Rompendo com o mundo que Gilberto Freyre criou

convergências entre o movimento negro e anticolonial no processo de emancipação e crítica à hegemonia cultural

Autores

Palavras-chave:

Transnacionalismo Negro, Lusotropicalismo, Democracia Racial, História Transnacional

Resumo

Como premissa teórica, o artigo parte de uma perspectiva transnacional para observar dois fenômenos e suas inter-relações. Primeiramente, nos interessa compreender, segundo a conjuntura internacional da emergência dos direitos humanos, o papel de Gilberto Freyre e suas teses na reaproximação entre Brasil e Portugal na década de 1950. Neste ponto, propomos entrecruzar os estudos sobre democracia racial e lusotropicalismo em prol de um entendimento interconectado desses conceitos e suas inter-relações na reconfiguração discursiva desses dois Estados. Em um segundo momento, entendendo o processo de emancipação cultural como estágio fundacional da organização política e do combate ao racismo e ao colonialismo, direcionamos nosso olhar à recepção e crítica das teses freyrianas por vozes do movimento negro brasileiro e lideranças da luta anticolonial em Portugal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinicius Rosalvo de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Mestrado em História Contemporanea pela Universidade Nova de Lisboa, Portugal. Bolsista de Doutorado da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil.

Referências

BARIANI JUNIOR, Edison. Guerreiro Ramos e a redenção sociológica: capitalismo e sociologia no Brasil. 2008. 329 f. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual Paulista (Unesp). Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, São Paulo, 2008. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/106293. Acesso em: 30 set. 2023.

BASTOS, Cristiana. Tristes trópicos e alegres luso-tropicalismos: das notas de viagem em Lévi-Strauss e Gilberto Freyre. Análise Social, v. 33, p. 415–432, 1998.

BENZAQUEN, Ricardo. Guerra e Paz: Casa-Grande & Senzala e a obra de Gilberto Freyre nos anos 30. Rio de Janeiro, RJ: Editora 34, 1994, 216p.

CABRAL, Amilcar. Resistance and Decolonization. London ; New York: Rowman & Littlefield Publishers, 2016.

CALDAS, Alan; SILVA, Nikolas Gustavo Pallisser. A democracia racial no pensamento de Guerreiro Ramos: um balanço dos comentadores. Tematicas, v. 29, n. 57, p. 88–116, 2021.

CARDÃO, Marcos. Allegories of exceptionalism: Lusotropicalism in mass culture (1960–74). Portuguese Journal of Social Science, v. 14, n. 3, p. 257–273, 2015.

CARDÃO, Marcos. Histórias sem fronteiras. O Brasil que Gilberto Freyre criou. Práticas da História. Journal on Theory, Historiography and Uses of the Past, n. 10, p. 45–70, 2020.

CARDÃO, Marcos. O charme discreto dos concursos de beleza e o luso-tropicalismo na década de 1970. Análise Social, v. 48, n. 208, p. 530–549, 2013.

CARDÃO, Marcos; CASTELO, Cláudia. Gilberto Freyre: novas leituras do outro lado do Atlântico. 1a edição. São Paulo, SP, Brasil: EDUSP, 2015.

CASTELO, Cláudia. “Novos Brasis” em África: desenvolvimento e colonialismo português tardio. Varia Historia, v. 30, p. 507–532, 2014.

CASTELO, Cláudia. O luso-tropicalismo e o colonialismo português tardio. BUALA. www.buala.org. Disponível em: https://www.buala.org/pt/a-ler/o-luso-tropicalismo-e-o-colonialismo-portugues-tardio. Acesso em: 30 set. 2023.

CASTELO, Cláudia. O Modo Português de Estar no Mundo: o luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa. Porto: Edições Afrontamento, 1999.

DAVILA, Walter Jerome Jose. Hotel Trópico: o Brasil e o desafio da descolonização africana 1950-1980. Tradução de Vera Joscelyne.. 1a edição. [S.l.]: Paz & Terra, 2012.

DOMINGUES, Petrônio. Como se fosse bumerangue: Frente Negra Brasileira no circuito transatlântico. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 28, p. 155–170, 2013.

DOMINGUES, Petrônio José. Movimento da negritude: uma breve reconstrução histórica. Mediações - Revista de Ciências Sociais, v. 10, n. 1, p. 25–40, 2005.

DUARTE, António Paulo David Silva. O império e a constituição colonial portuguesa (1914–1974). [s.l.]: Imprensa de História Contemporânea, 2018. Disponível em: https://run.unl.pt/handle/10362/92416. Acesso em: 30 set. 2023.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Nova tradução edição. [s.l.]: Ubu Editora, 2020.

