NAÇÃO, TERRENO DO DUPLO: A FUNÇÃO DO DUPLO NA MITOLOGIA DO ESTADO ABSOLUTISTA E DO ESTADO-NAÇÃO

Autores

Palavras-chave:

Duplo, Estado, Nação, Rômulo e Remo, Chimamanda Ngozi Adichie

Resumo

Este artigo faz uma leitura comparada entre a versão registrada por Plutarco do mito de Rômulo e Remo e a história das gêmeas Olanna e Kainene, personagens de Meio sol amarelo, romance da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, que trata do surgimento e do esfacelamento de Biafra (atual Nigéria). O objetivo precípuo é sugerir que a figura do duplo, em ambas as narrativas, cumpre uma função mitológica comum relacionada à fundação tanto do Estado absolutista quanto do Estado-nação. A diferença que se observa tem a ver com o destino do duplo após o Estado ser fundado. No Estado absolutista, a presença do duplo humano torna-se empecilho, na medida em que o soberano passa a estabelecer uma relação de duplo com o próprio Estado, sendo necessário, portanto, o afastamento do duplo anterior, que por vezes se dá pela morte. Já no Estado-nação, que tem a fraternidade como um de seus pilares simbólicos, a presença do duplo é condição sine qua non não só para legitimar a fundação da nação, mas também para justificar sua continuidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Meio sol amarelo. Tradução de Beth Vieira. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ANDRADE, Mário de. Dois poemas acreanos. In: Poesias completas. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1987. p. 203-206.

AMARANTE, José. Latinĭtas: leitura de textos em língua latina. Fábulas mitológicas e esópicas, epigramas, epístolas. Salvador: EDUFBA, 2015.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BARTHES, Roland. Mitologias. Tradução de Rita Buongermino, Pedro de Souza e Rejane Janowitzer. 2. ed. Rio de Janeiro: DIFEL, 2006.

CANCLINI, Néstor García. As identidades como espetáculo multimídia. In: Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Tradução de Maurício Santana Dias. 7. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008. p. 129-139.

FREUD, Sigmund. O Inquietante. In: Obras completas, v. 14. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 247-283.

FORSYTH, Frederick. A história de Biafra: o nascimento do mito africano. Tradução e A. B. Pinheiro de Lemos. 7. ed. Rio de Janeiro: Record, 1977.

FUSILLO, Massimo. L’altro e lo stesso: teoria e storia del doppio. 2. ed. Modena: Mucchi Editore, 2012. p. 24-42.

GLEDSON, John. Machado de Assis: ficção e história. Tradução de Sônia Coutinho. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

HOBSBAWM, Eric J. A era das revoluções, 1789-1848. Tradução de Maria Tereza Teixeira e Marcos Penchel. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

HOBSBAWM, Eric J. Introdução: a invenção das tradições. In: HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence (Org.). A invenção das tradições. Tradução de Celina Cardim Cavalcante. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984. p. 9-23.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LEÃO, Delfim F. Introdução. In: PLUTARCO. Vidas paralelas: Teseu e Rómulo. Tradução de Delfim F. Leão e Maria do Céu Fialho. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, 2008. p. 97-108.

LUCANO. Guerra civil – livro I. Tradução de Hermes Orígenes Duarte Vieira. João Pessoa: Ideia, 2018.

MEURANT, Alain. Romulus, jumeau et roi: aux fondements du modèle héroïque. Revue belge de philologie et d'historie, t. 78, fasc. 1, p. 61-88, 2000.

PLUTARCO. Vida de Rómulo. In: Vidas paralelas: Teseu e Rómulo. Tradução de Delfim F. Leão e Maria do Céu Fialho. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, 2008. p. 96-173.

RANK, Otto. The double: a psychoanalytic study. Tradução de Harry Tucker Jr. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 1971.

Downloads

Publicado

2021-12-11

Como Citar

FERNANDES, B. NAÇÃO, TERRENO DO DUPLO: A FUNÇÃO DO DUPLO NA MITOLOGIA DO ESTADO ABSOLUTISTA E DO ESTADO-NAÇÃO. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 70, p. 455–472, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/43786. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS / ARTICLES