Implicações políticas da educação física na construção da Base Nacional Comum Curricular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.43339

Palavras-chave:

BNCC, educação física, políticas públicas, reforma currícular

Resumo

O artigo analisa a inserção da Educação Física na formulação da BNCC da educação infantil e ensino fundamental. O objetivo é discutir as implicações políticas da construção ativa desta política a partir de depoimentos de especialistas que participaram do processo. Concluímos que a aposta nos avanços conquistados pela incorporação, ao documento, de termos oriundos do paradigma cultural revelou-se prejudicada em face dos determinantes políticos e econômicos da BNCC, e que os avanços foram muito parciais, podendo, ao contrário, gerar retrocessos em virtude da adoção acrítica daquelas expressões sem uma rigorosa compreensão dos seus significados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe De Marco Pessoa, Instituto Federal de Santa Catarina

Mestre em Educação. Técnico em Assuntos Educacionais lotado na Coordenadoria Pedagógica do Campus IFSC Palhoça Bilíngue.

Luciana Pedrosa Marcassa, Universidade Federal de Santa Catarina

Docente do Departamento de Metodologia de Ensino do Centro de Ciências da Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (MEN/CED/UFSC), e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFSC). Trabalha e estuda a formação de professores de Educação Física e também as políticas educacionais para a Educação Básica, com enfoque na relação juventude, trabalho e educação. É líder do TMT/ Núcleo de Estudos sobre as Transformações no Mundo do Trabalho (UFSC/CNPq). Link do grupo: dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1617630968658640

Referências

ALGEBAILE, Eveline. A expansão escolar em reconfiguração. Revista Contemporânea de Educação, v. 8, n. 15, p. 200-218, jan./jul. 2013.

BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o desenvolvimento mundial: o Estado num mundo em transformação. Washington, DC: Banco Mundial, 1997.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Persona, 2004.

BRACHT, Valter. Cultura Corporal, Cultura de Movimento ou Cultura Corporal de Movimento? In: SOUZA JÚNIOR, Marcílio. Educação Física Escolar: teoria e política curricular, saberes escolares e proposta pedagógica. Recife: EDUPE, 2005.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. 4ª versão. Dezembro de 2017, 470p.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do Ensino da Educação Física. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

COUTINHO, Carlos Nelson. Marxismo e política: a dualidade de poderes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 1994.

DE MELO, Adriana Almeida. Mudanças na educação básica no capitalismo neoliberal de Terceira Via no Brasil. In: MARTINS, André; NEVES, Lucia (Org.). Educação Básica: tragédia anunciada? São Paulo: Xamã, 2015

EVANGELISTA, Olinda; LEHER, Roberto. Todos pela educação e o episódio Costin no MEC: a pedagogia do capital em ação na política educacional brasileira. Trabalho necessário, ano 10, n. 15, p.1-29, 2012.

FREITAS, Luiz Carlos. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educação e Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-1114, out/dez, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v35n129/0101-7330-es-35-129-01085.pdf. Acesso em: 23 de maio 2018.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. V. 1. 10.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. V. 3. 6.ed. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

LAZZAROTTI FILHO, Ari et al. O termo práticas corporais na literatura científica brasileira e sua repercussão no campo da Educação Física. Movimento, Porto Alegre, v. 16, n. 01, p. 11-29, 2010.

LENIN, Vladimir. O esquerdismo: doença infantil do comunismo. Expressão Popular, São Paulo, 2014, 176 p.

LIBÂNEO, José Carlos. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012.

MICHEL, Maria Helena. Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

NEIRA, Marcos Garcia. Teorias pós-críticas da educação: subsídios para o currículo da Educação Física. DIALOGIA, p. 195-206, 2012.

PRONKO, Marcela. O Banco Mundial no campo internacional da educação. In: PEREIRA, João; PRONKO, Marcele (Org.). A demolição de direitos: um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e a saúde (1980-2013). Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 2014, p. 89 - 112.

SAVIANI, Dermeval. Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. Movimento, Rio de Janeiro, ano 3, n. 4, 2016.

Downloads

Publicado

2021-09-17

Como Citar

Pessoa, F. D. M., & Marcassa, L. P. (2021). Implicações políticas da educação física na construção da Base Nacional Comum Curricular. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 13(2), 874–887. https://doi.org/10.9771/gmed.v13i2.43339