A POTÊNCIA POLÍTICA DA RE-EXISTÊNCIA:

CORPOS EM PERFORMANCE CONTRA O GENOCÍDIO DA JUVENTUDE NEGRA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/contemporanea.v19i3.45883

Palavras-chave:

Genocídio negro, performance., Necropolítica

Resumo

Centrada na articulação entre a figura materna e a ação política de mulheres/mães que atuam contra o assassinato de jovens negros, a capa da terceira edição impressa da Revista Afirmativa, examinada neste artigo, aciona um vínculo dialético entre vida e morte, contra o extermínio do povo preto. A ilustração, na materialidade de sua composição, constitui a potência de corpos femininos vivos no combate ao genocídio da juventude negra, subvertendo o discurso que a constitui como autora da violência. Investigamos como, deste modo, é conformada uma comunicabilidade que performa existências políticas capazes de tensionar a lógica policial do Estado moderno, deixando visíveis estruturas de sentimento que se sustentam numa ideia de coletivo para disputar outros modos de existir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Matos, UFRB

Professora do Centro de Artes, Humanidades e Letras - CAHL - da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia-UFRB. Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação-Mestrado/ PPGCOM-UFRB. 

Jussara Maia, UFRB

Professora do Centro de Artes, Humanidades e Letras - CAHL - da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia-UFRB. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação-Mestrado/ PPGCOM-UFRB. 

Referências

AIRES, Suely. Corpos marcados para morrer: em uma sociedade em que a vida cotidiana é militarizada e as instituições civis sistematicamente destruídas, a morte se faz a cada dia. Revista Cult, São Paulo, 5 nov. 2018. Disponível em: https://bit.ly/3hYcAOL. Acesso em: 10 mar. 2022.

ALMEIDA, Sílvio. Racismo estrutural. São Paulo: Letramento, 2018.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CARDOSO FILHO, Jorge et al. Revista Afirmativa: uma experiência nos campos de jornalismo, cidadania e políticas afirmativas. Animus, Santa Maria, v. 15, n. 29, p. 69-86, 2016.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

GOMES, Itania M. M. Raymond Williams e a hipótese cultural da estrutura de sentimento. In: GOMES, Itania M. M.; JANOTTI JÚNIOR, Jeder (org.). Comunicação e Estudos Culturais. Salvador: Edufba, 2011. p. 29-48.

hooks, bell. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA [IPEA]; FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA [FBSP] (org.). Atlas da violência 2020. Brasília; Rio de Janeiro; São Paulo: IPEA; FBSP, 2019.

JORGE JÚNIOR, Mário. Juventude negra na televisão baiana: uma análise dos discursos e sentidos nos telejornais da TV Bahia e Record TV Itapoan. 2020. Dissertação (Mestrado em Comunicação) –Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, 2020.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LEITE, Naiara. Negras comunicações: as narrativas do Odara e da Bamidêle para a produção de imaginários auto-referenciados. 2019. Dissertação (Mestrado do Comunicação) – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, 2019.

MATOS, 2015. Narrativas em tensão: modos de ser jovem na(da) periferia. Revista Contemporânea, Salvador, v. 13, n. 2, p. 453-470, 2015.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: n -1 Edições, 2018.

NASCIMENTO, Beatriz. O conceito de quilombo e a resistência cultural negra. In: RATTS, Alex. Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Instituto Kuanza/Imprensa Oficial, 2006. p. 117-125.

PINHEIRO, Jonas de J. Alma Preta e Afirmativa: experiências contemporâneas de mídias negras na luta contra o racismo. 2019. Dissertação (Mestrado do Comunicação) – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, 2019.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Imprensa negra no Brasil no século XIX. São Paulo: Selo Negro Edições, 2010.

REIS, Alane. A nação em pauta: projetos políticos e vidas negras na revista afirmativa. 2020. Dissertação (Mestrado do Comunicação) – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, 2019.

SCHECHNER, Richard. Performance studies: an introduction. New York: Routledge, 2013.

SODRÉ, Muniz. Pensar Nagô. Rio de Janeiro: Vozes, 2017.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. São Paulo: Cosacnaify, 2007.

Downloads

Publicado

2022-05-02