Monitoramento Tecnológico da Planta Cagaita (Eugenia dysenterica) e Aplicações Biotecnológicas Potenciais

Autores

  • Paolo Lucas Rodrigues-Silva Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil; Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília, DF, Brasil https://orcid.org/0000-0002-4228-0157
  • Gabriella Cavalcante Amorim Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil; Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília, DF, Brasil
  • Isadora Emanoela Pereira Costa Andrade Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil
  • Victor Albuquerque Cunha Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil
  • Luciana Harumi Morimoto Figueiredo Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília, DF, Brasil
  • Maria Fatima Grossi-de-Sa Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil; Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília, DF, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v14i4.38459

Palavras-chave:

Propriedade Intelectual, Cagaita, Prospecção Tecnológica.

Resumo

O bioma Cerrado ocupa cerca de 23% da área brasileira e é considerado o segundo maior bioma do Brasil. Possui cerca de 4.800 espécies endêmicas, incluindo a espécie frutífera Eugenia dysenterica DC. (cagaita). Rica em nutrientes, esta espécie possui potencial econômico no Brasil por possuir ações diretamente relacionadas à saúde humana. O presente estudo realizou o monitoramento tecnológico dos conhecimentos e das tecnologias geradas, utilizando a espécie E. dysenterica, no período de 2009-2019. Os dados demostraram que durante esse período foram encontrados para esta espécie 77 dissertações, 21 teses, 97 artigos científicos e duas patentes depositadas. Uma análise mais detalhada demonstrou que parte do conhecimento e das tecnologias geradas está concentrada na área de biotecnologia ambiental (35,9%), seguida pela biotecnologia industrial (28,3%), biotecnologia da saúde (22,8%) e biotecnologia vegetal (13%). Assim, o artigo analisa e discute o potencial a ser explorado em relação à E. dysenterica para o desenvolvimento de produtos biotecnológicos de interesse comercial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paolo Lucas Rodrigues-Silva, Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil; Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília, DF, Brasil

Mestre em Ciências Genômicas e Biotecnologia pela Universidade Católica de Brasília em 2020.

Gabriella Cavalcante Amorim, Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil; Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília, DF, Brasil

Mestranda em Ciências Genômicas e Biotecnologia pela Universidade Católica de Brasília. Bacharela em Ciências Biológicas pela Universidade Católica de Brasília em 2019.

Isadora Emanoela Pereira Costa Andrade, Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil

Mestranda em Ciências Genômicas e Biotecnologia pela Universidade Católica de Brasília. Bacharela em Ciências Biológicas pela Universidade Católica de Brasília em 20191Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Victor Albuquerque Cunha, Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil

Mestrando em Ciências Genômicas e Biotecnologia pela Universidade Católica de Brasília. Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Católica de Brasília em 2019. 

Luciana Harumi Morimoto Figueiredo, Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília, DF, Brasil

Doutora em Biotecnologia e Biodiversidade pela Universidade de Brasília em 2017. Pesquisadora da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

 

Maria Fatima Grossi-de-Sa, Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil; Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília, DF, Brasil

PhD em Biologia Molecular pela Université Paris VII – França em 1987. Pesquisadora da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

 

Referências

ALVES, M. R. País demora 11 anos para aprovar patentes. 2015. Disponível em: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,pais-demora-11-anos-para-aprovar-patentes,1693427. Acesso em: 11 dez. 2019.

ALVES, M. C.; SOARES, J. K. B.; FREITAS, J. C. R. Inovação e produção científica acerca da Phyllanthus niruri Linn.: uma análise prospectiva. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 14, n. 1, p. 223-241, 2021.

AVIDOS, M. F. D.; FERREIRA, L. T. Frutos dos Cerrados. Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento, [s.l.], v. 3, n. 15, p. 36-41, 2000.

ÁVILA, R. I. et al. Eugenia dysenterica DC. (Myrtaceae) exerts chemopreventive effects against hexavalent chromium-induced damage in vitro and in vivo. Pharmaceutical Biology, [s.l.], v. 54, n. 11, p. 2.652-2.663, 2016.

BAILÃO, E. F. L. C. et al. Bioactive compounds found in Brazilian Cerrado fruits. International Journal of Molecular Sciences, [s.l.], v. 16, n. 10, p. 23.760-23.783, 2015.

BRASIL. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/topicos/11181054/artigo-2-da-lei-n-9985-de-18-de-julho-de-2000. Acesso em: 16 dez. 2019.

