Juventude e educação no contexto do desemprego crônico na Espanha e no Brasil

Autores

  • Mauro Titton Universidade Federal de Santa Catarina
  • Adriana D'Agostini Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v11i1.31474

Palavras-chave:

Desemprego, Educação, Crise Estrutural do Capital, Juventude.

Resumo

O artigo aborda a juventude no contexto do desemprego crônico na Espanha e no Brasil. Busca demonstrar como o desenvolvimento da crise estrutural do sistema capitalista e suas estratégias, como a criação dos organismos internacionais, os ajustes estruturais e a destruição das forças produtivas através das expropriações e da exploração ampliam o desemprego crônico, ao invés de reduzi-lo, como anunciado. Para a juventude, a Espanha tenta contornar a situação prioritariamente por duas políticas públicas: LOMCE e Garantía Juvenil; o Brasil segue a mesma lógica destas políticas, através da reforma do Ensino Médio e o programa Projovem, por exemplo. Apesar das estratégias comuns e dos investimentos elevados, a situação persiste e as políticas focais em voga não são suficientes sequer para amenizar a situação. Nesse contexto estreitam-se as possibilidades para a juventude projetar seu futuro.

Biografia do Autor

Mauro Titton, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Educação. Professor do Departamento de Metodologia de Ensino do Centro de Ciências da Educação da UFSC.

Adriana D'Agostini, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Educação. Professora do Departamento de Estudos Especializados em Educação do Centro de Ciências da Educação.

Referências

BERNAL AGUDO, José Luis. Análisis crítico del modelo de evaluación de la LOMCE. Avances en Supervisión Educativa, (23). 2015. Disponível em <https://avances.adide.org/index.php/ase/article/view/27/28>, acesso em 12 Fev. 2018.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. Prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 de nov. de 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc59.htm> Acessado em: 20 jan. 2018.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996: Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 15 jan. 2018.

BRASIL. Secretaria de Governo – Presidência da República. Projovem. Brasília. 2007. Disponível em : <http://www.secretariadegoverno.gov.br/noticias/2007/09/not02_05092007>, acesso em: 09/02/2018.

CJE – Consejo de la Juventud de España. ¿Cómo está el tema sobre políticas públicas de juventud? s/d. Disponível em <http://www.cje.org/en/our-work/politicas-publicas-de-juventud/como-esta-el-tema/como-esta-el-tema-sobre-politicas-publicas-de-juventud/>, acessado em 09/02/2018.

COMISÍON EUROPEA. Compreender las políticas de la Unión Europea: la unión económica y monetária y el euro. Luxemburgo: Oficina de Publicaciones de la Unión Europea, 2015.

CONDE, Soraya Franzoni; MARCASSA, Luciana Pedrosa; TITTON, Mauro; VENDRAMINI, Célia Regina. Escola, trabalho e perspectiva de futuro de jovens estudantes. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 12, n. 4, out./dez. 2017.

ESPAÑA. Ministerio de Empleo y Seguridad Social. Nota de Prensa del Gabinete de Comunicación. Madrid: s/d. Disponível em <http://prensa.empleo.gob.es/WebPrensa/downloadFile.do?tipo=documento&id=3.204&idContenido=2.825>, acessado em 05/02/2018.

ESPAÑA. Ministério de Sanidad, Servicios Sociales e Igualdad. Plan Nacional de Implantación de la Garantía Juvenil en España. Madrid, 2013. Disponível em <http://www.empleo.gob.es/ficheros/garantiajuvenil/documentos/plannacionalgarantiajuvenil_es.pdf>, acessado em 12/01/2018.

ESPAÑA. Ministério de Sanidad, Servicios Sociales e Igualdad. Situación actual del empleo juvenil en España. Equipo de Investigación: Fundación Novia Salcedo. Bilbao, 2013b. p.58. Disponível em: <http://www.injuve.es/sites/default/files/Estudio%20situacion%20actual%20del%20empleo%20juvenil%20en%20Espa%C3%B1a.pdf>, acesso em 12/01/2018.

