DENOMINAÇÕES EM GALEGO E EM PORTUGUÊS PARA A BRINCADEIRA DE “PEGAR COM OLHOS VENDADOS”

Autores

  • Silvana Soares Costa Ribeiro Universidade Federal da Bahia
  • Jacyra Andrade Mota Universidade Federal da Bahia/CNPq
  • Aparecida Negri Isquerdo Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/CNPq

DOI:

https://doi.org/10.9771/ell.i71.48188

Palavras-chave:

Cabra-cega, Pita-cega, Brincadeiras infantis, Atlas linguísticos, Tesouro do léxico patrimonial galego e português

Resumo

O artigo analisa denominações, em galego e em português do Brasil (PB) e europeu (PE), para “a brincadeira em que uma criança, com os olhos vendados, tenta pegar as outras”, com base em dados extraídos do Tesouro do léxico patrimonial galego e português, de cinco atlas linguísticos, e de outras cinco obras originadas de trabalhos de pós-graduação. A amostra reuniu formas lexicais como cabra-cega, cobra-cega, gata-cega, pita-cega, galinha-cega, compostas, em sua maioria, com nomes de animais, razão de terem sido examinadas sob o ponto de vista motivacional, com ênfase na perspectiva do zoomorfismo. O estudo demonstrou a importância de bases lexicais que incorporam léxicos produzidos em diferentes sincronias da história da língua, o que permite a comparação, a análise da natureza linguística e das motivações semânticas identificadas na forma de nomear, no caso, a brincadeira “cabra-cega”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Soares Costa Ribeiro, Universidade Federal da Bahia

Silvana Soares Costa Ribeiro
Professor Associado IV de Língua Portuguesa - Departamento de Letras Vernáculas
Pesquisador do Projeto ALiB
Coordenador da Comissão de Informatização e Cartografia do ALiB
Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Língua e Cultura - PPGLinC

Endereço para acessar CV: http://lattes.cnpq.br/9842550682161250

Tel: 00-55-71-3283-6236
E.mail: silvanar@ufba.br

Referências

ALENCAR, Beatriz Aparecida. O léxico de brinquedos e brincadeiras infantis no estado de São Paulo, 2018, 575 f. Tese (Doutorado em Letras) Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, 2018.

ALINEI, Mário. Le due strutture del significato. In: ALINEI, Mário. Lingua e dialetti: struttura, storia e geografia. Bologna: Ed. II Mulino, 1984. p. 13-21.

ALINEI, Mário. The structure of meaning revisited. Quaderni di Semantica. Bologna, Anno I, n. 2, p. 289-305, 1980.

ALINEI, Mario. “Arc-en-ciel ”. In: Atlas Linguarum Europae. Assen-Maastricht: Van Gorcum, I, 1983. Volume I - Commentaires.

ALTENHOFEN, Cléo Vilson; KLASSMANN, Mário Silfredo (org). Atlas Linguístico-Etnográfico da Região Sul do Brasil. v. 2. Porto Alegre: Ed. da UFRGS; Florianópolis, Ed. da UFSC, 2011.

ÁLVAREZ, Rosario (coord.). Tesouro do léxico patrimonial galego e portugués. Santiago de Compostela: Instituto da Língua Galega. Disponível em: [http://ilg.usc.es/tesouro/]. Acesso em: 20 mar. 2021.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1986.

AULETE, Francisco J. Caldas; VALENTE, Antonio Lopes dos Santos. Aulete digital: Dicionário Contemporâneo de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2006. Disponível em: [http://aulete.com.br/]. Acesso em: 20 mar.2021

BALDINGER, Kurt. Língua e cultura. ALFA. Revista de Linguística. São Paulo, v. 9, p. 37-56, 1966.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. A ciência da lexicografia. Alfa, São Paulo, n. 28 (supl.), p. 1-26, 1984.

CÂMARA CASCUDO, Luís da. Dicionário do Folclore Brasileiro. São Paulo: Tecnoprint, 1972. Coleção Prestígio/Ediouro.

