DENOMINAÇÃO, REFERENCIAÇÃO E (RE)AVALIAÇÃO DE ESSA DOENÇA MALDITA EM POSTAGENS NO FACEBOOK

Autores

  • Gustavo Haiden de Lacerda McGill University https://orcid.org/0000-0002-0470-7543
  • Edson Carlos Romualdo Universidade Estadual de Maringá
  • Renata Marcelle Lara Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.9771/ell.v0i77.55394

Palavras-chave:

Heterogeneidade, Interação, Denominar, Referenciar, Avaliar

Resumo

Este texto apresenta uma discussão acerca dos processos de denominação, referenciação e (re)avaliação na construção de sentidos para a expressão essa doença maldita, em postagens do grupo do Facebook “Profiles de Gente Morta”. Sustentado na Linguística Textual, dentro da teoria sociocognitiva-interacional, o estudo compreende tanto a nomeação quanto a referenciação como atividades discursivas que articulam o domínio linguístico ao extralinguístico, tendo em vista as práticas sociais em que se insere a interação. Ao observar a construção heterogênea do texto, especialmente as diferentes formas de intertextualidade (alusão, discurso citado, aspeamento, dêiticos de memória), mostra-se como os fenômenos de denominação, referenciação e avaliação são constituintes da construção heterogênea dos sentidos no texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Haiden de Lacerda, McGill University

Doutorando em Comunicação na McGill University, mestre em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Maringá (UEM) e graduado em Letras pela mesma instituição.

Edson Carlos Romualdo, Universidade Estadual de Maringá

Doutor em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), em Assis, SP, Brasil; professor do Departamento de Teorias Linguísticas e Literárias (DTL) e do Programa de Pós-graduação em Letras (PLE) da Universidade Estadual de Maringá (UEM), em Maringá, PR, Brasil.

Renata Marcelle Lara, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Linguística (Unicamp), com estágio pós-doutoral na UFRGS; mestre em
Educação (Unimep) e bacharel em Comunicação Social/Jornalismo (UEPG). Professora
Associada do Departamento de Fundamentos da Educação da Universidade Estadual de
Maringá (UEM) e professora do Programa de Pós-Graduação em Letras da UEM.

Referências

AUTHIER, Jacqueline. Palavras mantidas a distância. In: CONEIN, Bernard et al. (org.). Materialidades discursivas. Campinas: Editora da Unicamp, 2016. p. 201-226.

BAKHTIN, Mikhail; VOLOSHINOV, Valentin. Discurso na vida e discurso na arte (sobre a poética sociológica). Trad. Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza [para fins didáticos]. Versão da língua inglesa de I. R. Titunik a partir do original russo. 1976 [1926].

BENITES, Sonia Aparecida. Contando e fazendo a história: a citação no discurso jornalístico. Fortaleza: Arte e Ciência Editora, 2002.

BENTES, Anna Christina. Linguística textual. In: MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Anna Christina (org.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2007. p. 245-285.

BENTES, Anna Christina; FERREIRA-SILVA, Beatriz; ACCETTURI, Ana Cecília. Texto, contexto e construção da referência: programas televisivos brasileiros em foco. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 59, n. 1, p. 175-196, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8648474. Acesso em: 11 ago. 2022.

BÍBLIA. Sagrada Bíblia Católica: Antigo e Novo Testamentos. Trad. José Simão. São Paulo: Sociedade Bíblica de Aparecida, 2008.

CAVALCANTE, Mônica. Expressões referenciais: uma proposta classificatória. Cadernos de Estudos Linguísticos, n. 44, p. 105-118, 2003.

COSTA, Greciely. Denominação: um percurso de sentidos entre espaços e sujeitos. RUA, v. 18, n. 1, p. 133-147, 2012. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php /rua/article/view/8638291. Acesso em: 11 ago. 2022.

CUSTÓDIO-FILHO, Valdinar. Múltiplos fatores, distintas interações: esmiuçando o caráter heterogêneo da referenciação. 2011. 329 f. Tese. (Doutorado em Linguística) Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FERNANDES, Julianne Larens. Heterogeneidade marcada e referenciação. 2008. 111 f. Dissertação. (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

GREGOL, Fernando Arthur; SOUZA, Tatiana Fasolo; COSTA-HUBES, Terezinha. O gênero multimodal “post em Facebook” e suas configurações no ideário do Círculo de Bakhtin. Revista Educação e Linguagens, Campo Mourão, v. 9, n. 16, p. 371-386, 2020. Disponível em: https://vortex.unespar.edu.br/index.php/revistaeduclings/article/view/6561. Acesso em: 11 ago. 2022.

KOCH, Ingedore. Desvendando os segredos do texto. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

_____. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997.

MARCUSCHI, Luiz. A. Anáfora indireta: o barco textual e suas âncoras. Revista Letras, Curitiba, n. 56, p. 217-258, jul./dez. 2001.

MONDADA, Lorenza. Contruction des objets de discours et catégorisation: une approche des processus de référentiation. Revista de Letras, v. 24, n. 1/2, p. 118-130, 2002.

OLIVEIRA, Natalia. Referenciação e multimodalidade: a construção de objeto-de-discurso na articulação entre verbal e não verbal. Estudos Linguísticos, v. 44, n. 3, p. 1247-1261, 2015. Disponível em: https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/ article/view/1054. Acesso em: 11 ago. 2022.

OLIVEIRA, Pedro. Organização Mundial da Saúde declara pandemia de coronavírus. Agência Brasil, 11 mar. 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-03/organizacao-mundial-da-saude-declara-pandemia-de-coronavirus. Acesso em: 11 ago. 2022.

VOLOSHINOV, Valentin. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Sheila Grillo e Ekaterina Américo. São Paulo: Editora 34, 2018.

Downloads

Publicado

2024-06-04

Como Citar

HAIDEN DE LACERDA, G. .; ROMUALDO, E. C.; LARA, R. M. DENOMINAÇÃO, REFERENCIAÇÃO E (RE)AVALIAÇÃO DE ESSA DOENÇA MALDITA EM POSTAGENS NO FACEBOOK. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 77, p. 122–148, 2024. DOI: 10.9771/ell.v0i77.55394. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/55394. Acesso em: 20 jul. 2024.