FONTES, Virgínia. O Brasil e o Capital Imperialismo: teoria e história. 2 ed. Rio de Janeiro: EPSJV/Editora UFRJ, 2010.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2017/IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 2017.

INE. Instituto Nacional de Estadistica. Tasas de Paro. 2017. Disponível em <http://www.ine.es/infografias/tasasepa/desktop/tasas.html?t=0&lang=es>, acessado em 22 de fevereiro de 2018.

KUENZER, Acácia Z. O Ensino Médio agora é para vida: entre o pretendido, o dito e o feito. In: Educação & Sociedade, v. 31, n. 70 – Campinas –SP, 2000.

KUENZER, Acácia Z. O Ensino Médio no Plano Nacional de Educação 2011 – 2020: superando a década perdida? In: Educação & Sociedade, v. 31, n. 112 – Campinas, 2010.

LEÃO, Geraldo; NONATO, Symaira Poliana. Políticas públicas, juventude e desigualdades sociais: uma discussão sobre o ProJovem Urbano em Belo Horizonte. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 04, p. 833-848, out./dez., 2012.

MÉSZÁROS, István. Para além do Capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

MONTORO, Xabier Arrizabalo. Capitalismo y Economia Mundial: bases teóricas y análisis empírico para la compreensión de los problemas económicos del siglo XXI. 2 ed. Madrid: IME/ARCIS/UdeC, 2016.

PORTAL LOENTIENDO. Erasmus+, más oportunidades de empleo en 2018.Disponível em <https://loentiendo.com/erasmus-plus/>, acessado em 08 de janeiro de 2018.

RUMMERT, Sônia Maria; ALGEBAILE, Eveline; VENTURA, Jaqueline. Educação e formação humana no cenário de integração subalterna no capital-imperialismo. In: SILVA, Mariléia Maria da; QUARTIERO, Elisa Maria; EVANGELISTA, Olinda (organizadoras). Jovens, trabalho e educação: a conexão subalterna de formação para o capital. Campinas: Mercado das Letras, 2012, p.15-70.

SILVA, Mariléia Maria da; QUARTIERO, Elisa Maria. Jovens Pobres no Município de Florianópolis: Trabalho, Qualificação e Precariedade. 2015. Disponível em <http://gepeto.ced.ufsc.br/files/2015/03/artigo_marileia_e_elisa_quartiero_unisinos20111.pdf>, acesso: 09/02/2018.

SILVA, Mariléia Maria da; QUARTIERO, Elisa Maria; EVANGELISTA, Olinda (Orgs). Jovens, trabalho e educação: a conexão subalterna de formação para o capital. Campinas: Mercado das Letras, 2012.

SILVA, Mariléia Maria da. Entre “plano b” e “saídas de emergência”: percursos e expectativas profissionais de jovens trabalhadores/as. IN: Revista Trabalho Necessário, ano 13, número 21. RJ: UFF 2015. Disponível em:http://www.uff.br/trabalhonecessario/images/TN_21/6_Artigo.pdf acesso em: 29/2/2016

TARABINI, A., MONTES, A. La agenda política contra el abandono escolar prematuro en España: la LOMCE contra las evidencias internacionales. Avances en Supervisión Educativa. Revista nº 23. Junio, 2015.

WORLD BANK. World Bank consultations on the new education sector strategy for 2010-2020 in Brazil. 2011. Disponível em: Acessado em: 11 de junho de 2017.

ZUCK, Débora Villetti. Educação na América Latina: desigualdade e reforma educativa no Brasil, Chile, México e Venezuela. In: Anais do 6º Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais. 2014. Disponível em <http://docplayer.com.br/11362384-Educacao-na-america-latina-desigualdade-e-reforma-educativa-no-brasil-chile-mexico-e-venezuela.html>, acesso em 02 de setembro de 2017.

Downloads

Publicado

2019-09-16

Como Citar

Titton, M., & D’Agostini, A. (2019). Juventude e educação no contexto do desemprego crônico na Espanha e no Brasil. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 11(1), 54–73. https://doi.org/10.9771/gmed.v11i1.31474