CRÍTICA DO IMPERIALISMO E DA REFORMA CURRICULAR BRASILEIRA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: EVIDÊNCIA HISTÓRICA DA IMPOSSIBILIDADE DA LUTA PELA EMANCIPAÇÃO DA CLASSE TRABALHADORA DESDE A ESCOLA DO ESTADO

Autores

  • Rosa Maria Correa das Neves Fundação Oswaldo Cruz Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Laboratório de Iniciação Científica na Educação Básica (Lic-Provoc) http://orcid.org/0000-0003-1372-0384
  • Cláudia Lino Piccinini Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Filosofia e Ciências Humanas Faculdade de Educação COLEMARX - Coletivo de Estudos em Marxismo e Educação http://orcid.org/0000-0002-6796-2330

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v10i1.26008

Palavras-chave:

imperialismo, monopólio, escola do Estado, internacionalismo proletário

Resumo

A publicação da Base Nacional Comum Curricular que pretende alcançar a educação básica brasileira é parte de reformas contemporâneas que expressam interesses e modo de ação de monopólios brasileiros. Esse evento contribui para desnudar o equívoco teórico e prático que reivindica a escola nacional do Estado burguês como disputável, pela via democrática, numa direção emancipadora da classe trabalhadora, no sentido marxista do termo, ou seja, revolucionária. A investigação específica que fundamenta nossa análise sobre a BNCC iniciou em 2015, com a coleção de posições, através da qual concluímos que seu autor tem sido o Movimento Pela Base, associação de grupos empresariais brasileiros cuja natureza somente pudemos decifrar, recorrendo a análise de Lênin, publicada em 1917, sobre o capitalismo, em sua fase contemporânea - Imperialismo, fase superior do capitalismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosa Maria Correa das Neves, Fundação Oswaldo Cruz Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Laboratório de Iniciação Científica na Educação Básica (Lic-Provoc)

Pesquisadora da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fundação Oswaldo Cruz, RJ, Brasil. Membro do Laboratório de Iniciação Científica na Educação Básica, se dedicando a estudos comparados de pedagogias específicas em educação científica, organização da atividade científica, trabalho científico na contemporaneidade e efeitos e tendências na carreira e iniciação de cientistas na área da saúde e da educação.

Cláudia Lino Piccinini, Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Filosofia e Ciências Humanas Faculdade de Educação COLEMARX - Coletivo de Estudos em Marxismo e Educação

Professora e Pesquisadora da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Didática, RJ, Brasil.  Pesquisadora do COLEMARX - Coletivo de Estudos em Marxismo e Educação. Experiência na área de Ciências Humanas. Interesses de pesquisa:  políticas educacionais, mudanças no trabalho e na formação de professores.

Referências

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Terceira versão. Brasília: MEC, 2017. Disponível em <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/pdf/1_BNCC-Final_Introducao.pdf>. Acesso em: 20 set. 2017.

CAVICCHIOLI. L’ottobre e il motore della guerra. Ottobre 1917; 100 anni, 100 militanti della revoluzione. Milano, Edizioni Lotta Comunista, 2017, p. 55-59.

CERVETTO, Arrigo. Lênin e a revolução chinesa. Niterói, Edições Intervenção Comunista, 2008.

FREITAS, Luiz C. de. MEC: travessia para nenhum lugar. Disponível em: <https://avaliacaoeducacional.com/2016/05/17/mec-travessia-para-nenhum-lugar/>. Acesso em: 10 jun.2016.

FUNDAÇÃO DOM CABRAL. Ranking das multinacionais brasileiras - 2017. Disponível em:< http://www.fdc.org.br/professoresepesquisa/nucleos/Documents/negocios_internacionais/2017/Ranking_FDC_Multinacionais_2017.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2017.

FUNDAÇÃO LEMANN. Relatório Anual 2016. Disponível em: <http://www.fundacaolemann. org.br/wp-content/uploads/2014/10/RA2016_lemann_ PDF-interativo_web-1.pdf>. Acesso em 17 mar. 2018.

HANDFAS, Anita. Uma leitura crítica das pesquisas sobre as mudanças nas condições capitalistas de produção e a educação do trabalhador. (Tese de Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006, 152p.

