MARXISMO, CAMPO E EDUCAÇÃO

Autores

  • Luiz Bezerra Neto Universidade Federal de São Carlos
  • Jaqueline Daniela Basso Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v3i2.9451

Palavras-chave:

Marxismo, acumulação primitiva, educação do campo.

Resumo

A luta do homem do campo pelo acesso à terra nos é conhecida, contudo, neste trabalho nos dispomos a refletir sobre o processo histórico que culminou nesta situação, a partir de leituras marxistas. Desta maneira, relacionaremos o marxismo, campo e a educação enquanto aparelho ideológico em favor do Estado capitalista. Discutimos aqui o processo de acumulação primitiva, que expulsou o homem da terra o obrigando a vender sua força de trabalho nas grandes cidades industriais, gerando assim, uma nova ordem social imposta pelo capital. Para a manutenção desta ordem, a burguesia lançou e vem lançando mão de diversos artifícios, dentre eles leis que impediam, no período da acumulação primitiva, o retorno ao campo, leis trabalhistas, que foram e vem sendo modificadas no decorrer da história e que permanecem em vigência e a educação, que figura, até o presente momento, como aparelho ideológico do Estado que faz com os indivíduos vejam sua integração ao processo de exploração do capital como algo natural.

Biografia do Autor

Luiz Bezerra Neto, Universidade Federal de São Carlos

Professor adjunto at the Education Department and at the Programa de Pós Graduação em Educação - PPGE/UFSCar, coordinator of the do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Educação do Campo - GEPEC/UFSCar and course Pedagogia da Terra/UFSCar. 

Jaqueline Daniela Basso, Universidade Federal de São Carlos

Master student at the Programa de Pós Graduação em Educação PPGE/UFSCar and student at the Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Educação do Campo - GEPEC/UFSCar.

Downloads

Publicado

2012-06-22

Como Citar

Neto, L. B., & Basso, J. D. (2012). MARXISMO, CAMPO E EDUCAÇÃO. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 3(2), 36–45. https://doi.org/10.9771/gmed.v3i2.9451