TRAÇOS NÃO MANUAIS DE EVENTUALIDADES EM LIBRAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/ell.i72.46602

Palavras-chave:

Traços, Eventualidades, Libras

Resumo

Este artigo tem por objetivo descrever traços de natureza não manual como propriedades de eventualidades na Língua Brasileira de Sinais – Libras. Partindo das noções sobre o aspecto e as classes acionais (VENDLER, 1957; COMRIE, 1976; SMITH, 1991) admitimos que a co-ocorrência de atividades da face inferior (boca, bochechas e queixo) com a articulação manual exprime a natureza do esquema temporal do predicado. O arcabouço teórico é a Morfologia Distribuída (HALLE; MARANTZ, 1993), tendo como premissa que as eventualidades e os subeventos que as compõem devem ser codificados na sintaxe. A partir de amostras de sinalização natural de três informantes surdos adultos, investigamos os traços instantâneo/durativo e télico/atélico. Os resultados obtidos são: a) traço [+ contínuo] caracteriza eventualidades durativas; b) traço [+ pontual] caracteriza eventualidades télicas. Espera-se contribuir com a descrição de traços fonológicos compatíveis com a modalidade visual-espacial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AARONS, D. Aspects of the syntax of American Sign Language. 200f. Tese (Doutorado em Filosofia) - Boston University, Boston, 1994.

BAHAN, B. J. Non-manual realization of agreement in American Sign Language. 342f. Tese (Doutorado em Filosofia) - Boston University, Boston, 1996.

BAKER-SHENK, C. A micro analysis of the nonmanual components of American Sign Language. Unpublished PhD thesis, University of California, Berkeley, USA, 1983.

BELLUGI, U.; KLIMA, E. S. The signs of language. Psychological Science, [S.l.], v. 1, p. 6-9, 1979.

BICKFORD, J. A.; FRAYCHINEAUD, K. Mouth morphemes in ASL: A closer look. In: QUADROS, R. M. (ed.). Sign Languages: spinning and unraveling the past, present and future (papers from the Ninth Theoretical Issues in Sign Language Research Conference, Florianopolis, Brazil, December 2006). Petrolis, RJ: Editora Arara Azul, 2008.

BRITO, L. F. Língua brasileira de sinais – LIBRAS. In: BRITO, L. F. et al. (org.). Brasília: Secretaria de Educação Especial, v. 3, 1998.

BRITO, L. F. Por uma gramática de línguas de sinais. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2010.

COMRIE, B. Aspect: an introduction to the study of verbal aspect and related problems. Cambridge: Cambridge University Press,1976.

CRASBORN, O. et al. Frequency distribution and spreading behavior of diferente types of mouth actions in three sign languages. Sign Language & Linguistics, v. 11, n. 1, p. 4567, 2008.

EMBICK, D; MARANTZ, A. Architecture and blocking. Linguistic inquiry, v. 39, n. 1, p. 1-53, 2008.

FELIPE, T. A relação sintático-semântica dos verbos na Língua Brasileira de Sinais. Rio de Janeiro: UFRJ, Tese de doutorado em linguística, 1998

FIGUEIREDO, L. M. B.; LOURENÇO, G. Analisando a Língua Brasileira de Sinais como uma língua sem-tense. Scripta, Belo Horizonte, v. 24, n. 51, p. 361-396, 2020.

FINAU, R. Os Sinais do Tempo e Aspecto na Libras. Tese de doutorado. Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2004.

HALLE, M.; MARANTZ, A. Distributed morphology and the pieces of inflection. In: HALE, Kenneth; KEYSER, S. Jay (ed.). The view from building 20. Cambridge: MIT Press, 1993.

LEWIN, D.; SCHEMBRI, A. Adverbial mouth gestures in British Sign Language: A case study of tongue protrusion in BSL narratives. In: Workshop on nonmanuals in sign languages, 4-5 apr., Frankfurt, 2009.

LIDDELL, S. K.; JOHNSON, R. E. American Sign Language compound formation processes, lexicalization, and phonological remnants. Natural Language & Linguistic Theory, [S.l.], v. 4, n. 4, p. 445-513, 1986.

OLIVEIRA, F. A. Distinção entre aspecto lexical e aspecto gramatical na Língua Brasileira de Sinais. Dissertação (mestrado). Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Letras, 2018.

PIRES, G. S. A. Aspectualidade em libras: telicidade e duratividade. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem. Universidade Federal Fluminense, 2019.

QUADROS, R. M. KARNOPP, L. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SANDLER, W. Symbiotic symbolization by hand and mouth in sign language. Semiotica, [S.l.], v. 2009, n. 174, 2009.

SANTOS, H. R. Processos de expansão lexical da Libras no ambiente acadêmico. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa). Programa de Pós-Graduação em Letras. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2017.

SANTOS, H. R. Traços categorizadores na derivação de pares nome-verbo em Libras. Scripta, 24(51), p. 488-513, 2020.

SANTOS, H. R. Propriedades aspectuais de eventualidades em Libras: um compartilhamento de traços fonológicos entre articuladores manuais e não manuais. Tese (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa). Programa de Pós-Graduação em Letras. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2021.

SCHER, Ana Paula. As construções com o verbo leve "dar" e nominalizações em -ada no português do Brasil. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, 2004.

SILVA, L. Investigando a Categoria Aspectual na Aquisição da Língua Brasileira de Sinais. Dissertação. (Mestrado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

SMITH, C. The Parameter of Aspect. Dordrecht: Kluver, 1991.

VENDLER, Z. Causal relations. The Journal of philosophy, [S.l.], v. 64, n. 21, p. 704-713, 1967.

VERKUYL, H. J. A Theory of Aspectuality. Cambridge: Cambrige University Press, 1993.

VERKUYL, H. J. Aspectual Issues: Studies on Time and Quantity. Stanford: CSLI Publications, 1999.

WILBUR, R. B. Complex predicates involving events, time, and aspect: Is this why sign languages look so similar? In: QUER, J. (Ed.). Signs of the time: Selected papers from TISLR 2004. Hamburg: Signum-‐Verlag, 2008. p. 217–‐250.

WILBUR, R. B. Modality and the structure of language: Sign languages versus signed systems. In: MARSCHARK, MARC; SPENCER, PATRICIA E (Org.). Oxford Handbook of Deaf Studies, Language, and Education. New York: Oxford University Press, 2003. p. 332-346.

WOLL, B. The sign that dares to speak its name: Echo phonology in British Sign Language (BSL). In: BOYESBRAEM, P.; SUTTON-SPENCE, R. L. The hands are the head of the mouth. Hamburgo: Signum Press, 2001.

XAVIER, A. N. Análise preliminar de expressões não-manuais lexicais na libras. Revista Intercâmbio, v. XL:41-66, 2019.

Downloads

Publicado

2022-05-10

Como Citar

SANTOS, H. R. TRAÇOS NÃO MANUAIS DE EVENTUALIDADES EM LIBRAS. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 72, p. 126–148, 2022. DOI: 10.9771/ell.i72.46602. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/46602. Acesso em: 3 out. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS / ARTICLES