Indicação Geográfica para o Dendê da Bahia: uma possibilidade

Autores

  • Valdir Silva Conceição Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil
  • Angela Machado Rocha Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil
  • Marcelo Santana Silva Instituto Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v14i2.33014

Palavras-chave:

Culinária baiana, Azeite de dendê, Valença

Resumo

A planta do dendê gera diversos subprodutos, tanto no segmento artesanal quanto na gastronomia, como o azeite, utilizado para fazer vatapá, acarajé, abará, que são produtos comercializados pelas baianas que se vestem a caráter e possuem representatividade em termos turísticos. A sua produção está inserida na região denominada Costa do Dendê, na Bahia, e, no município de Valença, o azeite de dendê possui um processo produtivo artesanal, manufatureiro e pouco mecanizado, o que gera ocupação para diversas pessoas. O presente artigo tem como objetivo demonstrar o potencial da viabilidade da solicitação do registro de uma IG para o azeite de dendê de Valença, que possui alguns requisitos, como: a notoriedade, o saber-fazer, um órgão representativo e a qualidade do produto. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica. Concluiu-se que o azeite de dendê possui potencial para se tornar uma IG.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdir Silva Conceição, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil

Estudante do Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação

Angela Machado Rocha, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil

Professora do Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação

Professora do Instituto de Ciências da Saúde - ICS

Marcelo Santana Silva, Instituto Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil

Professor do Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação.

Professor do IFBA

Referências

ADPIC. Acordo sobre aspectos dos direitos de propriedade intelectual relacionados ao comércio. [1994]. Disponível em: https://bit.ly/3kraEgv. Acesso em: 9 out. 2020.

BASTOS, T. X. Aspectos agroclimáticos do dendezeiro na Amazônia Oriental. In: VIEGAS, I. de M.; MÜLLER, A. A. A cultura do dendezeiro na Amazônia brasileira. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental; Manaus, AM: Embrapa Amazônia Ocidental, 2000. p. 48-60.

BENTES, E. S.; HOMM, A. K. O. Importação e exportação de óleo e palmiste de dendezeiro no Brasil (2010–2015). [2016]. Disponível em: https://bit.ly/38DDR5G. Acesso em: 10 out. 2020.

BOLINI, E. V. Controle sanitário do azeite de dendê (Elaeis guineenses Jacquin) industrializado no estado da Bahia. 2012. 97 f. Dissertação (Mestrado em saúde Coletiva) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012. Disponível em: https://bit.ly/32HecVX. Acesso em: 4 ago. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativas à propriedade industrial. Disponível em: https://bit.ly/3qeFN9P. Acesso em: 11 nov. 2020.

BRUCH, K. L. Indicações geográficas para o Brasil: problemas e perspectivas. In: PIMENTEL, L. O.; BOFF, S. O.; DEL'OLMO, F. S. (org.). Propriedade intelectual: gestão do conhecimento, inovação tecnológica no agronegócio e cidadania. 1. ed. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2008.

CALLIARI, M. A. C. et al. Proteção às indicações geográficas: a experiência brasileira. In: SEMINÁRIO LATINO-IBEROAMERICANO DE GESTION TECNOLÓGICA-ALTEC, 12., 2007, Buenos Aires. Anais [...]. Buenos Aires, 2007. Disponível em: https://bit.ly/32FJi03. Acesso em: 9 out. 2020.

CAMPOS, A. T. A proteção das indicações geográficas nos países do Mercosul. 2018. 207 f. Dissertação (Mestrado em Propriedade Intelectual e Inovação) – Instituto Nacional da Propriedade Industrial, Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3npScH6. Acesso em: 13 nov. 2020.

CARVALHO, G. R.; DIAS, A. B. Indicação geográfica no território do sisal na Bahia: possibilidades e perspectivas. GEINTEC, [s.l.], v. 2, n. 4, p. 365-377, 2012. Disponível em: https://bit.ly/3kAOc4p. Acesso em: 13 nov. 2020.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de pesquisa em Administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

COSTA, L. S. I. Indicação Geográfica: a indicação de procedência para o azeite de dendê produzido em Valença, Bahia. 2013. 43 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Economia) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013. Disponível em: https://bit.ly/35qJrpV. Acesso em 4 ago. 2020.

CUNHA, L. S. I. Indicação Geográfica: a Indicação de Procedência para o azeite de dendê produzido em Valença, Bahia. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Economia) Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013. 43 f. Disponível em: https://bit.ly/2IuMQLw. Acesso em: 9 out. 2020.