BRASIL. Lei n. 13.123, de 20 de maio de 2015. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 de maio de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13123.htm. Acesso em: 16 dez. 2019.

BRASIL. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: https://mooc.campusvirtual.fiocruz.br/rea/medicamentos-da-biodiversidade/politica_nacional_fitoterapicos.pdf. Acesso em: 3 maio 2020.

BRASIL. Relatório anual de atividades de P&D. Brasília, DF: Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, 2014. p. 1-86. Disponível em: https://brasil.abgi-group.com/wp-content/uploads/2018/01/Relatorio-mct-2014.pdf. Acesso em: 12 abr. 2020.

CARDOSO, L. M. et al. Cagaita (Eugenia dysenterica DC.) of the Cerrado of Minas Gerais, Brazil: Physical and chemical characterization, carotenoids and vitamins. Food Research International, [s.l.], v. 44, n. 7, p. 2.151-2.154, 2011.

CATÁLOGO DE TESES E DISSERTAÇÕES [Base de dados – Internet]. Catálogo de teses e dissertações da Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. 2020. Disponível em: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/. Acesso em: 3 maio 2020.

CERRATINGA. Cagaita: Espécie do Cerrado. 2020. Disponível em: http://www.cerratinga.org.br/cagaita/. Acesso em: 11 jun. 2020.

CLARIVATE ANALYTICS. Derwent Innovations Index on Web of Science. 2019. Disponível em: https://clarivate.com/webofsciencegroup/solutions/webofscience-derwent-innovation-index/. Acesso em: 3 dez. 2019.

CLARIVATE ANALYTICS. Web of Science Platform: Web of Science Core Collection. 2020. Disponível em: https://clarivate.libguides.com/webofscienceplatform/WoScc. Acesso em: 3 maio 2020.

CLEMENTINO, S. E. et al. Voltammetric and spectrophotometric determination of antioxidant activity of Eugenia dysenterica DC leaves extracts. Pakistan Journal of Pharmaceutical Sciences, [s.l.], v. 29, n. 2, p. 535-540, 2016.

CONCEIÇÃO, G. M.; ARAGÃO, J. G. Diversidade e importância econômica das Myrtaceae do Cerrado, Parque Estadual do Mirador, Maranhão. Scientia Plena, [s.l.], v. 6, n. 7, p. 1-8, 2010.

CORREIA, A. F. et al. Activity of crude extracts from Brazilian Cerrado plants against clinically relevant Candida species. BMC Complementary and Alternative Medicine, [s.l.], v. 16, n. 1, p. 203, 2016.

COSTA, C. R. R. et al. In vitro evaluation of Eugenia dysenterica in primary culture of human gingival fibroblast cells. Brazilian Oral Research, [s.l.], v. 33, n. 0, p. e035, 2019.

DANG, J.; MOTOHASHI, K. Patent statistics: A good indicator for innovation in China? Patent subsidy program impacts on patent quality. China Economic Review, [s.l.], v. 35, p. 137-155, 2015.

DFCD – DEPARTAMENTO DE FLORESTAS E DE COMBATE AO DESMATAMENTO. Balanço de execução 2018. [2018]. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-temporarias/externas/56a-legislatura/politicas-para-integracao-meio-ambiente-e-economia/expedientes-recebidos/ric-1577-2019-ministerio-do-meio-ambiente. Acesso em: 16 jan. 2020.

DONADO-PESTANA, C. M. et al. Cagaita fruit (Eugenia dysenterica DC.) and obesity: Role of polyphenols on already established obesity. Food Research International, [s.l.], v. 103, p. 40-47, 2018.

DUTTA, S.; LANVIN, B.; WUNSCH-VINCENT, S. Global Innovation Index 2020: Who Will Finance Innovation? 13. ed. Ithaca: Fontainebleau and Geneva, 2020.

ESPACENET. [Base de dados – Internet]. European Patent Office, 2020. Disponível em: https://lp.espacenet.com/?locale=pt_LP. Acesso em: 3 maio 2020.

ETZKOWITZ, H.; ZHOU, C. Hélice Tríplice: Inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Estudos Avançados, [s.l.], v. 31, n. 90, p. 23-48, 2017.

FARIA, R. X. et al. Composição compreendendo extrato vegetal de espécies dos gêneros Eugenia, Neomithrantes, e/ou Manilkara e seu uso. Patente do Brasil. BR102016015604. Concessão: 2016. Disponível em: https://patentimages.storage.googleapis.com/03/fb/5f/d63b797746e5b8/BR102016015604A2.pdf. Acesso em: 3 maio 2020.

