AS CONSTRUÇÕES RELATIVAS NO PORTUGUÊS POPULAR DE FEIRA DE SANTANA-BA

Autores

  • Silvana Silva de Farias Araújo Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Jéssica Carneiro da Silva Universidade do Estado da Bahia (UNEB) http://orcid.org/0000-0003-2050-2780

DOI:

https://doi.org/10.9771/ell.v0i68.38830

Palavras-chave:

Sociolinguística, Construções relativas, Português popular feirense.

Resumo

Apresenta-se o resultado do uso variável das construções relativas (CRel) na perspectiva da Sociolinguística em doze entrevistas da fala popular de Feira de Santana-BA. Objetivou-se descrever o português popular feirense e comparar o seu comportamento linguístico com o do português rural afro-brasileiro (BURGOS, 2003; RIBEIRO, 2009, LUCCHESI, 2015). Fixaram-se duas variáveis dependentes: i) relativização de termos não preposicionados – relativas com lacuna e com lembrete, e ii) relativização de termos preposicionados – relativas pied piping e cortadoras. Verificou-se uso exclusivo do relativo que, poucas CRel com lembrete e predominância das cortadoras. Os resultados revelam que o português popular de Feira de Santana aproxima-se do comportamento linguístico observado nas comunidades rurais afro-brasileiras e distancia-se do português de Portugal (SILVA, 2011).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-05-28

Como Citar

ARAÚJO, S. S. de F.; DA SILVA, J. C. AS CONSTRUÇÕES RELATIVAS NO PORTUGUÊS POPULAR DE FEIRA DE SANTANA-BA. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 68, p. 219–238, 2021. DOI: 10.9771/ell.v0i68.38830. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/38830. Acesso em: 4 jul. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS / ARTICLES