CARDOSO, Suzana et al. Atlas Linguístico do Brasil. Londrina: Eduel, 2014. 2 v.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB. Atlas Linguístico do Brasil: questionários 2001. Londrina: Eduel, 2001.

FRIEDMANN, Adriana. A arte de brincar: brincadeiras e jogos tradicionais. 10.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GOMES, Hagar Espanha. Manual de elaboração de tesauros monolingues. MEC/SESU/ Programa Nacional de Bibliotecas das Instituições de Ensino Superior/CAPES/MCT. Ministério da Ciência e Tecnologia, CNPq. Brasília, 1990. Disponível em: [http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002423.pdf]. Acesso em: 20 mar. 2021.

HOUAISS, Antonio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2001.

KOCH, Walter.; ALTENHOFEN, Cléo V.; KLASSMANN, Mário S. (orgs). Atlas Linguístico-Etnográfico da Região Sul do Brasil. v. 1. Porto Alegre: Ed. da UFRGS; Florianópolis: Ed. da UFSC, 2002.

LHOTÊ, Jean-Marie. Dictionnaire des jeux de siciété. Flammarion: Paris, 1996.

NASCENTES, Antenor. O linguajar carioca. 2. ed. Completamente refundida. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1953.

OLIVEIRA, Dercir Pedro de (org.) Atlas Lingüístico de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Ed. da UFMS, 2007.

PORTILHO, Danyelle Almeida Saraiva. O falar amazônico: uma análise da proposta de Nascentes (1953) a partir de dados do Projeto ALiB, 2013, 155f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2013.

POTTIER, Bernard. Linguística geral: teoria e descrição. Rio de Janeiro: Presença: Ed. da Universidade Santa Úrsula, 1978.

RIBEIRO, José et al. Esboço de um atlas linguístico de Minas Gerais. Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 1977.

RIBEIRO, Silvana Soares Costa. Brinquedos e brincadeiras infantis na área do Falar Baiano, 2012, 3v. 752f. Tese (Doutorado em Letras) Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

ROSSI, Nelson. Atlas Prévio dos Falares Baianos. Rio de Janeiro: Ministério de Educação e Cultura / Instituto Nacional do Livro, 1963.

SANTOS, Graziele Ferreira da Silva. O léxico dos jogos e diversões infantis no corpus do Projeto ALiB: visitando o Falar Nordestino, 2018, 207 f. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

SANTOS, Leandro Almeida dos. Brincando pelos caminhos do Falar Fluminense, 2016, 197f. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

SAPIR, Edward. Língua e ambiente. In: SAPIR, Edward. A linguística como ciência. Ensaios. Tradução de Joaquim Mattoso Câmara Jr. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1961. p. 43-62.

TELES, Ana Regina T. F.; RIBEIRO, Silvana S. C. Apresentando a cartografia aos linguistas: o Projeto ALiB. In: MOTA, Jacyra Andrade; CARDOSO, Suzana Alice Marcelino (org.). Documentos 2. Projeto Atlas Lingüístico do Brasil. Salvador: Quarteto, 2006. p. 207-226.

Obras citadas no Tesouro do léxico patrimonial galego e português (TLPGP) e utilizadas na descrição dos dados

ALTINO, Fabiane Cristina (2001): Pelos caminhos da geolinguística paranaense: um estudo do léxico popular de Adrianópolis. Dissertação de Mestrado em Letras. Londrina: Universidade Estadual de Londrina.

ALTINO, Fabiane Cristina (2007): Atlas lingüístico do Paraná - II – ALPR II. Londrina. Tese de Doutorado. Londrina: Universidade Estadual de Londrina.

BAAMONDE TRAVESO, Gloria (1977): A fala das parroquias de Arante e Cedofeita. Memoria de Licenciatura. Universidade de Santiago de Compostela.

BABARRO GONZÁLEZ, Xoán (2003): Galego de Asturias. Delimitación, caracterización e situación sociolingüística. A Coruña: Fundación Pedro Barrié de la Maza, vol. II, 333-459.