FERREIRA-NUNES, R. et al. Versatile chromatographic method for catechin determination in development of topical formulations containing natural extracts. Biomedical Chromatography: BMC, [s.l.], v. 32, n. 2, p. e4062, 2018.

FIGUEIREDO, L. H. M.; SCARIOT, A.; VASCONCELLOS, A. G. Monitoramento tecnológico de uma importante espécie do Cerrado: Caryocar brasiliense. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 34, n. 1, p. 11-35, 2017.

FRANKELIN, M. F. et al. Phytochemical, nutritional and pharmacological properties of unconventional native fruits and vegetables from Brazil. Phytochemicals in Vegetables: A Valuable Source of Bioactive Compounds, [s.l.], p. 444-472, 2018.

GALHEIGO, M. R. U. et al. Antidiarrhoeic effect of Eugenia dysenterica DC (Myrtaceae) leaf essential oil. Natural Product Research, [s.l.], v. 30, n. 10, p. 1.182-1.185, 2016.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. [Base de dados – Internet]. INPI, 2020. Disponível em: https://busca.inpi.gov.br/pePI/jsp/patentes/PatenteSearchBasico.jsp. Acesso em: 3 maio 2020.

LIMA, T. B. et al. União Brasiliense de Educação e Cultura. Peptídeo, composições medicamentosas contendo dito peptídeo para tratamento e/ou profilaxia de distúrbios da motilidade intestinal em mamíferos, e usos de dito peptídeo. Patente do Brasil. BRPI1004527. Concessão: 2010. Disponível em: https://patentimages.storage.googleapis.com/b4/53/87/4b4e228acc7692/BRPI1004527A2.pdf. Acesso em: 3 maio 2020.

MONTEIRO, J. Z. Q. O financiamento à infraestrutura de pesquisa e sua relação com a produção científico-acadêmica e a qualificação dos cursos de pós-graduação stricto sensu. 2018. 161f. Dissertação (Mestrado) – Fundação Getúlio Vargas Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Rio de Janeiro, 2018.

MOREIRA, L. C. et al. In vitro safety and efficacy evaluations of a complex botanical mixture of Eugenia dysenterica DC. (Myrtaceae): Prospects for developing a new dermocosmetic product. Toxicology in Vitro: an International Journal Published In Association With BIBRA, [s.l.], v. 45, n. 3, p. 397-408, 2017.

MOTA, C. S. et al. Parameters of Physiology, Nutrition and quality of Eugenia dysenterica DC seedlings grown in organic substrates from the agricultural industry. Journal of Agricultural Science, [s.l.], v. 10, n. 1, p. 73, 2017.

MOTA, C. S. et al. Physiology and quality of Eugenia dysenterica DC seedlings grown in vermiculite and rice husk-based substrates. Revista Brasileira de Fruticultura, [s.l.], v. 40, n. 1, p. 1-10, 2018.

PATENTSCOPE. [Base de dados – Internet]. Patentscope – WIPO; 2020. Disponível em: https://patentscope.wipo.int/search/pt/search.jsf. Acesso em: 3 maio 2020.

PEREZ, J. F. Pesquisa: a construção de novos paradigmas. São Paulo em Perspectiva, [s.l.], v. 16, n. 4, p. 30-35, 2002.

PRADO, L. C. S. et al. The gastroprotective effects of Eugenia dysenterica (Myrtaceae) leaf extract: the possible role of condensed tannins. Biological & Pharmaceutical Bulletin, [s.l.], v. 37, n. 5, p. 722-730, 2014.

REIS, A. F.; SCHMIELE, M. Características e potencialidades dos frutos do Cerrado na indústria de alimentos. Brazilian Journal of Food Technology, [s.l.], v. 22, p. 1-12, 2019.

RIAL, R. C. et al. Evaluation of oxidative stability of soybean methyl biodiesel using extract of cagaite leaves (Eugenia dysenterica DC.) as additive. Renewable Energy, [s.l.], v. 152, p. 1.079-1.085, 2020.

RIBEIRO, E. M. G. et al. An overview on Cagaita (Eugenia dysenterica DC) macro and micro components and a technological approach. Food Industry, [s.l.], p. 3-22, 2013.

