Marx e Engels: a relação intelectual revisitada a partir de uma perspectiva ecológica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.45509

Palavras-chave:

Marx-Engels-Gesamtausgabe (Mega), metabolismo, crise ecológica, dialética da natureza, Marxismo Ocidental

Resumo

O Marxismo Ocidental assume frequentemente a divisão intelectual do trabalho entre Marx e Engels. Conforme tal perspectiva, este último especializou-se no campo da “natureza”, enquanto o primeiro analisou particularmente a “sociedade” humana. No entanto, este binário natureza-sociedade não se sustenta mais: novos materiais publicados recentemente pelo projeto Marx-Engels-Gesamtausgabe (Mega) mostram que Marx também estudou de modo intenso as ciências naturais, principalmente em seus últimos anos de vida. Porém, houve uma tentativa de Engels em subestimar a importância da pesquisa científica natural de Marx. Estimulado pelas expressivas discussões sobre a ecologia de Marx entre os ecossocialistas, este artigo visa explicitar o escopo teórico da crítica ecológica de Marx ao capitalismo com base no projeto Mega. Em contraste com John Bellamy Foster e Paul Burkett, que não reconhecem nenhuma diferença significativa entre Marx e Engels no que diz respeito à ecologia, argumentamos que através da Mega é possível identificar elementos únicos da ecologia de Marx que são distintas daquelas apresentadas por Engels em aspectos centrais. A crítica ecológica de Engels, desenvolvida principalmente em A ideologia alemã e no Manifesto comunista, durante a década de 1840, permaneceu dentro do esquema do “antagonismo entre a cidade e o campo”, e esta perspectiva foi mantida em Dialética da natureza e no Anti-Dühring na década de 1870. Por outro lado, Marx, depois de ler a sétima edição de Agricultural Chemistry de Justus von Liebig em 1865/66, desenvolveu sua teoria da “ruptura metabólica”, que vai para além da ideia bastante estática do “antagonismo entre a cidade e o campo”. Após 1868, Marx estudou ainda mais entusiasticamente várias disciplinas das ciências naturais, como química, geologia e botânica, a fim de examinar a (in)sustentabilidade do modo de produção capitalista, cujo desejo ilimitado de valorização do capital acentua de forma inevitável graves desequilíbrios em várias esferas do planeta. Particularmente, os cadernos de excertos sobre as obras de Carl Fraas e Joseph Beete Juke documentam que os interesses ecológicos de Marx estiveram sempre expansão até o último momento de sua vida. Marx não foi capaz de integrar seus novos conhecimentos de ciências naturais, mas hoje o projeto Mega finalmente lança mais luz sobre esses aspectos ecológicos desconhecidos da crítica de Marx à economia política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kohei Saito, Osaka City University

Professor associado de economia política na Universidade de Osaka e estudioso do pensamento de Karl Marx, particularmente no que diz respeito à natureza. É membro do Conselho editorial internacional do Marx-Engels-Gesamtausgabe (Mega). Dentre as suas publicações se destacam O ecossocialismo de Karl Marx: capital, natureza e a crítica inacabada à economia política (Boitempo, 2021), que recebeu o prêmio Deutsche Memorial em 2018, e editor do livro Reexamining Engels’s Legacy in the 21st Century (Palgrave, 2021). O seu livro Hitoshinsei no Shironron [Capital in the Anthropocene], de 2020, é um best-seller no Japão. Em dezembro de 2020 foi condecorado com o prestigioso prêmio da Sociedade japonesa para a promoção da ciência pelas suas notáveis contribuições à pesquisa científica. Orcid: http://orcid.org/0000-0003-1928-8799. E-mail: koheisaito@gmail.com.

Referências

BURKETT, Paul. Marxism and ecological economics: toward a red and green political economy. Leiden: Brill, 2006.

CARVER, Terrell. Marx & Engels: the intellectual relationship. Brighton: Wheatsheaf, 1983.

CLARK, Brett; YORK, Richard. Rifts and shifts. Monthly Review, v.60, n.6, p.13-24, 2008.

ENGELS, Friedrich. Anti-Dühring. In: Marx and Engels collected works, vol. 25. Moscow: Progress Publishers, [1878] 1987a.

ENGELS, Friedrich. Dialectics of nature. In: Marx and Engels collected works, vol. 25. Moscow: Progress Publishers, [1878] 1987b.

ENGELS, Friedrich. The housing question. In: Marx and Engels collected works, vol. 23. Moscow: Progress Publishers, [1872-73] 1988.

FOSTER, John Bellamy. Marx’s ecology: materialism and nature. New York: Monthly Review Press, 2000.

FOSTER, John Bellamy. Marx and the rift in the universal metabolism of nature. Monthly Review, v.65, n.7, p.1-19, 2013.

FOSTER, John Bellamy; YORK, Richard; CLARK, Brett. The ecological rift: capitalism’s war on the Earth. New York: Monthly Review Press, 2011.

FOSTER, John Bellamy; BURKETT, Paul. Marx and the Earth: an anti-critique. Leiden: Brill, 2016.

FRAAS, Carl. Ackerbaukrisen und ihre Heilmittel. Leipzig: Brockhaus, 1866.

JORDAN, Zbigniew A. The evolution of dialectical materialism. London: Macmillan, 1967.

LUKÁCS, Georg. History and class consciousness. London: Merlin Press, 1971.

MARX, Karl. Grundrisse. London: Penguin Books, 1973.

MARX, Karl. Capital, vol.1. London: Penguin Books, 1976.

MARX, Karl. Capital, vol.2. London: Penguin Books, 1978.

MARX, Karl. Capital, vol.3. London: Penguin Books, 1981.

MARX, Karl. Das kapital (Ökonomische manuskript 1863-1865). Drittes Buch. In: Marx Engels Gesamtausgabe (MEGA2 ), vol. II/4.2. Berlin: Dietz, [1863-65] 1992.

MARX, Karl; ENGELS, Frederich. Manifesto of the Communist Party. In: Marx Engels collected works, vol. 6. London: Lawrence & Wishart, 1976.

MARX, Karl; Engels, Friedrich. Letters 1860-64. In: Marx and Engels collected works, vol. 41. Moscow: Progress Publishers, 1985.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Letters 1864-68. In: Marx and Engels collected works, vol. 42. Moscow: Progress Publishers, 1987.

MARX, Karl; ENGELS, Frederich. Preface to the second russian edition of the Manifesto of the Communist Party. In: Marx and Engels collected works, vol.24. New York: International Publishers, 1989.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Letters 1880-83. In: Marx and Engels collected works, vol. 46. London: Lawrence & Wishart, 1992.

MOORE, Jason W. Capitalism in the web of life. London: Verso, 2015.

SMITH, Neil. Uneven development. Athens: The University of Georgia Press, 2008.

STANLEY, John L. Mainlining Marx. Piscataway: Transaction, 2002.

WENDLING, Amy E. Karl Marx on technology and alienation. New York: Palgrave, 2009.

ŽIŽEK, Slavoj. Ecology. In: TAYLOR, Astra (ed.). Examined life: excursions with contemporary thinkers. New York: The New Press, 2009. p.155-83.

Downloads

Publicado

2021-09-17

Como Citar

Saito, K. (2021). Marx e Engels: a relação intelectual revisitada a partir de uma perspectiva ecológica. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 13(2), 20–38. https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.45509