Entre as Linhas 14 e 15

histórias, trajetórias e contextos de mestres alabês soteropolitanos

Autores

Palavras-chave:

Candomblé, Alabê, Música do candomblé, Música afrodiaspórica, Salvador

Resumo

Este artigo apresenta e discute histórias, trajetórias e dinâmicas de alabês soteropolitanos, suas conexões e contextos, anunciando assim uma coletividade sociorreligiosa. Inicialmente são compartilhados dados provenientes de entrevistas realizadas com três mestres dos tambores, sendo enfatizadas algumas aproximações no que concerne aos seus processos formativos enquanto músicos de candomblé e condições socioculturais. Às informações fornecidas a partir das entrevistas, são acrescidos dados bibliográficos e etnográficos, fornecendo então um panorama desta coletividade de mestres alabês e seus entornos. Finalizando, os alcances desta coletividade religiosa são expandidos a partir da apresentação de trânsitos e afinidades existentes entre terreiros com os quais os entrevistados têm vínculos, demonstrando assim o quão imbricados estão a música de candomblé e seus personagens nos acontecimentos e dinâmicas da religião de uma forma geral. Do particular para o universal, o intuito é demonstrar como estas camadas se sobrepõem, sendo, concomitantemente, constituídas e constituintes deste universo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Souza Palmeira, Universidade Estadual de Campinas

Mestre em Música pela Universidade Federal da Bahia, Brasil.

Referências

BARROS, Iuri Ricardo Passos de. Elas podem tocar atabaque?. XII ENECULT. Salvador, 2016. Disponível em: https://www.academia.edu/35138806/ELAS_PODEM_TOCAR_ATABAQUE . Acesso em:10 mar. 2023

BARROS, Iuri Ricardo Passos de. O Alagbê: entre o terreiro e o mundo. 2017. 128 p. Dissertação (Mestrado em Música) – Faculdade de Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2020. Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31383. Acesso em: 29 mar. 2020.

BASTIDE, Roger. O Candomblé da Bahia: Rito nagô. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

BÉHAGUE, Gerard. Correntes regionais e nacionais na música do candomblé baiano. Afro-Ásia, Salvador, v. 12, p. 129-140, 1976. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/20778/13381. Acesso em: 16 jun. 2020.

BENISTE, José. História dos candomblés do Rio de Janeiro: o encontro africano com o Rio e os personagens que construíram sua história religiosa. Rio de Janeiro: Bertrand, 2019.

BRAGA, Julio. A cadeira de Ogã e outros ensaios. Rio de Janeiro: Pallas, 1999.

CARDOSO, Angelo Nonato Natale. A linguagem dos tambores. 2006. 402 p. Tese (Doutorado em Etnomusicologia) - Curso de Música, Etnomusicologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006. Disponívelem: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/9112.Acesso em: 20 ago. 2019.

CARNEIRO, Edison. Candomblé da Bahia. 9. ed. São Paulo: WMf Martins Fontes, 2008. 178 p.

CASTILLO, Lisa Earl. Entre a escrita e a oralidade: a etnografia nos candomblés da Bahia. Salvador: EDUFBA, 2010.

CASTILLO, Lisa Earl. Entre Memória, mito e História: viajantes transatlânticos da Casa Branca. In: Reis, João José; Azevedo, Elciene (org). Escravidão e suas sombras. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 65-110.

CASTILLO, Lisa Earl. O terreiro do Gantois: redes sociais e etnografia histórica no século XIX. Revista de História, São Paulo, n. 176, p. 01-57, 2017. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/118842. Acesso em: 16 jun. 2021

DUARTE, Everaldo Conceição. Terreiro do Bogum: memórias de uma comunidade Jeje-Mahi na Bahia. Lauro de Freitas: Solisluna, 2018.

LIMA, Vivaldo da Costa. A família de santo nos candomblés jejes-nagôs da Bahia: um estudo de relações intragrupais. Salvador, Corrupio, 2003.

LÜHNING, Angela. A música do candomblé: etnomusicologia no Ilê Axé Opô Aganjú, Bahia. Salvador: EDUFBA, 2022.

LÜHNING, Angela Elisabeth; MATA, Sivanilton Encarnação da. Casa de Oxumarê: os cânticos que encantaram Pierre Verger. São Paulo: Arole Cultural, 2020.

LUZ, Marco Aurélio. Ilê Asipá: um terreiro na história. Salvador: EDUFBA, 2022.

OLIVEIRA, Rafael Soares de. Feitiço de Oxum: um estudo sobre o Ilê Axé Iyé Nassô Oká e suas relações em rede com outros terreiros, 2005. 240 p. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

PALMEIRA, Rafael Souza. Particularidades e universalidades do candomblé: a “unidade sem uniformidade” aplicada à música ketu. Revista OPUS, v.27 n.2, p. 01 -21, 2021. Disponível em https://www.anppom.com.br/revista/index.php/opus/article/view/opus2021b2703/pdf#. Acesso em: 20 jun.2022.

PARÉS, Luis Nicolau. A formação do Candomblé: história e ritual da nação jeje na Bahia. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2018.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

QUERINO, Manuel. A raça africana e seus costumes na Bahia. 2. ed. Salvador: P55 Edições, 2014.

REIS, João José. Ganhadores: A greve negra de 1857 na Bahia. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

RODRIGUES, Nina. O animismo fetichista dos negros baianos. 2. ed. Salvador: P55 Edições, 2014.

SANTOS, Juana Elbein dos. Os Nagôs e a Morte. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

SILVEIRA, Renato da. O Candomblé da Barroquinha: processo de constituição do primeiro terreiro baiano de keto. Salvador: Edições Maianga, 2006.

VERGER, Pierre. Orixás. Salvador: Fundação Pierre Verger, 2018.

Downloads

Publicado

2023-12-31

Como Citar

PALMEIRA, R. S. . Entre as Linhas 14 e 15: histórias, trajetórias e contextos de mestres alabês soteropolitanos. Afro-Ásia, Salvador, n. 68, p. 336–376, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/54314. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos