Performance musical como disputa político-discursiva na diáspora

uma análise do halftime show do Super Bowl de 2022

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/aa.v0i67.52683

Palavras-chave:

Super Bowl, Discurso, Performance, Rap, Relações raciais

Resumo

A edição de 2022 do halftime show do Super Bowl, promovido pela National Football League (NFL) dos Estados Unidos (EUA), causou debates por se tratar da primeira edição em que o evento foi dedicado à cultura hip-hop do país. O que poderia parecer uma celebração da cultura negra foi, também, um palco de disputas políticas e discursivas atravessadas na performance. A NFL é objeto de crítica em função do tratamento conferido às pautas raciais, de maneira que os artistas tiveram que buscar estratégias para transmitir na performance a mensagem central do rap: a crítica à opressão racial e a celebração de vidas negras. Neste artigo, proponho analisar as dinâmicas de disputas discursivas que se articulam na construção dessa performance musical, entendendo a raça como uma categoria analítica central e retomando elementos da história e da estrutura do rap para entender de que forma a política performática se deu no show.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Abreu, Universidade de Brasília

Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Downloads

Publicado

2023-08-10

Como Citar

ABREU, M. Performance musical como disputa político-discursiva na diáspora: uma análise do halftime show do Super Bowl de 2022. Afro-Ásia, Salvador, n. 67, p. 470–498, 2023. DOI: 10.9771/aa.v0i67.52683. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/52683. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos