Maria Duas Tranças e o galo chorão da Itaoca

imagem, catimbó e macumba em Fortaleza no início da década de 1940

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/aa.v0i65.43991

Palavras-chave:

Imagem, Jornais, Religiões afro-indígenas, Catimbó

Resumo

Uma imagem publicada no jornal fortalezense O Estado, de 1º de abril de 1941, mostra Maria Duas Tranças entre os objetos religiosos apreendidos pelo Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), como evidências criminais da prática do catimbó. Com os dedos, Maria aponta para um jornal sobre a mesa. Uma pista sobre os motivos de tal exposição pode ser vista na legenda da imagem: “Separa-se os instrumentos cerimoniais e uma edição da ‘Gazeta’ que falava do galo chorão da Itaoca.” Trata-se da primeira página do jornal Gazeta de Notícias, que falava sobre uma série de “aparições demoníacas” ocorridas dias antes, em um bairro situado a 8km do local onde Maria havia sido presa. Neste artigo, analiso como a imagem em questão produziu conexões entre os dois eventos mencionados e busco trazer contribuições aos estudos sobre as religiões afro-indígenas no Ceará e sobre a publicação de imagens dessas religiões na imprensa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Oliveira de Almeida, Universidade Federal do Ceará

Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Ceará (2012). Mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (2015) e doutor em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2019), tendo realizado doutorado sanduíche na Utrecht University (Utrecht - Holanda), no departamento de Cultural Anthropology. Atualmente é pesquisador DCR – CNPq/FUNCP, vinculado ao PPG de Antropologia da Universidade Federal do Ceará. Pesquisador associado ao Núcleo de Estudos da Religião (NER/UFRGS) e ao o grupo de pesquisa do CNPq Religião, Arte, Materialidade, Espaço Público (Mares). Atualmente, desenvolvendo pesquisas nas áreas de religião, mídia, materialidades e etnomusicologia.

Referências

Ana García Varas (org.), Filosofía de la imagen, Salamanca: Universidad de Salamanca, 2012.

Arthur Valle, “‘Blitzkrieg contra a Macumba’: repressão policial e arte sacra afrobrasileira no Rio de Janeiro em 1941”, Apresentação de trabalho no 40º Colóqui do Comitê Brasileiro de História da Arte (2020a), p. 8.

Arthur Valle, “Mapeando o sagrado: arte sacra e locais de culto afrobrasileiros em notícias sobre repressão policial no Rio de Janeiro, 1890-1941”, Revista de História da Arte e Arqueologia, v. 1 (2020b), p. 5-29.

Armando Pinheiro Neto, “De curral da fome a campo santo: o campo de concentração de retirantes na seca de 1915 em Fortaleza”, Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014, http://www.unirio.br/cch/escoladehistoria/pos-graduacao/ppgh/dissertacao_armando-p-neto.

Asbjørn Grønstad e Øyvind Vågnes, “An interview with WJT Mitchell”, Image & Narrative, v. 15 (2006).

Dilaine Soares Sampaio, “Catimbó e Jurema: uma recuperação e uma análise dos olhares pioneiros”, Debates do NER, v. 2, n. 30 (2016), p. 151-194.

Emerson Giumbelli, “O ‘baixo espiritismo’ e a história dos cultos mediúnicos”, Horizontes Antropológicos, ano 9, n. 19 (2003), p. 247-281.

Erick Assis de Araújo, Nos labirintos da cidade: Estado Novo e o cotidiano das classes populares em Fortaleza, Fortaleza: INESP, 2007.

Francisco das Chagas Fernandes Santiago Júnior, “A virada e a imagem: história teórica do pictorial/iconic/visual turn e suas implicações para as humanidades”, Anais do Museu Paulista: Estudos de Cultura Material, v. 27 (2019), pp. 1-51.

Frederico de Castro Neves, “Curral dos Bárbaros: os campos de concentração no Ceará (1915 e 1932)”, Revista Brasileira de História, v. 15, n. 29 (1995), p. 93-122.

