AS ORAÇÕES RELATIVAS NA VARIEDADE URBANA DO PORTUGUÊS DE MOÇAMBIQUE: UMA ABORDAGEM SOCIOLINGUÍSTICA

Autores

  • Mariana Santana Santiago de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Danielle Kely Gomes Universidade Federal do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0001-6335-1674

DOI:

https://doi.org/10.9771/ell.i72.46548

Palavras-chave:

Variação, Orações Relativas, Português de Moçambique

Resumo

Neste artigo, propõe-se descrever a distribuição das estratégias de relativização na modalidade oral da variedade moçambicana e os condicionamentos que atuam na implementação das relativas não padrão na modalidade oral do Português em Moçambique, à luz da Teoria da Variação e Mudança (WEINREICH; LABOV; HERZGOV, 2006[1968]). Os dados analisados pertencem à amostra principal do projeto Corporaport. Como hipótese de investigação, assume-se que as variedades do Português apresentam tendências “similares” na produtividade das estratégias de relativização, por conta da generalização do que como relativo “universal” e o esvaziamento semântico de preposições, sendo o contato do Português com as línguas autóctones de Moçambique um condicionamento pouco relevante para a implementação das relativas não padrão. Os resultados confirmam a hipótese, já que o nível de escolaridade do informante e condicionamentos sintático-semânticos foram relevantes para a implementação de estratégias de relativização não padrão.  As variáveis que controlam o efeito do contato entre línguas não foram relevantes estatisticamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEXANDRE, N.; HAGEMEIJER, T. Estratégias de relativização de PPs no mundo luso-atlântico: crioulos de base lexical portuguesa e variedades do português. In: MOURA, D.; SIBALDO, M. (eds.). Para a história do português brasileiro: sintaxe comparativa entre o português brasileiro e língua crioulas de base lexical portuguesa. Maceió: EDUFAL, 2013. p. 49-71. v. III. tomo IV.

BAGNO, M. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. 898- 927.

BRANDÃO, S.F. (org). Duas variedades africanas do Português: variáveis fonético-fonológicas e morfossintáticas. São Paulo: Blucher, 2018.

CASTILHO, A. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

CHIMBUTANE, F. Portuguese and african languages in Mozambique: a sociolinguistic approach. In: ÁLVARES LOPEZ, L; GONÇALVES, P; AVELAR, J. (eds). The Portuguese language continuum in Africa and Brazil. Amsterdam/Philadelfia: John Benjamins Publishing Company, 2018. p. 89-110.

FARACO, C. A. História sociopolítica da língua portuguesa. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

FIRMINO, G. A “questão linguística” na África pós-colonial: o caso de português e das línguas autóctones em Moçambique. Maputo: Promédia, 2002.

GOMES, D.K. O apagamento de vogais postônicas mediais em duas variedades africanas do Português: condicionamentos linguísticos e restrições sociais na redução de proparoxítonos. XXIXe Congrès International de Linguistique et Philologie Romanes. Copenhague: University of Copenhaguen, 6 jul. 2019.

KACHRU, B. B. Indian english: a sociolinguistic profile of a transplanted language. 1976. Paper.

KEENAN, E.; COMRIE, B. Noun Phrase Accessibility and Universal Grammar. Linguistic Inquiry, Cambridge, v. 8, n. 1, p. 63-99, 1977.

LABOV, W. Some sociolinguistic principles. In: PAULSTON, C.B; TUCKER, R.G. (eds). Sociolinguistics: the essential readings. Oxford: Blackwell Publishing, 2003.

NGUNGA, A; SIMBINE, M.C. Gramática descritiva da língua Changana. Maputo: Centro de Estudos Africanos/UEM, 2012.

PAIVA, M.C. A variável gênero/sexo. In: MOLLICA, M.C; BRAGA, M.L. Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2003. p. 33-42.

PISSURNO, K. C. S. A concordância verbal de terceira pessoa do plural na variedade moçambicana do Português: uma abordagem sociolinguística. 2017. 217f Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

PISSURNO, K. C. S. O perfil multilingue de Moçambique. In: BRANDÃO, S.F. (orgs). Duas variedades africanas do Português: variáveis fonético-fonológicas e morfossintáticas. São Paulo: Blucher, 2018. pp. 75-91.

RIBEIRO, Pe. Armando, CM. Dicionário gramatical Changana. Moçambique: Edições Paulinas, 2016.

TARALLO, F. Relativization strategies in brazilian portuguese. 1983. Dissertation (PhD) University of Pennsylvania, Philadelphia, 1983. 273 f.

WEINREICH, U; LABOV, W; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2006.

Downloads

Publicado

2022-05-10

Como Citar

OLIVEIRA, M. S. S. de; GOMES, D. K. AS ORAÇÕES RELATIVAS NA VARIEDADE URBANA DO PORTUGUÊS DE MOÇAMBIQUE: UMA ABORDAGEM SOCIOLINGUÍSTICA . Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 72, p. 76–97, 2022. DOI: 10.9771/ell.i72.46548. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/46548. Acesso em: 3 out. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS / ARTICLES