Contribuições para Indicação Geográfica (IG): considerações sobre Itororó – BA como uma potencial IG para Carne de Sol

Autores

  • Joelito Cruz Santos Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia, Salvador, BA, Brasil
  • Wagna Piler Carvalho dos Santos Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia, Salvador, BA, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.9771/cp.v12i1.27215

Palavras-chave:

Indicação Geográfica, Carne de Sol, Itororó.

Resumo

Este trabalho tratou de identificar as características associadas da carne de sol produzida no município de Itororó, Bahia, Brasil, com o objetivo de demonstrar a potencialidade de registro de Indicação Geográfica (IG) para o território abrangido pelo município. A pesquisa foi dividida em duas partes, diferenciação do produto e a determinação de área de indicação geográfica. Feita a revisão bibliográfica, foram comparadas as ações, as características existentes no município em questão, assim como as características em relação ao produto. Conclui-se que há a potencialidade de o território do município de Itororó, BA obter a proteção industrial pela Indicação Geográfica para o produto alimentício "carne do sol".

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joelito Cruz Santos, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia, Salvador, BA, Brasil

Formação Superior em Tecnologia Mecânica, Pós graduado em Gerenciamento de Projetos, Mestrando em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia, Professor do IFBA.

Referências

BRANDÃO, A. C. et al. Confiança e agregação de valor em carnes com indicação geográfica. Arq. Bras. Med. Vet. Zotec., [S.l.], v. 64, n. 2, p. 458-464, 2012.

BRASIL. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Lei de Propriedade Intelectual. Regular direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/l9279.htm Acesso em 18 mai. 2018.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA. Norma Interna DAS n. 04, de 16 de dezembro de 2013. MAPA, Secretaria de Defesa Agropecuária, 2013.

CÂMARA MUNICIPAL DE ITORORÓ. [2014]. Disponível em: <http://www.camara.itororo.ba.io.org.br/historia>. Acesso em: 20 maio 2018.

COSTA, E. R. C. As Indicações Geográficas como Elementos Fortalecedores para a Atividade Turística. Turismo: Estudos & Práticas (RTEP/UERN), Mossoró, RN, v. 3, n. 1, p. 25-50. 2014. Disponível em: <http://periodicos.uern.br/index.php/turismo/article/download/1073/588>. Acesso em: 6 jul. 2018.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Metodologia de avaliação de impactos econômicos, sociais e ambientais para indicações geográficas. 2014. Disponível em: <http://www.embrapa.br/uva-e-vinho>. Acesso em: 1º set. 2018.

FONTE, L. C. C.; DALLABRIDA, R. V. Governança territorial em experiências de indicação geográfica: Análises e prospecções. DRd – Desenvolvimento Regional em debate, [S.l.], v. 6, n. 2, ed. esp., p. 228-246, 2016. Disponível em: <http://www.periodicos.unc.br/index.php/drd/issue/view/41>. Acesso em: 22 maio 2018.

GUIMARÃES FILHO, E.; SILVA, G. C. P. Indicação geográfica, uma certificação estratégica para os produtos de origem animal da agricultura familiar do semiárido. Rev. Econ. NE, Fortaleza, v. 45, p. 114-123, 2014. Disponível em: <http://edi.bnb.gov.br/content/aplicacao/publicacoes/ren-numeros_publicados/docs/ren_2014_10_clovis_v2.pdf>. Acesso em: 22 maio 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Biblioteca IBGE. [2016]. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/bahia/itororo.pdf>. Acesso em: 22 maio 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Instrução Normativa n. 25/2013 – Estabelece as condições para o registro das indicações geográficas. [2013]. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2018.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Indicadores de Propriedade Industrial 2018: o uso do sistema de propriedade industrial no Brasil. Diretoria Executiva. Assessoria de Assuntos Econômicos. 2018a. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/sobre/estatisticas/arquivos/pagina-inicial/indicadores-de-propriedade-industrial-2018_versao_portal.pdf>. Acesso em: 5 jun. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL. (INPI). [2018b]. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br>. Acesso em: 5 jul. 2018.

