Na esteira do terreiro

religiões afro-brasileiras e associativismo na Bahia (1930-1970)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/aa.v0i67.50670

Palavras-chave:

Associati, Candomblé, Relações raciais, Movimento negro, Bahia

Resumo

Este artigo reúne notas e explora novos dados sobre um tema ainda pouco visitado nos estudos sobre a religiosidade afro-brasileira, embora seja um fenômeno bastante difundido: o associativismo vinculado às religiões de terreiro. Através de jornais publicados em Salvador, especialmente nos anos 1970, bem como por meio de dados etnográficos e historiográficos, apresentam-se sujeitos, interpretações, propostas e associações vinculadas à religiosidade afro-brasileira, que permitem compreender melhor as relações entre a experiência dos povos de terreiro e as lutas por direitos do negro no Brasil, sobretudo os esforços pelo reconhecimento de sua cidadania plena e pela superação do racismo na sociedade brasileira. A pauta do reconhecimento dos rituais ancestrais como religião, que incluía noções de valorização e respeito, evidencia que os terreiros não estavam distantes da agenda do movimento social negro, que procurava se articular nacionalmente a partir dos anos 1930.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edmar Ferreira Santos, Universidade do Estado da Bahia

Doutorado em Estudos Étnicos e Africanos pela Universidade Federal da Bahia, Brasil. Professor Assistente da Universidade do Estado da Bahia.

Downloads

Publicado

2023-08-10

Como Citar

SANTOS, E. F. Na esteira do terreiro: religiões afro-brasileiras e associativismo na Bahia (1930-1970). Afro-Ásia, Salvador, n. 67, p. 276–308, 2023. DOI: 10.9771/aa.v0i67.50670. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/50670. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos