EDUCAÇÃO DE CLASSE E DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL NO BRASIL: A ESCOLA NOVA E O DISCURSO DA PSICOTÉCNICA

Autores

  • Elisabete Gonçalves de Souza Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.9771/gmed.v8i2.14866

Palavras-chave:

Escola Nova, Empresário industriais, Educação, Hegemonia

Resumo

Discute o pensamento pedagógico e social da Escola Nova relacionando-o com o projeto liberal-industrializante que entrou em curso no Brasil na década de 1930 impulsionado pelos industriais paulistas. Objetiva mostrar a adesão dos industriais aos fundamentos da Escola Nova, às teses de homogeneização cultural tendo em vista a consolidação da ideologia industrialista e de seu projeto de sociedade Em termos teóricos e metodológicos trata-se de uma pesquisa pautada nas análises Gramsci sobre Estado, sociedade civil e hegemonia. Avança analisando como as lideranças empresariais, imprimiram sua direção às elites políticas, escamoteando seus interesses sob a ótica da neutralidade cientifica ensejada em discursos em prol da modernidade capitalista, entendida pelos pioneiros da educação nova e seus aliados como a única saída para retirar o Brasil de seu atraso histórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisabete Gonçalves de Souza, Universidade Federal Fluminense

Professora do Departamento de Ciência da Informação. Realiza estudos e pesquisas nas áreas de história da educação, informação, cultura e sociedade.

 

Downloads

Publicado

2016-12-29

Como Citar

Souza, E. G. de. (2016). EDUCAÇÃO DE CLASSE E DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL NO BRASIL: A ESCOLA NOVA E O DISCURSO DA PSICOTÉCNICA. Germinal: Marxismo E Educação Em Debate, 8(2), 125–137. https://doi.org/10.9771/gmed.v8i2.14866