Aniversario y balance

Autores

  • José Carlos Mariátegui Marxist Internet Archives

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v10i3.30753

Palavras-chave:

Balanço, Amauta, Mariátegui

Resumo

Amauta llega con este número a su segundo cumpleaños. Estuvo a punto de naufragar al noveno número, antes del primer aniversario. La admonición de Unamuno -"revista que envejece, degenera"- habría sido el epitafio de una obra resonante pero efímera. Pero Amauta no había nacido para quedarse en episodio, sino para ser historia y para hacerla. Encarar con esperanza el porvenir. De hombres y de ideas, es nuestra fuerza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Carlos Mariátegui, Marxist Internet Archives

José Carlos Mariátegui, nasceu em 14 de junho de 1894, em Moquegua, Peru, seus pais: Javier Francisco Mariátegui y Requejo e Maria Amalia La Chira Ballejos. Em 1909, com 15 anos de idade começa  a trabalhar como entregador, linotipista e corretor de provas no jornal La Prensa. Dois anos após ingressar no jornal, envia anonimamente um um artigo para o editor, que o publica para a surpresa de Mariátegui. A partir de então, passa a trabalhar na redação do jornal. De 1912 a 1916 executa um trabalho essencialmente jornalístico, colaborando com diversas revistas peruanas. Em 1916 torna-se redator-chefe e cronista político do jornal El Tiempo, publicação considerada "liberal", "maximalista" e "bolchevique".

Em 1918, abandona o pseudônimo  de Juan Croniquer e funda juntamente com outros companheiros a revista Nuestra Época, aonde anuncia oficialmente sua mudança de estilo e sua nova posição socialista. Em seguida á criação da revista participa da criação do Comitê de Propaganda e Organização Socialista, que veio a se tornar o primeiro Partido Socialista do Peru.

Em 14 de maio de 1919, ajuda a fundar o jornal La Razón, que pretendia ser a "voz do povo" peruano, o primeiro periódico independente de esquerda do país. Com o golpe dado por Augusto Leguía em 4 de julho de 1919, La Razón é proibido de circular. Entretanto, Mariátegui não é preso mas sim convidado para ir à Europa "servir" o governo peruano. O golpista Augusto Leguía é viúvo de Julia Swayne y Mariátegui, prima-irmã do pai de Mariátegui. Ao aceitar o "convite" Mariátegui provocou a crítica de uma boa parcela da esquerda peruana. Mesmo atacado e acusado de ter se "vendido" ao ditador, ele vai à Europa, sem criar vínculos ideológicos nem manter nenhum compromisso mais profundo com o governo, retornando ao Peru apenas no ano de 1923.

Em janeiro de 1924 é preso ao participar de uma reunião entre intelectuais e alunos universitários. Nesta época colaborava intensamente com vários futuros dirigentes da APRA (Alianza Popular Revolucionaria Americana), com estudantes e com líderes do movimento operário.

Em setembro de 1926, publica o primeiro número da revista Amauta - palavra quéchua que significa sacerdote, sábio. Publicação destinada a divulgar as artes e as idéias socialistas, na qual colaboram os mais importantes intelectuais de vanguarda do Peru, assim como opositores deportados pelo regime de Leguía. Anos mais tarde, o próprio Mariátegui começará a ser chamado também de "Amauta" pelos intelectuias progressistas e socialistas de todo o continente.

Downloads

Publicado

2019-05-12

Como Citar

Mariátegui, J. C. (2019). Aniversario y balance. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 10(3), 323–325. https://doi.org/10.9771/gmed.v10i3.30753