chopin. New York: Morrow, 1993.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Trad. Vera Ribeiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

Downloads

Publicado

2022-09-27

Como Citar

FINATTI, R. E. LUA MÍSTICA, ÁGUAS MÍTICAS: O FEMININO SIMBÓLICO EM O DESPERTAR, DE KATE CHOPIN. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 73, p. 304–319, 2022. DOI: 10.9771/ell.i73.48229. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/48229. Acesso em: 7 dez. 2022.