RIBEIRO, J. F. et al. Espécies arbóreas de usos múltiplos da região do cerrado: caracterização botânica, uso potencial e reprodução. In: CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE SISTEMAS AGROFLORESTAIS, 1994, Porto Velho. Anais [...]. Porto Velho: Colombo, 1994, p. 522.

RODRIGUES, M. T. A biodiversidade dos Cerrados: conhecimento atual e perspectivas, com uma hipótese sobre o papel das matas de galerias na troca faunística durante ciclos climáticos. In: SCARIOT, A.; SOUSA-SILVA, J. C. (org.). Cerrado: Ecologia, Biodiversidade e Conservação. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 2005. p. 235-246.

RODRIGUES-SILVA, P. L. et al. Tendências quanto ao conhecimento e às aplicações biotecnológicas do Psidium guineense evidenciadas pelo monitoramento tecnológico. Cadernos de Ciência & Tecnologia, [s.l.], v. 38, n. 1, p. e26704, 2021.

ROESLER, R. et al. Atividade antioxidante de frutas do cerrado. Ciência e Tecnologia de Alimentos, [s.l.], v. 27, n. 1, p. 53-60, 2007.

SANO, E. E. et al. Mapeamento da cobertura vegetal natural e antrópica do bioma Cerrado por meio de imagens Landsat ETM+. In: ANAIS XIV SIMPOSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 2009, Natal. Anais [...]. Natal: INPE, 2009. p. 1.199-1.206.

SCARIOT, A.; RIBEIRO, J. F. Boas Práticas de Manejo para o Extrativismo Sustentável da Cagaita. 1. ed. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2015. v. 1.

SILVA, M. M. M. Estudo do desenvolvimento fisiológico da Cagaita (Eugenia dysenterica). 2016. 119f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Goiás, Escola de Agronomia (EA), Goiânia, 2016.

SILVA, S. M. M. et al. Wound healing effect of essential oil extracted from Eugenia dysenterica DC (Myrtaceae) leaves. Molecules, [s.l.], v. 24, n. 1, p. 16, 2018.

SILVA, S. M. M. et al. Emulsion incorporating Eugenia dysenterica aqueous extract entrapped in chitosan microparticles as a novel topical treatment of cutaneous infections. Journal of Drug Delivery Science and Technology, [s.l.], v. 55, n. 101372, p. 1-11, 2020.

SILVA, S. M. M. et al. Eugenia dysenterica Mart. Ex Dc. (Cagaita): Planta brasileira com potencial terapêutico. Infarma – Ciências Farmacêuticas, [s.l.], v. 27, n. 1, p. 49, 2015.

SOUZA, D. A. Demora na concessão de patentes desestimula a inovação industrial. 2015. Disponível em: https://www.amcham.com.br/noticias/inovacao/demora-na-concessao-de-patentes-desestimula-a-inovacao-industrial-8115.html. Acesso em: 24 mar. 2021.

SOUZA, P. M. et al. Inhibitory activity of α-amylase and α-glucosidase by plant extracts from the Brazilian Cerrado. Planta Medica, [s.l.], v. 78, n. 4, p. 393-399, 2012.

SOUZA, R. S. Instituição científica, tecnológica e de inovação (ICT): aspectos operacionais, contábeis e financiamento de pesquisas em CT&I. 2017. 48f. Monografia (Graduação) – Universidade de Brasília, Ciências Contábeis, Brasília, 2017.

STRASSBURG, B. B. N. et al. Moment of truth for the Cerrado hotspot. Nature Ecology and Evolution, [s.l.], v. 1, n. 4, p. 13-15, 2017.

THOMAZ, D. V. et al. Antioxidant and neuroprotective properties of Eugenia dysenterica leaves. Oxidative Medicine and Cellular Longevity, [s.l.], v. 2018, p. 1-9, 2018.

VANTAGE POINT. Vantagepoint. Versão 11 pro 64. 2020. Disponível em: http://thevantagepoint.com. Acesso em: 3 maio 2020.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Rodrigues-Silva, P. L., Amorim, G. C., Andrade, I. E. P. C., Cunha, V. A., Figueiredo, L. H. M., & Grossi-de-Sa, M. F. (2021). Monitoramento Tecnológico da Planta Cagaita (Eugenia dysenterica) e Aplicações Biotecnológicas Potenciais. Cadernos De Prospecção, 14(4), 1248–1264. https://doi.org/10.9771/cp.v14i4.38459

Edição

Seção

Prospecções Tecnológicas de Assuntos Específicos