BRAGA, Franklim Costa (1971): Quadrazais. Etnografia e Linguagem. Dissertação de Licenciatura. Universidade de Lisboa.

BRAVO CRIADO, Xosé Antón (1984): A fala do Val do Toxa. Memoria de Licenciatura. Universidade de Santiago de Compostela.

CASTRO CASTEDO, Xosé Manuel (1986): O galego en Queizán (O Corgo). Memoria de Licenciatura. Universidade de Santiago de Compostela.

CORTÉS VÁZQUEZ, Luis (1954): El dialecto galaico-portugués hablado en Lubián (Zamora). Toponimia, textos y vocabulario. Salamanca: Universidad de Salamanca.

CRISTIANINI, Adriana Cristina (2007): Atlas semântico-lexical da região do Grande ABC. Tese de Doutoramento. Universidade de São Paulo.

DIAS, Marcelo Pires (2015): Banco de Dados do Atlas Geossociolinguístico Quilombola do Nordeste do Pará (AGQUINPA). Santiago de Compostela: Instituto da Lingua Galega.

EBS REBORDOSA (2020): Língua, património e conhecimento tradicional. Jogos e brinquedos. Ano lectivo 2019-2020. Coord. Ivone Monteiro. Escola Básica e Secundária de Rebordosa, Portugal.

ENCARNAÇÃO, Márcia Regina Teixeira da (2010): Atlas semântico-lexical de Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba – municípios do Litoral Norte de São Paulo. Tese de Doutoramento. Universidade de São Paulo.

FIGUEIREDO JR., Selmo Ribeiro (2018): Atlas linguístico pluridimensional do português paulista: níveis semântico-lexical e fonético-fonológico do vernáculo da região do Médio Tietê. Tese de Doutorado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo.

FRAIZ BARREIRO, María de los Ángeles (1974): El léxico de Codeseda. Memoria de Licenciatura. Universidade de Santiago de Compostela.

GÓMEZ GALLEGO, Ana et al. (2017): Xogos tradicionais. Banco de datos: enquisas da materia Dialectoloxía Galega, 2016-2017. Coord. Rosario Álvarez. Universidade de Santiago de Compostela.

GONZÁLEZ GONZÁLEZ, Margarita (2002): El gallego hablado de Cangas de Morrazo. Tese de doutoramento. Universidad de Oviedo.

LÓPEZ TABOADA, Carme (1978): El habla de la comarca de Sobrado de los Monjes. Memoria de Licenciatura. Universidade de Santiago de Compostela.

MAIA, Maria Lúcia Borba e (1965): O falar da ilha Terceira. Dissertação de Licenciatura. Universidade de Lisboa.

MATIAS, Maria de Fátima de Rezende F. (1974): Bilinguismo e níveis sociolinguísticos numa região luso-espanhola (Concelhos de Alandroal, Campo Maior, Elvas e Olivença). Dissertação de Licenciatura. Universidade de Coimbra. [ed. de id. (1984): Bilinguismo e níveis sociolinguísticos numa região luso-espanhola (Concelhos de Alandroal, Campo Maior, Elvas e Olivença). Separata de Revista Portuguesa de Filologia, vols. XVIII e XIX].

MEDEIROS, Maria de Jesus Chichorro de (1964): A linguagem micaelense em alguns dos seus aspectos. Dissertação de Licenciatura. Universidade de Lisboa.

PEREIRA, Maria Fernanda Afonso Alves (1970): O falar de Soajo. Dissertação de Licenciatura. Universidade de Lisboa.

RODRÍGUEZ LAGO, Mª Carmen (1974): Léxico dialectal y costumbres de Porto. Memoria de Licenciatura. Universidade de Santiago de Compostela.

ROXÍOS, Quique (2010): "A carabañola, a billarda", Espacio de Quique Roxíos. El ruxe ruxe del molín de Sanzo. https://quiqueroxios.wordpress.com/2010/03/03/a-carabanola-a-billarda/ [consulta: 24/04/2018].