D’ALEXANDRIA, M. A. B.; SILVA, A. S.; SOUZA, W. C. Dendê de Valença e guaraná de Taperoá: potenciais de indicação geográfica no território do Baixo Sul da Bahia. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 8, n. 2, p. 375-382, abr.-jun. 2015. Disponível em: https://bit.ly/35plUpb. Acesso em: 4 ago. 2020.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades. [2019]. Disponível em: https://bit.ly/3pneLOg. Acesso em: 4 ago. 2020.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Guia básico: indicação geográfica. [2019]. Disponível em: https://bit.ly/32HeiNj. Acesso em: 4 ago. 2020.

INPI – INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Pedidos de indicação geográfica. 2020. Disponível em: https://bit.ly/385j1eu. Acesso em: 11 nov. 2020.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do trabalho científico. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1992.

LEVERMANN, R. A.; SOUZA, P. M. Óleo de palma: o crescimento da indústria global. 2014. Disponível em: https://bit.ly/35r2kcd. Acesso em: 10 out. 2020.

LODY, R. Bahia bem temperada: cultura gastronômica e receitas tradicionais. São Paulo: Senac, 2013.

LODY, R. G. M. O dendê e a comida afro-brasileira. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Centro de Estudos Folclóricos, 1977. n. 43.

MAIORKI, G. J.; DALLABRIDA, V. R. A indicação geográfica de produtos: um estudo sobre sua contribuição econômica no desenvolvimento territorial. Interações, Campo Grande, v. 16, n. 1, p. 13-25, jan.-jun. 2015.

NUNES, A. Produção de dendê cai, preço sobe 146% e há risco de faltar óleo do acarajé. [2020]. Disponível em: https://bit.ly/3pniJ9J. Acesso em: 11 nov. 2020.

OLIVEIRA, M. Doze municípios concentram produção baiana do dendê. [2011]. Disponível em: https://bit.ly/32IdbwS. Acesso em: 9 out. 2020.

POKU, K. Processamento de óleo de palma em pequena escala na África. Roma, 2002. Disponível em: https://bit.ly/38y9mOu. Acesso em: 4 ago. 2020.

REIS, M. S. Avaliação da estabilidade oxidativa de azeite de dendê, submetido ao armazenamento acelerado, na presença de extrato da casca de cebola (Allium cepa L.). 2017. 71 f. Dissertação (Mestrado em Química) – Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2017. Disponível em: https://bit.ly/2Umuqz1. Acesso em: 4 ago. 2020.

REIS, L. L. M.; CUNHA, L. S. I.; COUTO, V. A. Dendê de Valença, Bahia: Indicação de Procedência. [2014]. Disponível em: https://bit.ly/36CgFlM. Acesso em: 9 out. 2020.

REZENDE, A. A. et al. Contribuições para a Indicação Geográfica (IG): considerações sobre Buerarema – BA como uma potencial IG para farinha de mandioca. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 8, n. 4, p. 791-800, out.-dez. 2015. Disponível em: https://bit.ly/2KUtKj1. Acesso em: 4 ago. 2020.

SANTOS, E. A. Caracterização de dendezeiros subespontâneos com base na produção de frutos e cachos. 2010. 74 f. Dissertação (Mestrado em Produção vegetal) – Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2010. Disponível em: https://bit.ly/2IzK08j. Acesso em: 4 ago. 2020.

SANTOS, W. P. C. (org.). Propriedade intelectual [Recurso eletrônico on-line]. Salvador, BA: IFBA, 2019.

SEBRAE. Indicações geográficas: guia de respostas. Porto Alegre: SEBRAE/RS, 2006.

SOUZA, J. Dendê. Out. 2000. Disponível em: https://bit.ly/3lqnqNG. Acesso em: 4 ago. 2020.

SEI – SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Território de Identidade. [2019]. Disponível em: https://bit.ly/2K34Z3M. Acesso em: 4 ago. 2020.

VAINSENCHER, S. A. Dendê: Pesquisa Escolar Online. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 2008. Disponível em: https://bit.ly/3lxT388. Acesso em: 9 out. 2020.

Downloads

Publicado

2021-04-01

Como Citar

Conceição, V. S., Rocha, A. M., & Silva, M. S. (2021). Indicação Geográfica para o Dendê da Bahia: uma possibilidade. Cadernos De Prospecção, 14(2), 648. https://doi.org/10.9771/cp.v14i2.33014

Edição

Seção

Indicações Geográficas