FANON, Frantz. Racismo e Cultura. Revista Convergência Crítica, n. 13, 2018. Disponível em: https://periodicos.uff.br/convergenciacritica/article/view/38512. Acesso em: 30 set. 2023.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: A vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. 9a edição. [S.l.]: Paz & Terra, 2014.

GONÇALVES, Williams. As relações luso-brasileiras nos anos 1950. Tensões Mundiais, v. 5, n. 8, p. 265–290, 2009.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio. A democracia racial revisitada. Afro-Ásia, n. 60, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/36247. Acesso em: 11 set. 2023.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Democracia racial: o ideal, o pacto e o mito. Novos Estudos Cebrap, v. no 2001, n. 61, p. 147–162, 2001.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Notas sobre raça, cultura e identidade na imprensa negra de São Paulo e Rio de Janeiro, 1925-1950. Afro-Ásia, n. 29–30, 2003. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/21059. Acesso em: 30 set. 2023.

KOBAYASHI, Elisabete; FARIA, Lina; COSTA, Maria Conceição da. Eugenia e Fundação Rockefeller no Brasil: a saúde como proposta de regeneração nacional. Sociologias, ano 11, n. 22, p. 314–351, 2009.

MAIO, Marcos Chor. O Projeto Unesco: ciências sociais e o “credo racial brasileiro”. Revista USP, n. 46, p. 115–128, 2000.

MAIO, Marcos Chor. O Projeto Unesco e a agenda das ciências sociais no Brasil dos anos 40 e 50. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 14, n. 41, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69091999000300009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 30 set. 2023.

MATTOS, Maria Izilda Santos; GONÇALVES, Leandro Pereira. Exílios e resistências antissalazaristas em São Paulo/Brasil o jornal Portugal Democrático: questões e debates (1958-1977). Projeto História : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, v. 50, 2014. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/24041. Acesso em: 11 set. 2023.

MEDINA, João. Gilberto Freyre contestado: o lusotropicalismo criticado nas colônias portuguesas como álibi colonial do salazarismo. Revista USP, n. 45, p. 48–61, 2000.

NASCIMENTO, Abdias do. Teatro experimental do negro: trajetória e reflexões. Estudos Avançados, v. 18, n. 50, p. 209–224, 2004.

OLIVEIRA, Wendel Damasceno. Unidade africana em Mário Pinto de Andrade e em Amílcar Cabral: cultura e revolução nas reflexões e experiências dos intelectuais e líderes africanos. 2020. Dissertação (Mestrado em Humanidades), Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, UNILAB, Redenção-CE, 2020.

PEREIRA, Amilcar Araujo; VITTORIA, Paolo. A luta pela descolonização e as experiências de alfabetização na Guiné-Bissau: Amilcar Cabral e Paulo Freire. Estudos Históricos (Rio de Janeiro), v. 25, n. 50, p. 291–311, 2012.

RIBEIRO, Carla Patrícia. Um intelectual orgânico no Estado Novo de Salazar: as ideias e os projetos de luso-brasilidade de António Ferro. Intellèctus, v. 16, n. 2, 2017.

SANTOS, Aline. Sistema migratório Brasil-Portugal: breve histórico e especificidades atuais. Observatório Geográfico da América Latina, 2015.

SANTOS, Aline Lima. Mudança de vento: a migração do Brasil para Portugal no fim do século XX e início do século XXI. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, 2010. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-10012011-121646/. Acesso em: 30 set. 2023.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Nem preto nem branco muito pelo contrário. 1a edição. São Paulo, SP: Claro Enigma, 2013.

SOBRAL, Karine Martins; RIBEIRO, Ellen Cristine Dos Santos. A concepção de hegemonia no pensamento de Antonio Gramsci. Cadernos do GPOSSHE On-line, v. 3, n. 2, p. 90–106, 2020.

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. A eugenia brasileira e suas conexões internacionais: uma análise a partir das controvérsias entre Renato Kehl e Edgard Roquette-Pinto, 1920-1930. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 23, , p. 93–110, 2016. Suplemento 1.

STEPAN, Nancy Leys. The Hour of Eugenics: Race, Gender, and Nation in Latin America. Revised ed. edição. Ithaca: Cornell University Press, 1996.

Downloads

Publicado

2023-12-31

Como Citar

OLIVEIRA, V. R. de. Rompendo com o mundo que Gilberto Freyre criou: convergências entre o movimento negro e anticolonial no processo de emancipação e crítica à hegemonia cultural. Afro-Ásia, Salvador, n. 68, p. 377–405, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/54586. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos