RACISMO INSTITUCIONAL E RACISMO COTIDIANO NOS CONTOS “AS MÃOS DOS PRETOS”, DE LUÍS BERNARDO HONWANA, E “O PECADO”, DE LIMA BARRETO

Autores

  • Rogério Max Canedo UFG
  • Luciano Mendes Duarte Júnior Universidade de Brasilia

DOI:

https://doi.org/10.9771/ell.v0i76.54009

Palavras-chave:

Lima Barreto; Luís Bernardo Honwana; Racismo cotidiano; Racismo institucional.

Resumo

Este artigo tem por objetivo estabelecer uma comparação entre os contos As mãos dos pretos, do escritor moçambicano Luís Bernardo Honwana, e O pecado, do autor brasileiro Lima Barreto, denunciando o racismo institucional (ALMEIDA, 2019) e o racismo cotidiano (KILOMBA, 2019) presentes nas duas narrativas. Portanto, com base em textos teóricos que discutem, majoritariamente, racismo e literatura negra, é possível notar como a Igreja enquanto instituição surge nos contos como (re)produtora de discursos racistas que inferiorizam e excluem a população negra. Além disso, aponta-se a forma como o racismo institucional e o racismo cotidiano retroalimentam-se, sustentando a continuidade da discriminação racial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Mendes Duarte Júnior, Universidade de Brasilia

Este artigo tem por objetivo estabelecer uma comparação entre os contos “As mãos dos pretos”, do escritor moçambicano Luís Bernardo Honwana, e “O pecado”, do autor brasileiro Lima Barreto, denunciando o racismo institucional (ALMEIDA, 2019) e o racismo cotidiano (KILOMBA, 2019) presentes nas duas narrativas. Portanto, com base em textos teóricos que discutem, majoritariamente, racismo e literatura negra, é possível notar como a Igreja enquanto instituição surge nos contos como (re)produtora de discursos racistas que inferiorizam e excluem a população negra. Além disso, aponta-se a forma como o racismo institucional e o racismo cotidiano retroalimentam-se, sustentando a continuidade da discriminação racial.

Palavras-chave: Lima Barreto; Luís Bernardo Honwana; Racismo cotidiano; Racismo institucional.

Referências

ABDALA JUNIOR, Benjamin. O comparatismo literário entre os países de Língua Oficial Portuguesa: perspectivas político-culturais e reflexões comunitárias. In: PANTOJA, Selma; BERGAMO, Edvaldo A.; SILVA, Ana Cláudia da. (orgs.). África Contemporânea em Cena: perspectivas interdisciplinares. São Paulo: Intermeios, 2014.

ALMEIDA, Silvio L. de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

BARRETO, Lima. Contos completos de Lima Barreto. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. Edição Kindle.

BOSI, Alfredo. Introdução: Figuras do eu nas recordações de Isaías Caminha. In: BARRETO, Lima. Recordações do Escrivão Isaías Caminha. São Paulo: Penguin & Companhia das Letras, 2010. Edição Kindle.

CAMPOS Lilian C.; PINHO, Camila M. S. de; WILLMS, Elni E. Literatura, educação e relações étnico-raciais: uma análise do conto O pecado de Lima Barreto. Caderno de Letras, n. 40, p. 147-163, 2021.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: Vários escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2011.

CARDOSO, Laís de Almeida. Literatura, sociedade e identidade cultural: um diálogo entre “As mãos dos pretos”, de Luís Bernardo Honwana, “Por que o negro é preto?”, de Câmara Cascudo, e Macunaíma, de Mário de Andrade. Revista Crioula, v. 13, p. 1, 2013.

CHAVES, Rita de Cassia N. Desmedida: o Brasil, para além da paisagem, em Ruy Duarte de Carvalho. Remate de Males, v. 26, n. 2, p. 279-291, 2006.

CHAVES, Rita de Cassia N. Contos africanos dos países de língua portuguesa. São Paulo: Ática, 2009.

COMPAGNON, Antoine. Literatura para quê?. Trad. Laura Taddei Brandini. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

CUTI. Literatura negro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2010.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. Scripta, v. 13, n. 25, p. 17-31, 2009.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERREIRA, Manuel. Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa II. Amadora: Biblioteca Breve, 1977.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

HONWANA, Luís B. Nós matamos o Cão Tinhoso!. São Paulo: Kapulana, 2017.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019. Edição Kindle.

LIMA, Weberson de A. O conto afro-brasileiro de Lima Barreto: o narrar interno e o protagonista negro nas primeiras décadas do século XX. 2021. 89 f. Dissertação (Mestrado em Letras: Literatura, Memória e Cultura). Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí, Teresina.

LUSTOSA, Isabel. Lima Barreto em seu tempo. In: BARRETO, Lima. Recordações do Escrivão Isaías Caminha. São Paulo: Penguin & Companhia das Letras, 2010. Edição Kindle.

MARTIN, Vima L. de R. A violência do colonialismo pelo olhar de Luís Bernardo Honwana. Posfácio. In: HONWANA, Luís B. (org.). Nós matamos o Cão Tinhoso!. São Paulo: Kapulana, 2017. p. 133-137.

PROENÇA, Paulo S. de. Análise do conto “As mãos dos pretos” de Bernardo Honwana, em perspectiva Descolonizadora. LITERARTES, n. 5, p. 100-119, 2016.

SCHWARCZ, Lilia M. Lima Barreto: triste visionário. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

Downloads

Publicado

2024-06-04

Como Citar

CANEDO, R. M.; MENDES DUARTE JÚNIOR, L. RACISMO INSTITUCIONAL E RACISMO COTIDIANO NOS CONTOS “AS MÃOS DOS PRETOS”, DE LUÍS BERNARDO HONWANA, E “O PECADO”, DE LIMA BARRETO. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 76, p. 168–186, 2024. DOI: 10.9771/ell.v0i76.54009. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/54009. Acesso em: 23 jul. 2024.