FORTUNA CRÍTICA EM JOSÉ DE ALENCAR ROMANCISTA E DRAMATURGO

Autores

  • Juliano Fabrício de Oliveira Maltez Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Fortuna crítica, José de Alencar, O guarani, O jesuíta

Resumo

Este artigo procura rever a posição crítica de alguns autores que se debruçaram na leitura da obra de José de Alencar, duas em particular, O guarani (1857) e O jesuíta (encenado em 1875). Destacam-se, entre estes textos críticos que abarcam dois séculos, a matriz histórica dos textos alencarianos no entendimento das relações entre história e literatura na composição do romance e do drama. Inicialmente, com Araripe Júnior e José Veríssimo, o olhar oitocentista de perspectiva naturalista somada à outra corrente, daquela que lhe parecia tão adversa: o romantismo. Depois, duas abordagens críticas que se entrelaçam de história e de literatura, em Perda das ilusões, de Valéria De Marco, como “estória romanesca que caminha para o mito”, e, no trato geral de um tema, a interpretação mais ideológica de Exilados, aliados, rebeldes, de David Treece, nas relações de escravidão e clientelismo. Ademais, um estudo de pesquisa nas fontes de jornais e arquivos, em José de Alencar e o teatro, de João Roberto Faria, em que se desmistifica o dramaturgo lido sempre a sombra do romancista, além de ressaltar o projeto para teatro brasileiro do escritor que, como no romance, teve seu seguimento histórico nos palcos. Em conclusão, com Eduardo Vieira Martin, articulam-se dois pontos que mostram correspondências entre as obras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliano Fabrício de Oliveira Maltez, Universidade de São Paulo

Doutorando pelo programa de Pós-graduação em Literatura Brasileira do Departamento de Letras Clássicas e Vernácula da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da Universidade de São Paulo.

Referências

ALENCAR, José de. “O teatro brasileiro: a propósito d’O jesuíta”. Em ALENCAR, José de. Dramas. Edição preparada por João Roberto Faria. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

_______. “Benção Paterna”. Em ALENCAR, José de. Sonhos d’ouro. São Paulo: Ática, 1951.

ARARIPE JÚNIOR, Tristão de Ataíde. Perfil literário de José de Alencar. Disponível em www.academiacearensedeletras.org.br/revista/Colecao_Dolor_Barreira/Luizinha.html (Acesso em 03/05/2020).

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira (momentos decisivos). Belo Horizonte / Rio de Janeiro: Editora Itatiaia Limitada, 2000.

COUTINHO, Afrânio (org.). A polêmica Alencar-Nabuco. Rio de Janeiro / Brasília: Tempo Brasileiro / UnB, 1978.

FARIA, João Roberto. José de Alencar e o teatro. São Paulo: Perspectiva / Editora da Universidade de São Paulo, 1987.

MAGALDI, Sábato. Panorama do Teatro Brasileiro. São Paulo, Difel, 1962.

MARCO, Valeria de. A perda das ilusões: o romance histórico de José de Alencar. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1993.

MARTINS, Eduardo Vieira. Dez estudos (e uma pequena bibliografia) para conhecer José de Alencar. Disponível em https://fflch.usp.br/sites/fflch.usp.br/files/2017-11/Jose%CC%81%20de%20Alencar.pdf (Acesso em 21/03/2020).

PRADO, Décio de Almeida. “A evolução da literatura dramática”. Em COUTINHO, Afrânio (org.). A literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Editorial Sul Americana, 1971.

ROMERO, Sílvio. História da literatura brasileira. Rio de Janeiro: B. L. Garnier – Livreiro Editor, 1888.

TREECE, Dave. Exilados, aliados, rebeldes: o movimento indianista, a política indigenista e o estado-nação imperial. São Paulo: Nankin / Edusp, 2008.

VERÍSSIMO, José. Estudos de literatura brasileira: terceira série. Rio de Janeiro / Paris: Garnier, 1903.

Downloads

Publicado

2021-09-06

Edição

Seção

Artigos