VÁZQUEZ SOMOZA, Xosé Luís (1986): O galego en Zolle (Guntín). Memoria de Licenciatura. Universidade de Santiago de Compostela

Atlas Linguísticos citados no Tesouro do léxico patrimonial galego e português (TLPGP) e que não foram utilizadas na descrição dos dados

AGUILERA, Vanderci de Andrade (1987): Aspectos lingüísticos da fala londrinense: esboço de um atlas lingüístico de Londrina. Vol. II: Cartas Linguísticas Lexicais. Dissertação de Mestrado em Letras. Universidade Estadual Paulista. Curitiba: Conselho de Ciência e Tecnologia do Paraná - CONCITEC.

AGUILERA, Vanderci de Andrade (1990): Atlas linguístico do Paraná. Tese de Doutorado em Letras. Assis-SP: Universidade Estadual Paulista. [= Atlas linguístico do Paraná. (1994) Curitiba: Imprensa Oficial do Estado do Paraná / Londrina: Universidade Estadual de Londrina].

ALMEIDA, Edilene Maria Oliveira de (2009): Atlas Linguistico da Mata Sul de Pernambuco. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Paraíba.

ARAGÃO, Maria do Socorro Silva de / MENEZES, Cleusa Bezerra de (1984): Atlas lingüístico da Paraíba. V. Vols. 1 e 2. Brasília: CNPq/UFPB.

BESSA, José Rogério Fonetele (org.) (2010): Atlas Lingüístico do Ceará. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará.

CARDOSO, Suzana Alice M. (2005): Atlas lingüístico de Sergipe II. Salvador: EDUFBA.

CUBA, Marigilda Antonio (2009): Atlas Linguístico da Mesorregião Sudeste de Mato Grosso. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande-MS.

FABRIS, Simone Rosana (1997). Esboço de um atlas lingüístico de Tamarana. Monografia de Especialização em Língua Portuguesa. Londrina: Universidade Estadual de Londrina.

FERREIRA, Carlota et al. (1987): Atlas lingüístico de Sergipe. Salvador: Instituto de Letras / Fundação Estadual de Cultura de Sergipe.

LIMA, Fabiana dos Santos (2009): Atlas Linguistico de Iguatu. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Ceará.

PEREIRA, Maria das Neves (2007): Atlas Geolingüístico do Litoral Potiguar. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

PIZOLATO, Tania Mara de Podestá (1997): Esboço de um atlas lingüístico de Centenário do Sul. Monografia de Especialização em Língua Portuguesa. Londrina: Universidade Estadual de Londrina.

REIS, Regiane Coelho Pereira (2006): Atlas Lingüístico do município de Ponta Porã–MS: um registro das línguas em contato na fronteira do Brasil com o Paraguai. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas-MS.

ROMANO, Valter Pereira (2012): Atlas geossociolinguístico de Londrina: um estudo em tempo real e tempo aparente. Dissertação de Mestrado em Estudos da linguagem, Londrina: Universidade Estadual de Londrina.

ROSSI, Nelson / Carlota Ferreira / Dinah Isensee (1963): Atlas prévio dos falares baianos. Rio de Janeiro: INL.

SANCHES, Romário Duarte (2015): Variação lexical nos dados do projeto Atlas Geossociolinguístico do Amapá. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Letras. Universidade Federal do Pará.

SOARES, Rita de Cássia da Silva (2012): Atlas semântico-lexical da Região Norte do Alto Tietê – ReNAT-São Paulo. Tese de Doutoramento. Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

RIBEIRO, S. S. C.; MOTA, J. A.; ISQUERDO, A. N. DENOMINAÇÕES EM GALEGO E EM PORTUGUÊS PARA A BRINCADEIRA DE “PEGAR COM OLHOS VENDADOS”. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 71, p. 76–107, 2021. DOI: 10.9771/ell.i71.48188. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/48188. Acesso em: 25 jul. 2024.