Sobre a Revista

Foco e Escopo

Na Revista Periódicus, publicação semestral do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Culturas, Gêneros e Sexualidades (NuCuS), da Universidade Federal da Bahia, serão publicados textos que dialoguem com estudos sobre gêneros e sexualidades a partir de perspectivas dissidentes e/ou indisciplinadas, especialmente estudos feministas, queer, transfeministas, anti-racistas e anti-coloniais. No entanto, os textos não precisam dialogar exclusivamente com estas reflexões conceituais.

A Revista Periódicus está interessada em textos que problematizem normatizações, normalizações e naturalizações sobre gênero e sexualidade, em especial trabalhos que discutam a heteronormatividade e a cisnormatividade, a heterossexualidade e a cisgeneridade compulsórias, além de análises críticas aos binarismos de gênero e sexualidade. Serão priorizados trabalhos que evidenciem e problematizem "regimes de verdade" sobre gêneros e sexualidades, especialmente aqueles em uma perspectiva interseccional.

A Revista Periódicus abrange um Dossiê temático, que publica textos inéditos sobre uma mesma temática, que muda a cada edição, e uma Seção Livre, que publica textos que estão sob o escopo da revista, mas não se encaixam nos dossiês. Os textos poderão ter formato de Artigos, Ensaios, Traduções, Entrevistas e Resenhas, além de textos literários, manifestos e outras formas textuais mais experimentais. Todas as publicações devem ter pelo menos 60% de seu conteúdo de investigação original, dentro do âmbito científico e acadêmico. Cada Dossiê possui prazos específicos detalhados nas chamadas para publicação, enquanto a Sessão Livre recebe inscrições em fluxo contínuo. Mais informações em "Diretrizes para autor@s".

Processo de Avaliação pelos Pares

A Revista Periódicus utiliza o método de Avaliação Duplo-Cega por Pares (Double Blind Peer Review), sendo os textos avaliados por dois pareceristas ad hoc selecionados pela Revista. Não há cobrança de taxas para a submissão, avaliação e publicação dos manuscritos. Antes de serem avaliados por seus pares, os artigos submetidos são verficados por ferramentas de identificação de plágio. As pessoas autoras se comprometem a garantir a originalidade, a autoria e o ineditismo do texto submetidos.

Periodicidade

A revista Periódicus é uma publicação semestral. Números e fascículos especiais poderão aumentar a quantidade de edições. Essa alterações estão a critério da Equipe Editorial.

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. A Revista Periódicus utiliza a licença Creative Commons Attribution e permite que autoras, desde que explicitado a publicação inicial na Revista Periódicus, publiquem os textos em livro.

Histórico

O Brasil viveu, no início dos anos 2000, nas Universidades brasileiras, uma significativa expansão dos Estudos sobre Gênero e Sexualidade. A consolidação de Eventos acadêmicos multidisciplinares e específicos nesta área comprova o "boom" de pesquisas sobre gêneros e sexualidades em todas as áreas do saber. Apesar disso, ainda existem poucas Revistas acadêmicas destinadas a acolher essa produção científica, o que inviabiliza a divulgação da produção da área. Além disso, não há Revistas que priorizem temática e metodologicamente pesquisas ligadas aos Estudos queer e transfeministas, que crescem em quantidade e qualidade, no Brasil e no mundo, de forma vertiginosa. Por conta disso, a Revista Periódicus tem como objetivo não só aumentar o número e a qualidade de publicações de pesquisas sobre Gênero e Sexualidade, como também priorizar publicações de estudos queer, transfeministas, anti-racistas e anti-coloniais.

Política de Ética: princípios éticos e boas práticas

A Revista Periódicus tem um compromisso com a ética e a qualidade das publicações, não sendo admissíveis desvios de conduta acadêmica, quer seja da Equipe Editorial e suas pareceristas, quer seja de suas autoras. Defendemos um comportamento ético de todas as partes envolvidas na publicação: autoras, editoras e pareceristas, assim como defendemos procedimentos éticos em todo o processo de editoria, de sumbissão e de avaliação à publicação. Por isso, não aceitamos plágio ou qualquer outro tipo de comportamento antiético. 
 
