A QUESTÃO DA SINONÍMIA NA TERMINOLOGIA DO BABAÇU DO MARANHÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/ell.v0i75.51315

Palavras-chave:

Sinonímia, Terminologia, Babaçu

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar os processos que motivam a sinonímia presentes na terminologia do babaçu, com base na fala das quebradeiras de coco do Maranhão. Para tanto, fundamenta-se nas discussões teóricas do estudo da sinonímia no domínio da semântica (e da terminologia. O corpus da pesquisa é constituído por textos da fala das quebradeiras de coco babaçu, de sete municípios maranhenses. Com base na análise dos dados, foi possível identificar os processos que motivam o fenômeno sinonímico na terminologia estudada, dentre eles: os processos metafóricos e os processos hiperonímicos/hiponímicos. Pretende-se com este trabalho corroborar os trabalhos que entendem que a sinonímia é um fenômeno imprescindível para a descrição da realidade terminológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Mariângela. A elaboração de um dicionário terminológico da economia: aspectos da sinonímia nos discursos especializados – SP. 2006. 136f. Tese (Doutorado em Letras) – Curso de Pós-Graduação em Filologia e Língua Portuguesa, Universidade de São Paulo, São Paulo.

AUGER, Pierre. Essai d’elaboration d’um modele terminologique/ terminographique variationniste. In: TradTerm. v. 7. São Paulo: Humanitas, 1994.

AULETE, Caldas. Novíssimo dicionário contemporâneo da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon, 2011.

BARBOSA, Maria Aparecida. Parassinonímia, funções e relatividade. Revista do GELNE/Universidade Federal do Ceará, v. 1, Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 1999.

CABRÉ, Maria Teresa. La terminología: Teoría, metodología, aplicaciones. Barcelona: Editorial Antártida/ Empúries, 1993.

CABRÉ, Maria Teresa. La terminología: representación y comunicación. Barcelona: Institut Universitari de Linguistica Aplicada – Universitat Pompeu Fabra, 1999.

CARRAZZA, Luis Roberto; SILVA, Mariane Lima da; ÁVILA, João Carlos Cruz. Manual Tecnológico de Aproveitamento Integral do Fruto do Babaçu. Brasília – DF. Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN). Brasil, 2012.

CASTRO, Yeda Pessoa de Castro. Falares Africanos na Bahia: um vocabulário afro-brasileiro. Salvador: Topbooks, 2001.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário Histórico das palavras Portuguesas de origem Tupi. São Paulo: Melhoramentos; Editora Universidade de São Paulo, 1989.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dic. Etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996.

FAULSTICH, Enilde. A socioterminologia na comunicação científica e técnica. Cienc. Cult., v. 58, n. 2, 2006.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século XXI. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

LAKOFF, George; JOHNSON, Mark. Metáforas de la vida cotidiana. Tradução de Carmen González Marín. Madrid: Ediciones Cátedra, 2015.

LOPES, Nei. Dicionário Banto do Brasil. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Centro Cultural José Bonifácio, 1993-1995.

MACHADO, José Pedro. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. 6. ed. Lisboa: Livros Horizonte, 1990. 5 v.

MARANHÃO, Francisco de Nossa Senhora dos Prazeres, Frei. Poranduba maranhense. Separata da Revista de Geografia e História, n. 1, 1946.

MICHAELIS. Moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramento, 1998.

MORAIS, Raimundo. O meu dicionário de cousas da Amazônia. Brasília: Senado Federal, 2013.

NASCENTES, Antenor. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1955. 2 v.

Novo Dicionário Lello da Língua Portuguesa. Porto: Lello Editoras, 1996.

SOUZA, Osvaldo Martins Furtado de. Caderno de Têrmos Aplicados à Agricultura. 2. ed. Recife, 1970.

STRADELLI, Ermano. Vocabulário Português-Nheengatu, Nheengatu-Português. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2014.

ULLMANN, Stephen. Uma introdução à ciência do significado. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1964.

VIEIRA FILHO, Domingos. A linguagem popular do Maranhão. São Luís: São Luís, 1979.

WÜSTER, E. Introducción a la teoría general de la terminología y a la lexicografía terminológica. Trad. de María Teresa Cabré. Barcelona: Institut Universitari de Linguistica Aplicada/Universitat Pompeu Fabra, 1998.

Downloads

Publicado

2023-10-30

Como Citar

SILVEIRA, T. S. A QUESTÃO DA SINONÍMIA NA TERMINOLOGIA DO BABAÇU DO MARANHÃO. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 75, p. 273–299, 2023. DOI: 10.9771/ell.v0i75.51315. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/51315. Acesso em: 25 jul. 2024.