O (NÃO) USO DAS PREPOSIÇÕES DATIVAS E A RELEXIFICAÇÃO DE PARA NO PORTUGUÊS AFRO-BRASILEIRO

Autores

  • Isis Juliana Figueiredo de Barros Universidade Federal do Recôncavo da Bahia http://orcid.org/0000-0001-9663-7249
  • Maria Cristina Figueiredo Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.9771/ell.v0i68.41962

Palavras-chave:

Preposição, Dativo, Português Afro-brasileiro, Substrato banto.

Resumo

O artigo busca apresentar os principais resultados da análise sociolinguística a respeito da variação no uso das preposições dativas a e para em comunidades afro-brasileiras (Helvécia, Sapé, Rio de Contas e Cinzento), levando-se em conta alguns contextos sintático-semânticos e sociais. A metodologia da descrição e análise dos dados obtidos orientou-se pela abordagem laboviana, de forma a obter resultados com base em levantamento estatístico. O resultado da análise da amostra indica que os contextos de realização do dativo preposicionado por para nem sempre coincidem com o dativo sem preposição ou o dativo preposicionado por a. Argumenta-se que o surgimento da preposição para no contexto de dativos em verbos bitransitivos dinâmicos  teria sofrido um processo de relexificação, como resultado da influência das línguas de substrato banto durante o período de contato intenso entre línguas que caracteriza a formação sócio-histórica dessas comunidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isis Juliana Figueiredo de Barros, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Atualmente, é docente e pesquisadora na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). É mestre (2013) e doutora (2018) em Língua e Cultura na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Possui Licenciatura em Letras: Português/Inglês pela UNIME (2008). Atuou como Professora de Língua Portuguesa e de Língua Inglesa em diversas instituições, como: Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), Faculdade Dom Pedro II em Salvador (BA), Universidade Federal da Bahia (UFBA - Substituta), Secretaria do Estado da Bahia (Governo do Estado da Bahia) e outras experiências docentes. Além disso, foi Coordenadora Geral de Núcleo Docentes - CGND (2016), Coordenadora Institucional do Programa Idiomas Sem Fronteiras (IsF/MEC) (2017-2019) e Assistente da Assessoria de Políticas Nacionais e Internacionais (2018-2019), na UFOB. Durante a sua trajetória, tem realizado pesquisa na área da Teoria da Gramática (Morfossintaxe), com interface em Sociolinguística e Línguas em contato, atuando principalmente nos seguintes temas: Português Afro-brasileiro, Línguas em contato, Verbos bitransitivos, Dativos, Preposições, Português Rural do Oeste da Bahia, Variação e Ensino.

Downloads

Publicado

2021-05-28

Como Citar

Barros, I. J. F. de, & Figueiredo, M. C. (2021). O (NÃO) USO DAS PREPOSIÇÕES DATIVAS E A RELEXIFICAÇÃO DE PARA NO PORTUGUÊS AFRO-BRASILEIRO. Estudos Linguísticos E Literários, (68), 453–483. https://doi.org/10.9771/ell.v0i68.41962

Edição

Seção

ARTIGOS / ARTICLES