Autoras que queiram publicar seu material na Revista Periódicus devem concordar integralmente com essas instruções, que buscam assegurar a qualidade dos trabalhos publicados, em respeito às nossas leitoras e autoras. Os casos que envolverem suspeitas de comportamento antiético, ou de má conduta, serão investigados pelos Equipe Editorial, a fim de que todas as dúvidas sejam dirimidas.
 
Esta declaração é baseada nas “Diretrizes de melhores práticas para editores de revistas” e normas desenvolvidas pelo Comittee on Publication Ethics (COPE), disponível em <https://publicationethics.org/files/Code_of_conduct_for_journal_editors_Mar11.pdf>, que detalha os padrões para fins de publicação de textos em nossa revista.
 
I - Deveres das Editoras:
 
Decisão de publicação: as editoras são responsáveis por decidir quais artigos submetidos à Revista Periódicus devem ser publicados. As editoras são guiadas pelas políticas decididas pelo Conselho Editorial, pelo Comitê Científico e pela Editoria de Periódicos Científicos. Essas políticas obedecem às exigências legais em vigor sobre difamação, violação de direitos autorais e plágio. Eventualmente, as editoras podem consultar Conselho Editorial para a tomada de decisões.
 
Transparência e respeito: as editoras devem avaliar os manuscritos submetidos pelo seu conteúdo intelectual, sem levar em conta a raça, o gênero, a orientação sexual, a crença religiosa, a origem étnica, a nacionalidade ou a filosofia política das autoras.
 
Confidencialidade: as editoras não devem divulgar qualquer informação sobre o manuscrito submetido, a não ser à autora correspondente, às pareceristas e ao Conselho Editorial, conforme o caso.
 
Divulgação e conflitos de interesses: as editoras não podem utilizar materiais inéditos divulgados em manuscrito submetido em pesquisas próprias sem o consentimento expresso e por escrito da autora. As editoras devem recusar avaliar os manuscritos em que tenha conflitos de interesse por questões competitivas, colaborativas ou outros relacionamento ou ligações com qualquer das autoras, empresas ou instituições ligadas aos manuscritos.
 
Envolvimento e cooperação em investigações: as editoras devem tomar as medidas necessárias cabíveis quando forem apresentadas reclamações éticas a respeito de um manuscrito submetido ou artigo publicado.
 
II - Deveres das Pareceristas:
 
Contribuição para as edições editoriais: a avaliação das pareceristas auxilia as editoras na tomada de decisões editoriais e por meio das comunicações com as autoras podem também auxiliar as mesmas na melhora do manuscrito.
 
Pontualidade: qualquer parecerista que não se sinta qualificada para analisar a pesquisa apresentada em um manuscrito ou que sabe que sua leitura imediata será impossível deve notificar imediatamente as editoras e retirar-se do processo de avaliação.
 
Confidencialidade: os manuscritos recebidos para análise devem ser tratados pelas pareceristas como documentos confidenciais. Eles não devem ser mostrados ou discutidos com outras, exceto se autorizado pelas editoras.
 
Padrões de objetividade: os pareceres devem ser objetivos, expresando o ponto de vista da parecerista de forma clara, usando argumentos que apoiem a sua avaliação. Críticas pessoais às autoras são inadequadas.
 
Reconhecimento de fontes: as pareceristas devem identificar trabalhos publicados relevantes que não tenham sido citados pelas autoras. Qualquer afirmação de que uma observação, derivação ou argumento tenham sido publicados antes devem ser acompanhados de citação de fonte relevante. As pareceristas devem chamar a atenção das editoras sobre qualquer semelhança substancial ou sobreposição entre o manuscrito em questão e qualquer outro artigo publicado de que tenha conhecimento.
 