Gottfried Boehm, “Aquilo que se mostra. Sobre a diferença icônica” in Emmanuel Alloa (org.), Pensar a imagem, (Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015), pp. 23-38.

Gilmar de Carvalho, A televisão no Ceará (1959 / 1966), Fortaleza: Expressão Gráfica, 2010.

Gisafran Nazareno Mota Jucá, Verso e reverso do perfil urbano de Fortaleza, 1945-1960. Fortaleza: Annablume, 2000.

Ismael Pordeus Júnior, Umbanda: Ceará em transe, Fortaleza: Museu do Ceará, Expressão Gráfica e Editora, 2011.

Jair Antonio de Oliveira, “É sério?! O Humor no Jornalismo”, DELTA: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, v. 32, n. 3 (2016), p. 735-747.

Kênia Souza Rios, Isolamento e poder: Fortaleza e os campos de concentração na seca de 1932, Fortaleza: Imprensa universitária, 2014.

Linconly Jesus Alencar Pereira e Maria Zelma de Araújo Madeira. “A construção social da macumba cearense: perseguição e resitência”. Anais do I Encontro Nacional do Núcleo de História e Memória da Educação (2012), pp. 1540-1553.

Marcos José Diniz Silva, “‘A praga dos catimbós em Fortaleza’ e a legitimação do Espiritismo no campo religioso cearense” Revista Brasileira de História das Religiões, v. 10, n. 28 (2017), p. 25-42.

Maria Luiza Tucci Carneiro, “O Estado Novo, o Dops e a ideologia da segurança nacional” in Repensando o Estado Novo. (Rio de Janeiro: FGV, 1999), p. 327-340.

Natália Eunice Paiva Moreira, “Que bons ventos o trazem? O cão da Itaoca na Fortaleza dos anos 1940”, Trabalho de Conclusão ( Graduação em Comunicação Social), Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2006.

Raimundo Nonato Ximenes, De Pirocaia a Montese: fragmentos históricos, Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2004, pp. 96-98.

Ricardo Albuquerque. (org.), Iconografia do cangaço, São Paulo: Terceira Nome, 2012.

Roger Bastide, “Catimbó” in Reginaldo Prandi (org.), Encantaria Brasileira: o livro dos Mestres, Cabocloes e Encantados, (Rio de Janeiro: Pallas, 2011), p. 146-159.

Ronaldo de Almeida, A Igreja Universal e seus demônios: um estudo etnográfico, São Paulo: Terceiro Nome, 2009.

Sandra Sofia Machado Koutsoukos, Negros no Estúdio do Fotógrafo. Campinas: Editora da UNICAMP, 2010, pp. 221-255.

S. G. Salles, “O catimbó nordestino: as mesas de cura de ontem e de hoje”, Revista de Teologia e Ciências da Religião da Unicap, v. 9, n. 2 (2010), pp. 85-105.

Sylvie Dion, “O ‘fait divers’como gênero narrativo”, Letras, n. 34 (2007), p. 123-131.

Tânia Regina de Luca, “História dos, nos e por meio dos periódicos” in Carla Bassanezi Pinsky (org.), Fontes Históricas, (São Paulo: Contexto, 2005), pp. 111-153.

W. J. Thomas Mitchell, Picture theory: Essays on verbal and visual representation. Chicago: University of Chicago Press, 1995, pp.35-82.

Yvonne Maggie, Medo do feitiço: relações entre magia e poder no Brasil, Rio de janeiro: Arquivo Nacional, 1992.

Downloads

Publicado

2022-06-19

Como Citar

DE ALMEIDA, L. O. Maria Duas Tranças e o galo chorão da Itaoca: imagem, catimbó e macumba em Fortaleza no início da década de 1940. Afro-Ásia, Salvador, n. 65, p. 479–518, 2022. DOI: 10.9771/aa.v0i65.43991. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/43991. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos