A gramática do chavismo: entre a pulsão socialista e o redentorismo popular. notas de investigação

Autores

  • Ramon Casanova Mattera Universidad Central de Venezuela

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v9i3.24644

Palavras-chave:

Chavismo, crise do capitalismo rentista, imaginário social, identidade política, hipóteses comunista, republicanismo, redentorismo, socialismo, massas, subproletariodo, movimentos sociais, patrimonialismo.

Resumo

O texto reúne notas de uma investigação em curso em torno do significado do chavismo no ciclo político aberto na sociedade venezuelana desde o final dos anos 90. Esboça hipóteses, linhas de análise e campo de observação para uma interpretação sociológica do mesmo, valorizando o sujeito coletivo que mobiliza, os imaginários sociais e as tradições intelectuais que lhes conferem identidade política. Assim, o considera como uma expressão da crise histórica do padrão de modernização capitalista ligado as lógicas sociais que produzem a economia rentista do petróleo. Contextualizado, dessa maneira, avalia-se como uma condensação política das contradições de tal padrão, registrando sua evolução no interior da tensão entre uma pulsão socialista e um redentorismo popular. Conclui perguntando se o chavismo mais do que uma alternativa não segue sendo parte do tempo deste padrão de desenvolvimento, correspondendo simplesmente ao momento da crise dos meios institucionais que controlavam as classes subalternas e neutralizavam sua potencialidade conflitiva, atualizando, além de tudo, o patrimonialismo latinoamericano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ramon Casanova Mattera, Universidad Central de Venezuela

Sociólogo. Doctor en Estudios del Desarrollo. Profesor e investigador titular del Centro de Estudios del Desarrollo de la Universidad Central de Venezuela.

Downloads

Publicado

2017-12-16

Como Citar

Casanova Mattera, R. (2017). A gramática do chavismo: entre a pulsão socialista e o redentorismo popular. notas de investigação. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 9(3), 29–45. https://doi.org/10.9771/gmed.v9i3.24644