Divulgação e conflito de interesses: informações privilegiadas ou ideias obtidas pelas pareceristas por meio da leitura dos manuscritos devem ser mantidas em sigilo e não devem ser utilizadas para proveito pessoal. As pareceristas não devem avaliar manuscritos em que tenham conflitos de interesse por questões competitivas, colaborativas ou outros relacionamentos ou ligações com qualquer uma das autoras, empresas ou instituições ligadas aos manuscritos.
 
III - Deveres das Autoras:
 
Normas gerais: as autoras de manuscritos que se referem a pesquisas originais devem apresentar um relato preciso do trabalho de pesquisa realizado, assim como uma discussão objetiva sobre o seu significado. Dados complementares devem ser apresentados com precisão no manuscrito. O documento deve conter detalhes e referências suficientes para permitir que outras possam replicar o trabalho. Declarações fraudulentas ou intencionalmente imprecisas constituem um comportamento antiético e são inaceitáveis.
 
Acesso e retenção de dados: as autoras podem ser solicitadas a fornecer os dados brutos relacionados ao manuscrito submetido, com a finalidade de revisão editorial. Devem estar preparadas para fornecer acesso público a esse dados e devem, em qualquer caso, estar preparadas para guardar esses dados por um período de tempo razoável após a publicação.
 
Originalidade e plágio: as autores devem garantir que os manuscritos são inteiramente originais; se as autores utilizam o trabalho e/ou palavra de outros, devem garantir que estes sejam devidamente citados ou referenciados. Plágio em todas as suas formas constitui um comportamento editorial antiético e é inaceitável.
 
Publicação múltipla, redundante e simultânea: as autores não devem publicar manuscritos que descrevam essencialmente a mesma pesquisa em mais de um periódico. Enviar o mesmo manuscrito para mais de uma revista ao mesmo tempo e/ou publicar o mesmo artigo em mais de um periódico constitui um comportamento editorial antiético e é inaceitável.
 
Sobre as fontes: o trabalho de outras autoras deve ser sempre reconhecido. As autoras devem citar as publicações que foram importantes na determinação da natureza do manuscrito relatado. As informações obtidas em particular, como em uma conversa, correspondência, ou discussão com terceiras, não devem ser utilizadas ou relatadas sem a permissão explícita por escrito da fonte. As informações obtidas por meio de serviços confidenciais, tais como arbitragem ou pedidos de bolsa, não devem ser utilizadas sem a permissão explícita por escrito da autora do trabalho envolvido nestes serviços.
 
Autoria: a autoria do manuscrito deve ser restrita àquelas que fizeram uma contribuição significativa para a concepção, projeto, execução ou interpretação do estudo relatado. Todas aquelas que fizeram contribuições significativas devem ser listadas como coautoras. Pessoas que participaram em certos aspectos substantivos do projeto de pesquisa devem ser creditadas ou listadas como colaboradoras em nota de rodapé. A autora principal deve garantir que todas as coautoras apropriadas estejam incluídas no artigo. A autora principal também deve certificar-se que todas as coautoras viram e aprovaram a versão final do manuscrito e que concordaram com sua submissão para publicação.
 
Perigos para humanos ou animais: a pesquisa que envolva produtos químicos, procedimentos ou equipamentos que apresentam quaisquer riscos incomuns para seres humanos ou animais, devem ser claramente identificados no manuscrito.
 
Divulgação e conflitos de interesses: todas as autoras devem divulgar no manuscrito qualquer conflito de interesse financeiro, profissional ou de qualquer outra natureza que possa influenciar nos resultados ou na interpretação de seu manuscrito. Todas as fontes de apoio financeiro para o projeto devem ser divulgadas.
 
Erros fundamentais em trabalhos publicados: quando uma autora descobre um erro significativo ou imprecisão em seu trabalho publicado, é de obrigação da autora informar imediatamente às editoras da revista e cooperar com as editoras para corrigir o artigo.
Política de Ética: princípios éticos e boas práticas

A Revista Periódicus tem um compromisso com a ética e a qualidade das publicações, não sendo admissíveis desvios de conduta acadêmica, quer seja da Equipe Editorial e suas pareceristas, quer seja de suas autoras. Defendemos um comportamento ético de todas as partes envolvidas na publicação: autoras, editoras e pareceristas, assim como defendemos procedimentos éticos em todo o processo de editoria, de sumbissão e de avaliação à publicação. Por isso, não aceitamos plágio ou qualquer outro tipo de comportamento antiético.

Autoras que queiram publicar seu material na Revista Periódicus devem concordar integralmente com essas instruções, que buscam assegurar a qualidade dos trabalhos publicados, em respeito às nossas leitoras e autoras. Os casos que envolverem suspeitas de comportamento antiético, ou de má conduta, serão investigados pelos Equipe Editorial, a fim de que todas as dúvidas sejam dirimidas.

Esta declaração é baseada nas “Diretrizes de melhores práticas para editores de revistas” e normas desenvolvidas pelo Comittee on Publication Ethics (COPE), disponível em <https://publicationethics.org/files/Code_of_conduct_for_journal_editors_Mar11.pdf>, que detalha os padrões para fins de publicação de textos em nossa revista.

I - Deveres das Editoras:

Decisão de publicação: as editoras são responsáveis por decidir quais artigos submetidos à Revista Periódicus devem ser publicados. As editoras são guiadas pelas políticas decididas pelo Conselho Editorial, pelo Comitê Científico e pela Editoria de Periódicos Científicos. Essas políticas obedecem às exigências legais em vigor sobre difamação, violação de direitos autorais e plágio. Eventualmente, as editoras podem consultar Conselho Editorial para a tomada de decisões.

Transparência e respeito: as editoras devem avaliar os manuscritos submetidos pelo seu conteúdo intelectual, sem levar em conta a raça, o gênero, a orientação sexual, a crença religiosa, a origem étnica, a nacionalidade ou a filosofia política das autoras.

Confidencialidade: as editoras não devem divulgar qualquer informação sobre o manuscrito submetido, a não ser à autora correspondente, às pareceristas e ao Conselho Editorial, conforme o caso.

Divulgação e conflitos de interesses: as editoras não podem utilizar materiais inéditos divulgados em manuscrito submetido em pesquisas próprias sem o consentimento expresso e por escrito da autora. As editoras devem recusar avaliar os manuscritos em que tenha conflitos de interesse por questões competitivas, colaborativas ou outros relacionamento ou ligações com qualquer das autoras, empresas ou instituições ligadas aos manuscritos.

Envolvimento e cooperação em investigações: as editoras devem tomar as medidas necessárias cabíveis quando forem apresentadas reclamações éticas a respeito de um manuscrito submetido ou artigo publicado.

II - Deveres das Pareceristas:

Contribuição para as edições editoriais: a avaliação das pareceristas auxilia as editoras na tomada de decisões editoriais e por meio das comunicações com as autoras podem também auxiliar as mesmas na melhora do manuscrito.

Pontualidade: qualquer parecerista que não se sinta qualificada para analisar a pesquisa apresentada em um manuscrito ou que sabe que sua leitura imediata será impossível deve notificar imediatamente as editoras e retirar-se do processo de avaliação.

Confidencialidade: os manuscritos recebidos para análise devem ser tratados pelas pareceristas como documentos confidenciais. Eles não devem ser mostrados ou discutidos com outras, exceto se autorizado pelas editoras.

Padrões de objetividade: os pareceres devem ser objetivos, expresando o ponto de vista da parecerista de forma clara, usando argumentos que apoiem a sua avaliação. Críticas pessoais às autoras são inadequadas.

Reconhecimento de fontes: as pareceristas devem identificar trabalhos publicados relevantes que não tenham sido citados pelas autoras. Qualquer afirmação de que uma observação, derivação ou argumento tenham sido publicados antes devem ser acompanhados de citação de fonte relevante. As pareceristas devem chamar a atenção das editoras sobre qualquer semelhança substancial ou sobreposição entre o manuscrito em questão e qualquer outro artigo publicado de que tenha conhecimento.

Divulgação e conflito de interesses: informações privilegiadas ou ideias obtidas pelas pareceristas por meio da leitura dos manuscritos devem ser mantidas em sigilo e não devem ser utilizadas para proveito pessoal. As pareceristas não devem avaliar manuscritos em que tenham conflitos de interesse por questões competitivas, colaborativas ou outros relacionamentos ou ligações com qualquer uma das autoras, empresas ou instituições ligadas aos manuscritos.

III - Deveres das Autoras:

Normas gerais: as autoras de manuscritos que se referem a pesquisas originais devem apresentar um relato preciso do trabalho de pesquisa realizado, assim como uma discussão objetiva sobre o seu significado. Dados complementares devem ser apresentados com precisão no manuscrito. O documento deve conter detalhes e referências suficientes para permitir que outras possam replicar o trabalho. Declarações fraudulentas ou intencionalmente imprecisas constituem um comportamento antiético e são inaceitáveis.

Acesso e retenção de dados: as autoras podem ser solicitadas a fornecer os dados brutos relacionados ao manuscrito submetido, com a finalidade de revisão editorial. Devem estar preparadas para fornecer acesso público a esse dados e devem, em qualquer caso, estar preparadas para guardar esses dados por um período de tempo razoável após a publicação.

Originalidade e plágio: as autores devem garantir que os manuscritos são inteiramente originais; se as autores utilizam o trabalho e/ou palavra de outros, devem garantir que estes sejam devidamente citados ou referenciados. Plágio em todas as suas formas constitui um comportamento editorial antiético e é inaceitável.

Publicação múltipla, redundante e simultânea: as autores não devem publicar manuscritos que descrevam essencialmente a mesma pesquisa em mais de um periódico. Enviar o mesmo manuscrito para mais de uma revista ao mesmo tempo e/ou publicar o mesmo artigo em mais de um periódico constitui um comportamento editorial antiético e é inaceitável.

Sobre as fontes: o trabalho de outras autoras deve ser sempre reconhecido. As autoras devem citar as publicações que foram importantes na determinação da natureza do manuscrito relatado. As informações obtidas em particular, como em uma conversa, correspondência, ou discussão com terceiras, não devem ser utilizadas ou relatadas sem a permissão explícita por escrito da fonte. As informações obtidas por meio de serviços confidenciais, tais como arbitragem ou pedidos de bolsa, não devem ser utilizadas sem a permissão explícita por escrito da autora do trabalho envolvido nestes serviços.

Autoria: a autoria do manuscrito deve ser restrita àquelas que fizeram uma contribuição significativa para a concepção, projeto, execução ou interpretação do estudo relatado. Todas aquelas que fizeram contribuições significativas devem ser listadas como coautoras. Pessoas que participaram em certos aspectos substantivos do projeto de pesquisa devem ser creditadas ou listadas como colaboradoras em nota de rodapé. A autora principal deve garantir que todas as coautoras apropriadas estejam incluídas no artigo. A autora principal também deve certificar-se que todas as coautoras viram e aprovaram a versão final do manuscrito e que concordaram com sua submissão para publicação.

Perigos para humanos ou animais: a pesquisa que envolva produtos químicos, procedimentos ou equipamentos que apresentam quaisquer riscos incomuns para seres humanos ou animais, devem ser claramente identificados no manuscrito.

Divulgação e conflitos de interesses: todas as autoras devem divulgar no manuscrito qualquer conflito de interesse financeiro, profissional ou de qualquer outra natureza que possa influenciar nos resultados ou na interpretação de seu manuscrito. Todas as fontes de apoio financeiro para o projeto devem ser divulgadas.

Erros fundamentais em trabalhos publicados: quando uma autora descobre um erro significativo ou imprecisão em seu trabalho publicado, é de obrigação da autora informar imediatamente às editoras da revista e cooperar com as editoras para corrigir o artigo.