MUCHNIK, J.; BIÉNABE, E.; CERDAN, C. Food identity/food quality: insights from the "coalho" cheese in the Northeast of Brazil. Anthropology of food, Local Foods, v. 4, 2005. Disponível em: <https://journals.openedition.org/aof/110>. Acesso em: 7 jul. 2018.

MAIORKI, G. J.; DALLABRIDA, V. R. A indicação geográfica de produtos: um estudo sobre sua contribuição econômica no desenvolvimento territorial. Interações, [S.l.], v. 16, n. 1, p. 13-25, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/inter/v16n1/1518-7012-inter-16-01-0013.pdf>. Acesso em: 6 jul. 2018.

NASCIMENTO, N. J.; DALLABRIDA, R. V. Direito e desenvolvimento territorial: as questões legais que envolvem a indicação geográfica de produtos e serviços no Brasil e no exterior. 2012. Disponível em: <https://seer.faccat.br/index.php/coloquio/article/download/388/326>. Acesso em: 20 maio 2018.

NEIVA, A. C. G. R.; SERENO, J. R. B.; FIORAVANTI, M. C. S. Indicação geográfica na conservação e agregação de valor ao gado curraleiro da comunidade Kalunga. Arq. Bras. Med., [S.l.], Vet. Zotec., 2011.

REZENDE, A. A. et al. Contribuições para indicação geográfica (IG): considerações sobre Buerarema – Ba como um potencial IG para farinha de mandioca. Cad. Prospec., [S.l.], v. 8, n. 4, p. 791-800, 2015.

RUSSO, S. L. et al. organizadores. Propriedade intelectual, tecnologias e sociedade. São Cristóvão: Editora UFS, 2016. 332 p.

SANTANA, F. A. Turismo como vetor de desenvolvimento local: o caso do Festival de Carne do Sol – FESTSOL. Itororó: Bahia. 2006.

SCHNEIDER, M.; ZILLI, J.; VIERAS,A. os impactos da indicação de procedência no desenvolvimento econômico na produção de uva, nos municípios dos vales da uva goethe - SC. Cad. Prospec., Salvador, v. 10, n. 2, p. 327-340, abr./jun. 2017..

TRIPS. Trade-Related Aspects of Intellectual Property Rights (unamended version). Morocco, 1994. Disponível em: <https://www.wto.org/english/docs_e/legal_e/27-trips_01_e.htm>. Acesso em: 7 jul. 2018.

VALENTE, R. E. M. et al. Indicação geográfica de alimentos e bebidas no Brasil e na União Europeia. Ciência Rural, [S.l.], v. 42, n. 3, p. 551-558, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cr/v42n3/a7712cr5407.pdf>. Acesso em: 20 maio 2018.

VALENTE, M. E.; PEREZ, R.; FERNANDES, R. L. O processo de reconhecimento das indicações geográficas de alimentos e bebidas brasileiras: regulamento de uso, delimitação da área e diferenciação do produto. Ciência Rural, v.43, n.7, p.1330-1336, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cr/2013nahead/a18113cr2012-0405.pdf. Acesso em 20 mai. 2018.

ZUIN, S. F.; ZUIN, B. P. Produção de alimentos tradicionais – Contribuindo para o desenvolvimento local/regional e dos pequenos produtores rurais. Taubaté, SP, Brasil. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, [S.l.], v. 4, n. 1, p. 109-127, 2008. Disponível em: <http://www.rbgdr.net/012008/artigo5.pdf>. Acesso em: 20 maio 2018.

Downloads

Publicado

2019-03-01

Como Citar

Santos, J. C., & Carvalho dos Santos, W. P. (2019). Contribuições para Indicação Geográfica (IG): considerações sobre Itororó – BA como uma potencial IG para Carne de Sol. Cadernos De Prospecção, 12(1), 231. https://doi.org/10.9771/cp.v12i1.27215

Edição

Seção

Indicações Geográficas