CONSIDERAÇÕES SOBRE A MEMÓRIA LITERÁRIA EM MACHADO DE ASSIS, JORGE LUIS BORGES E ALBERTO MUSSA

Autores

Palavras-chave:

Intertextualidade, Memória literária, Machado de Assis, Jorge Luis Borges, Alberto Mussa

Resumo

O presente artigo, amparado especialmente nas ideias de Tiphaine Samoyault (2008) acerca da intertextualidade, tem como principal objetivo realizar uma leitura comparatista entre o capítulo VII, intitulado “O delírio”, do romance Memórias póstumas de Brás Cubas ([1881] 2015), de Machado de Assis, o conto “O Aleph” ([1949] 2001), de Jorge Luis Borges, e o conto “A esfera fenícia”, publicado na antologia Os contos completos (2016), de Alberto Mussa. A partir disso, busca-se evidenciar a existência de uma memória literária que perpassa não apenas os textos literários, mas também os escritores que, neste estudo, são considerados a mola propulsora dessa memória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raíssa Cardoso Amaral, Universidade Federal de Pelotas

Doutoranda em Letras (linha de pesquisa: literatura, cultura e tradução) do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pelotas - UFPel.

Alfeu Sparemberger, Universidade Federal de Pelotas

Doutor em Letras (Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) pela Universidade de São Paulo (2004). Professor Adjunto do Centro de Letras e Comunicação da Universidade Federal de Pelotas - UFPel. 

Referências

ASSIS, Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. Porto Alegre: L&PM, 2015.

BLOOM, Harold. Gênio: os 100 autores mais criativos da história da literatura. Tradução de José Roberto O’Shea. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

BORGES, Jorge Luis. Ficções. Tradução de Carlos Nejar. São Paulo: Abril, 1972.

BORGES, Jorge Luis. O Aleph. Tradução de Flávio José Cardozo. São Paulo: Globo, 2001.

BORGES, Jorge Luis. Outras inquisições. Tradução de Davi Arrigucci Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

BOSI, Alfredo. Brás Cubas em três versões. Teresa – Revista de Literatura Brasileira, São Paulo, n. 6/7, p. 279-317, 2006.

CANDIDO, Antonio. Esquema de Machado de Assis. In: CANDIDO, Antonio. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995. p. 15-32.

CARVALHAL, Tânia Franco. Intertextualidade: a migração de um conceito. Via Atlântica, São Paulo, n. 9, p. 125-136, 2006. Disponível em: [http://www.revistas.usp.br/

viaatlantica/article/view/50046]. Acesso em: 12/12/2020.

COMELLAS, Pere. Alberto Mussa e a tradução. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 50, p. 187-195, jan./abr. 2017. Disponível em: [http://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/10175]. Acesso em: 04/11/2020.

COMPAGNON, Antoine. O trabalho da citação. Tradução de Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

FABIANO, Ruy. O plágio de Borges a Machado. Capital Político (Online), Brasília, 12 set. 2020. Disponível em: [http://capitalpolitico.com/o-plagio-de-borges-a-machado/]. Acesso em: 12/12/2020.

FISCHER, Luís Augusto. Machado e Borges – e outros ensaios sobre Machado de Assis. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2008.

FUENTES, Carlos. Machado de la Mancha. Revista Nexos, México, jul. 1998. Disponível em: [http://www.nexos.com.mx/?p=8927]. Acesso em: 15/12/2020.

GENETTE, Gérard. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Tradução de Cibele Braga et al. Belo Horizonte: Edições Viva Voz/UFMG, 2010.

MACHADO, Mônica Aggio. Alberto Mussa e a devoração da ordem. 2013. 184 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Literatura) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

MUSSA, Alberto. O enigma de Qaf. Rio de Janeiro: Record, 2004.

MUSSA, Alberto. Elegbara. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.

MUSSA, Alberto. Meu destino é ser outsider. [Entrevista concedida a] Luiz Rebinski Junior. Cândido: Jornal da Biblioteca Pública do Paraná, Curitiba, 2013. Disponível em: [http://www.bpp.pr.gov.br/Candido/Pagina/Entrevista-Alberto-Mussa]. Acesso em: 13/12/2020.

MUSSA, Alberto. Os contos completos. Rio de Janeiro: Record, 2016.

OLIVEIRA, M. A. O delírio de Brás Cubas. Travessia, Santa Catarina, n. 2, p. 24-32, 1981. Disponível em: [https://periodicos.ufsc.br/index.php/travessia/article/view/18095]. Acesso em: 14/12/2020.

SAMOYAULT, Tiphaine. A intertextualidade. Tradução de Sandra Nitrini. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2008.

SARLO, Beatriz. Jorge Luis Borges, um escritor na periferia. Tradução de Samuel Titan Jr. São Paulo: Iluminuras, 2008.

Downloads

Publicado

2021-12-11

Como Citar

AMARAL, R. C.; SPAREMBERGER, A. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MEMÓRIA LITERÁRIA EM MACHADO DE ASSIS, JORGE LUIS BORGES E ALBERTO MUSSA. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 70, p. 62–84, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/44109. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS / ARTICLES