LA BARBERA, Guido. O lance iraniano da Turquia e do Brasil surpreende a velha ordem. In: A nova fase estratégica. Niterói: Edições Intervenção Comunista, 2015, p.141-145.

LA BARBERA, Guido. Lotta Comunista; il modello bolscevico, 1965-1995. Milano, Edizioni Lotta Comunista, 2015.

LÊNIN, V.L. (1916). O oportunismo e a falência da II Internacional. Disponível em: < https://www.marxists.org/portugues/Lênin/1916/01/falencia.htm>. Acesso em: 13 dez. 2017.

LÊNIN, V.L. (1917). Imperialismo, fase superior do capitalismo. Lisboa: Edições Avante, 1975.

LÊNIN, V.L. (1917). Imperialismo, fase superior do capitalismo. Disponível em: <https://www.marxists.org/portugues/Lênin/1916/imperialismo/index.htm>. Acesso em: 20 jan 2017.

LÊNIN, V.L. (1917b) Carta ao CC, ao CM, ao CP e aos Membros Bolcheviques dos Sovietes de Petrogrado e Moscovo. Disponível em: <https://www.marxists.org/portugues/Lênin/1917/10/14-01.htm>. Acesso em: 20 jan. 2017.

LÊNIN, V.L. Sobre a importância do ouro agora e depois da vitória completa do socialismo. IN: CERVETTO, Arrigo. Lênin e a revolução chinesa. Niterói, Edições Intervenção Comunista, 2008. p.89-96.

LOTTA COMUNISTA. Ascensão do capital financeiro brasileiro. A ascensão do imperialismo brasileiro. Niterói, Edições Intervenção Comunista, 2011, p. 81-85.

MARTINS, Erika M. Todos pela Educação? Como os empresários estão determinando a política educacional brasileira. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Lamparina, 2016.

MARX, Karl. Manifesto de lançamento da Associação Internacional dos Trabalhadores. In: MARX, K e ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo, Martins Claret, 2007.

PIMENTEL, Diego A.; AYMAR, Iñigo Macías; LAWSON, Max. Compensem o trabalho, não a riqueza. OXFAM Internacional, 2018. Disponível em:<https://www.oxfam.org.br/noticias/super-ricos-estao-ficando-com-quase-toda-riqueza-as-custas-de-bilhoes-de-pessoas>. Acesso em: 10 jan. 2018.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX, 2009.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX, 2013.

PORTUGAL, Adriana D. Considerações acerca da atual produção de conhecimento de inspiração marxista em Filosofia da Educação: uma perspectiva marxista. Rio de Janeiro: PROPED, UERJ (Dissertação de Mestrado), 2008, 111p.

RUDENKO, Gueorgui. O que é o imperialismo? IN: LÊNIN, V.L. (1917). Imperialismo, fase superior do capitalismo. Lisboa: Edições Avante, 1975.

VALOR ECONÔMICO. Família mais rica do Brasil fez US$13 bilhões com o sonho do nióbio. Publicado em 13 de março de 2013. Disponível em: <http://www.valor.com.br/carreira/3043494/familia-mais-rica-do-brasil-fez-us-13-bilhoes-com-o-sonho-do-niobio>. Acesso em janeiro de 2015.

SANTOS, João Vitor. Em um Brasil sem diálogo, escola vira arena para disputas. IU-Online, Revista do Instituto Humanitas da UNISINOS, São Leopoldo, n.516. p. 23-29. Disponível em: <http://www.ihuonline.unisinos.br/media/pdf/IHUOnlineEdicao516.pdf>. Acesso em dezembro de 2017.

WIZIACK, Julio e CARNEIRO, Mariana. China acelera plano de expansão no Brasil e na América Latina. Jornal Folha de São Paulo, 1 de fevereiro de 2018.

Downloads

Publicado

2018-05-29

Como Citar

Neves, R. M. C. das, & Piccinini, C. L. (2018). CRÍTICA DO IMPERIALISMO E DA REFORMA CURRICULAR BRASILEIRA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: EVIDÊNCIA HISTÓRICA DA IMPOSSIBILIDADE DA LUTA PELA EMANCIPAÇÃO DA CLASSE TRABALHADORA DESDE A ESCOLA DO ESTADO. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 10(1), 184–206. https://doi.org/10.9771/gmed.v10i1.26008