Mundialização do Capital e Políticas Públicas: implicações na Educação Superior

Autores

  • Tania da Costa Fernandes Universidade Estadual de Londrina
  • Maria Nilse Favato Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v10i3.28587

Palavras-chave:

Mundialização do capital, Políticas públicas, Educação superior.

Resumo

Resumo: O artigo apresenta uma análise da influência da mundialização do capital nas políticas de Estado, especialmente nas políticas educacionais da educação superior, que tem intensificado o caráter restritivo da formação: orientada para o atendimento das demandas do capital em detrimento do conteúdo propedêutico e humanista. Constitui-se numa pesquisa bibliográfica, orientada pela abordagem do materialismo histórico-dialético. Seus resultados demonstram como a mundialização do capital tem compelido a uma alteração nos objetivos dos sistemas e processos educacionais, que, sob a égide do ideário neoliberal – e apesar de alguns esforços por desenvolver concepções educacionais emancipadoras, calcadas numa concepção de universidade que valoriza o tripé ensino, pesquisa e extensão –, tem sido prioritariamente formadora de força de trabalho e, portanto, pouco atenta para as outras dimensões que formam a plenitude das capacidades humanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tania da Costa Fernandes, Universidade Estadual de Londrina

Doutora em Educação pela PUC/SP. Professora e Pesquisadora do Departamento de Educação, área de Políticas e Gestão da Educação e do Programa de Pós-Graduação – Mestrado em Educação, da Universidade Estadual de Londrina - UEL/Paraná-Brasil. Líder do Grupo de Pesquisa/CNPQ Políticas Públicas, Currículo, Gestão e Sociedade. Coordenadora do Programa de Estudos Complementares em Currículo e Gestão da Educação (PROEGE), da UEL. Coordenadora do Projeto de Pesquisa Políticas de Gestão na Educação Superior: um estudo sobre a legislação e os órgãos de gestão e colegiados superiores, da UEL.Diretora Geral do Colégio de Aplicação da UEL.E-mail: fernandestc@uol.com.br; taniafernandes@uel.br

Maria Nilse Favato, Universidade Estadual de Londrina

Graduada em Pedagogia. Especialista em Docência na Educação Superior. Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Londrina- UEL/PR. Pesquisadora em Políticas públicas para educação superior.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 18a. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, 2002.

______. Lei nº 11.096, de 13 de janeiro 2005. Institui o Programa Universidade para Todos - PROUNI, regula a atuação de entidades beneficentes de assistência social no ensino superior; altera a Lei no 10.891, de 9 de julho de 2004, e dá outras providências. Brasília: DOU, 2005. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2016.

______. Ministério da Educação. Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior - FIES. Brasília: MEC, 1999. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2016.

______. Presidência da República, Câmara da Reforma do Estado. Plano Diretor da Reforma do Aparelho de Estado. Brasília, 1995. Disponível em: <http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/publicacoes-oficiais/catalogo/fhc/plano-diretor-da-reforma-do-aparelho-do-estado-1995.pdf/view>. Acesso em: 29 jan. 2017.

______. Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais. As 15 maiores economias do mundo Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão. Disponível em: <http://www.funag.gov.br/ipri/index.php/servidores/47-estatisticas/94-as-15-maiores-economias-do-mundo-em-pib-e-pib-ppp>. Acesso em: 28 jan. 2017.

BEHRING, Elaine Rossetti; BOSCHETTI, Ivanete. Política Social: fundamentos e história. São Paulo: Cortez, 2008.

CHESNAIS, François. A Mundialização do Capital. São Paulo: Xamã, 1996.

CUÉLLAR, Javier Pérez (Org.). Nossa diversidade criadora: relatório da Comissão Mundial de Cultura e desenvolvimento. Campinas, SP: Papirus; Brasília: Unesco, 1997.

DELORS, Jacques. Educação um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez; Brasília: MEC: UNESCO, 1999.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Os Circuitos da História e o Balanço da Educação no Brasil na Primeira Década do Século XXI. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 46, p. 235-274, jan.-abr. 2011.

GASPAR, Ronaldo Fabiano dos Santo; FERNANDES, Tania da Costa. Mercantilização e Oligopolização no Ensino Superior Provado. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v.39, n.3, p. 945-966, jul./set. 2014. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/edu_realidade>.

HARVEY, David. A opressão via capital. In: O novo imperialismo. São Paulo: Edições Loyola, 2009.

LÊNIN, Vladimir Ilyich Ulyanov. O Estado e a revolução: o que ensina o marxismo sobre o Estado e o papel do proletariado na Revolução. SP: Hucitec, 1983.

MELO, Marcelo Paula de; FALLEIROS, Ialê. Reforma da aparelhagem estatal: novas estratégias de legitimação social. In: NEVES, L. M. W. A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo. Xamã, 2005.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo: Boitempo; Campinas, SP: Editora UNICAMP, 2002.

NETTO, José Paulo. Capitalismo monopolista e serviço social. 3. ed. ampl. São Paulo: Cortez, 2001.

NOMA, Amélia Kimiko; CZERNISZ, Eliane Cleide da Silva. Trabalho, educação e sociabilidade na transição do século XX para o século XXI: o enfoque das políticas educacionais. In: Souza, José dos Santos; Araújo, Renan. (Org.). Trabalho Educação e Sociabilidade. 01 ed. Maringá: Editora Praxis/Editora Massoni, 2010, v. 01, p. 193-210.

PANIAGO, Maria Cristina Soares. Keynesianismo, neoliberalismo e os antecedentes da ‘crise’ do Estado. In: MELO, Edivânia. PANIAGO, Maria Cristina Soares Paniago; ANDRADE, Mariana Alves. Marx, Meszáros e o Estado. São Paulo: Instituto Lukács. 2012.

PAULANI, Leda. Brasil Delivery: servidão financeira e estado de emergência econômico. São Paulo: Boitempo, 2008.

Downloads

Publicado

2019-05-12

Como Citar

Fernandes, T. da C., & Favato, M. N. (2019). Mundialização do Capital e Políticas Públicas: implicações na Educação Superior. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 10(3), 155–168. https://doi.org/10.9771/gmed.v10i3.28587